Pular para o conteúdo principal

Paraty e o centro histórico cheio de poesia


A minha relação com Paraty é antes de mais nada, afetiva.
Quando fui a primeira vez, sabia que tinha algo especial lá.
Cheguei e fui embriagada por uma aura de poesia e de liberdade nunca sentida em nenhum outro lugar.
Foi ali também que me apaixonei perdidamente por um poeta meio marginal em relação à toda aquela festa (foi na Festa literária de Paraty - FLIP de 2007).
Esse poeta me encantou exatamente por estar à margem de toda aquela pose comum em festas desse tipo.
[...]
Os anos se passaram, muita ponte aérea rolou nessa história, estamos casados oficialmente há quatro anos e agora com uma novidade: esperando nosso primeiro filho e muito mais apaixonados a cada dia.
É ou não é para amar esse lugar?

A cidade é paradoxal. São aglomerados desordenados ao redor de um centro histórico divino, que mais parece um museu a céu aberto. São incontáveis amostras de uma arquitetura linda, poética e bucólica.
Paraty tem um ritmo próprio e insiste em ser pequena. Tenho a impressão que quer ser pequena, mas elegante, resgatando sua aura da época do caminho do ouro.
Isso pode ser sentido pela grande efervescência artística que existe por lá. Os ateliês espalhados pela cidade são prova de quão criativos são os artistas instalados em vários casarões nas principais ruas do centro histórico.
São estruturas de bom gosto, com peças lindas e muitas vezes caras, mas para quem aprecia arte e artesanato de primeira, lá é um dos melhores lugares para comprar.

As ruas com pouca luz à noite ainda transformam o centro em um lugar mais especial, que são emoldurados com ótimos pequenos restaurantes românticos e com comidinhas fusion para todos os gostos.
Caminhar pelas suas ruas [mesmo reclamando das pedras "pés-de-moleque" que incomodam até quem está de tênis], coladinho em quem é especial, dá uma sensação boa de acolhimento e prazer. Estivemos rapidamente no último final de semana, mas o suficiente para desfrutar da beleza da cidade e voltarmos energizados para o ano novo.

Abaixo, pequenas amostras de toda essa belezura do Centro Histórico.

Enjoy!








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…