Pular para o conteúdo principal

Essa insanidade que é ser mãe...


Agora sou mãe.
Não foi de uma hora pra outra. Foi planejado, pelo menos estávamos ensaiando ter um bebê há bastante tempo.
Preparei-me psicologicamente para isso (o que não adianta absolutamente nada, já que a maternidade chega e te arrebenta de emoções!) e a hora enfim, chegou.
Agora, meu tempo que já era um fiapo, mirrou-se de vez. Estou de licença maternidade, mas completamente envolvida no enorme trabalho que é cuidar de um bebê.
Quem é mãe sabe bem do que estou falando e principalmente da loucura que são os dois primeiros meses. Não há tempo para dormidas, comidas, namoros, banhos demorados, cabelos penteados e muito menos para roupas passadas.  Só há tempo para se doar, aprender, para refletir e amar.
Amar é a palavra da vez e você faz isso sem perceber.  Você dá amor em mínimas ações e se cobra por não amar mais (e me pergunto: é possível amar mais?).
Desde a gravidez as mudanças são muito profundas. Quando o bebê nasce um amor infinito invade nosso corpo e alma sendo impossível mensurá-lo. Essa sensação só aumenta à medida que o bebê vai crescendo e você vai conhecendo-o cada dia mais.
Quando se é mãe, especialmente nesse momento em que estamos nos descobrindo, é possível ver amor em tudo, mesmo quando por algum momento nos questionamos se essa aventura está valendo a pena (não faça nenhum juízo de valor sobre essa afirmação até estar na quinta noite consecutiva sem dormir). A vida tem realmente outro sentido e a nossa existência é questionada e avaliada todo momento.
Agora vivo pensando em outras mães e como é ou foi criar seus rebentos. Paro e avalio as dificuldades da minha ao longo da nossa trajetória e principalmente pela falta de companheiros nesses momentos cruciais. Lembro-me da minha avó cuidando de vários filhos pequenos sem recursos e num tempo onde a vida era mais difícil (a começar pelas fraldas de pano!). Choro com catástrofes nos jornais, lágrimas escorrem com propagandas e em cenas de novela. Vejo meu pequeno e sinto vontade de chorar só de pensar que posso faltar para ele.
É ou não é insano, tudo isso?
Ainda falando das reflexões que rondam a minha cabeça desde que o bebê nasceu, repudio ainda mais o preconceito, a injustiça, “o jeitinho brasileiro”, a ganância, a mentira, a preguiça e a falta de respeito com as pessoas, pois quero criar o meu filho livre de coisas que não fazem parte da minha vida e nem na do pai dele.  Valorizo cada dia mais a possibilidade, mesmo que remota, de ter um mundo melhor e principalmente, ter pessoas melhores nessas próximas gerações.
É, vida de mãe não é fácil. É uma vida dedicada à caridade sem querer retorno divino. É feita de alegrias e de muitas angústias. É para você e para o filho. É para o mundo. É para toda a vida.

Feliz Dia das Mães!

Coluna Jornal Cazumbá, maio 2015.

Comentários

Renata Marques disse…
OlÁ Beatrice!
Há muitos e muitos anos eu frequentava muito aqui, até que abandonei um pouco (muito!) meu próprio blog e com isso toda a comunidade que girava em torno.
Estou organizando as coisas para voltar e hoje me deparei com alguns links para seu blog e vim ver como estava! Que surpresa boa saber que agora você é mamãe! Fiquei feliz com a notícia e espero vê-la voltar!
Renata, que bom ter notícias suas! Também abandonei o blog e estou tentando me organizar para reformulá-lo e voltar à ativa.
Por motivos óbvios, é claro, estou ausente... obrigada pelas palavras. É de fato uma viagem fantástica. Estou muito feliz!
Vamos nos falando, tá? Beijão

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…