Pular para o conteúdo principal

Bondinho, a reinvenção de um atrativo turístico.


A capacidade de se reinventar é uma qualidade que poucos destinos turísticos possuem.
Cidades grandes, cosmopolitas e que recebem um número grandes de turistas, convivem com essa responsabilidade diariamente, mas também contam com o apoio da própria dinâmica das cidades, que já promovem mudanças suficientes para deixar repetidas viagens, diferentes umas das outras.

O Pão de Açúcar, por exemplo, é uma atrativo clássico do país. Não há quem nunca tenha ouvido falar.
Há gerações e gerações que já visitaram, mas que a cada nova visita, revivem aspectos esquecidos pelo tempo. Eu sou um exemplo disso.
Fui três vezes a esse atrativo, sendo que a última visita foi na semana passada, onde pude rever detalhes e curiosidades que por algum motivo, eu não tinha guardado na minha memória RAM.
Confesso que só voltei ao Pão de Açúcar porque o maridão e os cunhados não conheciam.
Achava que já tinha visto tudo, que indo duas vezes na vida era o suficiente, mas não! Valeu muito a pena ir novamente ao velho bondinho.
Ele está muito mais moderno. A estação de partida, então, está em reforma e possui lojinhas, filas mais ou menos organizadas e o melhor: agora você pode adquirir via internet e passar na frente dos tontos que deixaram para comprar lá mesmo, no caso, nós.

A turma estava animada. Estávamos ansiosos para curtir a cidade e ao mesmo tempo querendo desestressar, já que o trecho de São Paulo para o Rio, levou 4 horas a mais que o previsto, ou seja, o suficiente para "melar" todo o roteiro pensado e programado com todo o grupo da viagem.

Toda essa demora nos fez sair do Bondinho às 20h, causando um certo desconforto para alguns membros do grupo que não estavam conosco, mas isso também faz parte de todo roteiro de viagens. Tem gente que fica feliz e tem gente que fica triste!


De dentro do avião

Parte do grupo: André, Carla, Patrícia, eu, Italo e Lu (a bolsa da Frida, é na verdade, Lu representada!)

Tem muito amor envolvido nessa foto: Italo e Marcelle

Estressada por causa do atraso do voo, preocupada com o roteiro que não ia ser seguido à risca, a fila enorme... só nos restava tomar umas!

O bondinho está mais moderno: branquinho, com mais lugares para apoio dentro dele e muito, mas muito mais rápido. São apenas 3 minutos para subir!



A capacidade é de 65 pessoas a cada viagem. Nem um a mais, só a menos!



Ele e a paisagem: não pode ter coisa mais linda na minha vida!

A camiseta combinando com a paisagem não foi proposital

É ou não é uma das cidades mais lindas do mundo?

Ficamos até a noite. As filas estavam gigantes e fomos vendo a mudança da paisagem. Chegou a neblina e tudo mudou!


Essa cena foi surreal. Achei que estavam indo e vindo de Hogwarts...

A noite chegou. Com ela, o cansaço, mas a alegria de estarmos juntos era muito maior

Nas duas paradas: uma no Morro da Urca e outra no Pão de Açúcar, você tem algumas opções de restaurante, lojas, sorveterias, souvenirs, etc.
O que temos hoje em dia é muito maior e diversificado em relação à minha última visita que foi em 1997. Não consideraria as opções democráticas, porque não são. Uma lata de cerveja é R$ 7,00 e uma porção mísera de pão de queijo é R$ 9,50 e ponto final, mas até aí, entendo as questões negativas de se ser um atrativo único no mundo. Você sobe sabendo que a vida é assim.
A estrutura do Morro da Urca é composto de anfiteatro, pracinha e espaços gastronômicos. No Pão de Açúcar existe o Cocuruto, um espaço cultural que conta a história do bondinho e de toda a tecnologia dispensada para o feito.

Achei tudo bem mais moderno, iluminado, com cara de Rio de Janeiro. O que eu tinha na lembrança era mais opaco, estático...
Como quase todos os atrativos do Rio de Janeiro, estava lotado. O dia inteiro lotado! Lotado para subir, lotado para descer, mas ainda assim, foi menos sacrificante que a nossa última ida ao Cristo Redentor, que nos rendeu muito estresse.

Para os que foram pela primeira vez, só elogios. Para Mamá, Patrícia e eu, que já tínhamos ido, também rendemos elogios ao Bondinho e percebemos a mudança logo que chegamos na estação, antes de entrarmos. Se eu fosse você, em sua próxima visita ao Rio de Janeiro, iria lá para ver.

Bondinho do Pão de Açúcar
R$ 62,00 - adultos (cartão e à vista)
Meia entrada para idosos e estudantes, apresentando os respectivos documentos de identificação.
Aceitam compras pela internet


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…