Pular para o conteúdo principal

Exposição Ron Mueck - espanto e genialidade!


Ron Mueck é australiano e autor dessas obras impressionantemente reais. São esculturas em tamanhos variados. Na verdade, são em tamanhos monumentais ou mesmo muito menores que os de uma pessoa de estatura média.
Utiliza materiais diversos para chegar aos perfeitos detalhes: fibra de vidro, resina, acrílico e silicone à partir de um modelo em argila. Os detalhes como veias, pelos, rugas, unhas, só pra falar do que mais me chamou a atenção, são incríveis.
O excesso de realismo é o que de fato mais impressiona, sem falar é claro, no contexto em que o artista te leva a pensar, como o porquê, qual a motivação e em que situação aquele personagem estaria sendo retratado.
Cada obra te leva a pensar em alguma coisa diferente, mas com a mesma admiração e espanto que você observa todas.

Vi uma matéria sobre esse artista ano passado em algum canal pago e me interessei. Este ano, já esteve em cartaz no Rio de Janeiro e confesso que estava ansiosa para que chegasse por aqui.

O problema são sempre as filas em todas as exposições boas: para entrar na Pinacoteca as filas são desumanas! Chegamos por volta das 11h e você tem a impressão de que aquelas filas não vão acabar nunca mais. Tem fila fora da Pinacoteca (mais ou menos 1 hora), depois você entra nos jardins e tem outra fila para ter acesso às obras (imagino que mais umas duas horas mais ou menos).
Usufruí do benefício concedido às grávidas, que é ter preferência para entrar e conseguimos estar de frente para a primeira obra do Mueck em menos de 1 minuto após chegarmos. Não preciso dizer que amei essa possibilidade, principalmente porque quase nunca me utilizo desse direito (esqueço, na verdade).

Outra coisa um tanto incômoda nessas exposições, é a falta de educação das pessoas, mas isso a gente tira de letra e consegue curtir tudo, sempre!
[Algumas pessoas não sabem se comportar: ultrapassam os espaços delimitados para segurança da obra, conversam sobre todos os assuntos enquanto você está observando, ao invés de contemplarem, passam na frente, tiram fotos e empurram os outros... Lembrei quando fomos ao Memorial da América Latina ver os quadros Guerra e Paz do Portinari, tinha um casal intelectualóide falando da obra, da vida do artista, das influências, etc, atrapalhando todos que estavam próximos - uns chatos, eu diria]

Bom, de qualquer forma, valeu muito ter ido ver as obras do Ron Mueck. Nunca tinha visto nada tão perto do real e que me chamasse tanto a atenção.

Conselho de amiga? Corre que com um esforcinho, dá pra ver!

Obra: À deriva

Obra: Máscara II (sem dúvida a mais impressionante de todas - autorretrato do artista)




:
Obra: Natureza morta (essa obra também chama muito a atenção pelo tamanho e pelos detalhes das texturas do corpo do frango) 

Obra: Juventude

Obras: Jovem Casal e Mulher com as compras

Obra: Mulher com galhos

Obra: Homem em um barco (o barco tem tamanho real e o homem é pequenininho)

Obra: Casal debaixo do guarda-sol (escultura em uma escala enorme. Parecemos muito pequenos diante dessa obra... mas não somos?)

A difícil arte de tirar uma foto com pouca gente ao lado.
A exposição fica em cartaz na Pinacoteca até 2 de fevereiro de 2015.
Praça da Luz, 2. (Estação Luz do Metrô)
www.pinacoteca.org.br
R$ 6,00
Terça a domingo, das 10h às 18h
Quinta, das 10h às 22h, com entrada gratuita à partir das 17h

Comentários

Roberto Carvalho disse…
10 as fotos!! Aqui no RJ impossível fotografar! Gente pelo ladrão!! RS!
Obrigada Roberto!
Ah, mas foi uma luta tirar essas fotos... Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…