sexta-feira, 18 de julho de 2014

Morre a voz de João Ubaldo Ribeiro

Os bons estão morrendo muito rápido pro meu gosto.
Até se formarem novos bons, emblemáticos, inesquecíveis, talentosos... leva tempo!
Quem garante que estarei viva para vê-los? Quem pode me dizer quem é bom na atualidade, se tudo é efêmero?
As fotos que postamos por um instante e que quem não curtiu na hora não tem mais interesse por elas; as fotos de tudo e não mais de momentos especiais; as fotos que apagamos com a maior naturalidade...
As amizades segmentadas: tem as do trabalho, as do bairro, as da família e as de coração...
As comidas, que com tanta variedade e modalidade, não ficam mais na memória...
E a felicidade? Essa passou de uma busca incessante e eterna para o contentamento rápido e rasteiro.
Sei lá. Fique triste com a morte do João Ubaldo Ribeiro.
Pra mim, essas pessoas admiradas por todos nós e que tem grande contribuição na nossa formação cultural e política, não poderiam ter o direito de morrer, embora no fundo não morram.
Além de seus escritos, a voz do João Ubaldo Ribeiro e aquela preguiça em falar, que tanto me fazia sorrir, ficarão em nossas memórias.
A vida, esse bem divino, tem outro sentido hoje. Principalmente para quem fica :(

Nenhum comentário: