Pular para o conteúdo principal

Maracanã Padrão FIFA: l-i-n-d-o!

O Maracanã da janela do avião!

Visitamos o novo Maracanã no mês passado. Está d-e-m-a-i-s!
Tenho certeza que mesmo se tivesse talento para escrever, não conseguiria descrever o quão lindo e alegre ficou o velho Maraca depois do Padrão FIFA.

Nossa lembrança do estádio nada tem a ver com o que existe hoje.
A última vez que estivemos lá, mesmo com as reformas realizadas após a inauguração em 1950, ainda era um estádio com aquele estilão "pré-arena", se é que você me entende.

O Maracanã com toda a história e lenda que o cercam, já faz dele um acontecimento por si só. Ir até ele só para saber da sua trajetória, já vale uma visita, mas tivemos a sorte de estarmos no Rio de Janeiro no final de semana da primeira rodada do Brasileirão e fomos no jogo de abertura: Fluminense e Figueirense, com ingressos em promoção: R$ 10,00. Não foi uma beleza?


Com todas as reformas e adaptações para a Copa, já que o Maracanã vai ser usado em vários jogos e receberá a final, o metrô agora deixa todo mundo praticamente dentro do estádio. Não acreditamos muito quando soubemos dessa novidade, mas ficamos rindo à toa com a possibilidade e pulando feito bobos quando saímos do Metrô e descemos numa passarela praticamente dentro do jogo.
Na verdade, descemos e ficamos olhando pra todos os lados tentando entender tudo, maravilhados com aquele acontecimento.
No Metrô, fomos juntinhos com a massa tricolor, desde as plataformas até entrarmos na passarela (nem o marido e nem os cunhados abriram a boca com seus sotaques paulistanos!).

O fato de não termos ingressos nos fez dar a volta quase que completa no estádio para achar a bilheteria do setor que queríamos. Mesmo com o apoio de uma equipe grande de seguranças e monitores, foi duro comprar. Infelizmente as fotos das filas gigantes não ficaram boas.

A fila andou até que rápido, mas comprar os ingressos foi tenso, em função da confusão formada pela grande quantidade de gente e pela "malandragem" de alguns cariocas. Só conseguimos entrar no estádio no final do primeiro tempo.

Uma das entradas do estádio, ainda em reforma.

Essa é a passarela que sai do metrô e leva até uma das entradas (ainda em reforma, na ocasião)

Vista do estádio (setor superior Norte): claro, amplo, iluminado e confortável

Um dos gols do Fluminense em detalhe (acompanhe a sequência), incluindo o Fred comemorando com a torcida, em imagem captada de um dos monitores do estádio.

Detalhe: o jogo terminou 3 x 0 para o Flu!

Para quem interessar, possa, rá!

Nós
 Antes que alguém pergunte ou ache que torcemos para um dos times em questão, antecipo que não. Fomos pelo prazer de ver um atrativo tão lendário, assim como queríamos ver como ficou tudo depois da reforma.

A primeira vez que fui ao Estádio Mário Filho, esse é o nome do Estadio para quem não sabe, ainda tinha a lendária "Geral", embora eu não tenha muita lembrança disso. Nessa época o folclore futebolístico existia de fato, sem ninguém incentivar. Era uma manifestação autêntica dos que assistiam ao jogo e ouviam ao mesmo tempo, com as orelhas coladas em radinhos de pilha. Um delírio saudosista que ainda tenho e sempre terei.

Depois disso fui com o maridão, nos idos de 2009 e a geral já tinha sido extinta. O estádio já era muito bacana, mas reconheço, não tinha o glamour de agora.

Desprezemos as análises sobre a Copa do Mundo e todo o contexto no qual estamos envolvidos em relação à nossa infraestrutura, saúde, educação e a tudo que a FIFA faz e desfaz nos países que sediam o mundial.
Consideremos o fato de que se não tivesse Copa, a saúde, educação e mobilidade urbana estariam o mesmo caos.
Acreditemos que o Brasil vai ganhar a Copa e afirmemos: o novo Maracanã dá um orgulho danado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…