Pular para o conteúdo principal

Estação das Docas e Mercado Ver-o-Peso num só passeio - obrigatório em Belém!

"você me abre seus braços e a gente faz um país"*

Belém é realmente impressionante.
Quanto mais você conhece, mais interessante fica sua viagem.
Tudo que vimos, experimentamos e fizemos, foi de grande valia.
Não é um destino com praia e mar azul. É um destino cultural. É uma cidade que não quer ser parecida com nenhuma outra. Tem a sua identidade e é dessa diferença que quer viver!

A gastronomia é, sem dúvida, um dos pontos altos da viagem. São inúmeras atrações culinárias para degustar, fotografar e sentir pela primeira vez.

As atrações culturais também formam um capítulo muito interessante e alguns dos atrativos existentes, a maioria de nós, nem fazia ideia que existia.

A Estação das Docas é uma lindeza! Reformada para ser um atrativo turístico por excelência, atende muito bem quem a visita e surpreende a todos com tamanhas atrações.

São vários restaurantes, lojas de souvenirs, lojas de sorvetes, botecos e até a Amazon Beer, cervejaria pra lá de famosa, está lá.

Ficamos uma tarde inteira zanzando e descobrindo coisas deliciosas.

Bem ao lado da Estação das Docas, fica o Ver-o-peso, mercado popular e super interessante, que fiquei completamente apaixonada, mas esse, vira e mexe, tem reportagens de pessoas que ficaram encantadas também.

No Ver-o-peso, muita coisa é novidade. Os insumos gastronômicos são muito diferentes e em cada banquinha você acha uma coisa surpreendente, com o diferencial de mais uns dois dedos de prosa com o vendedor!

É um programa para quem realmente gosta de descobrir. Gente com "siricutico" e com alma muito urbana não vai gostar e ainda poderá sair reclamando, o que na minha opinião, é um pecado mortal.

As carnes, os peixes, as aves e as verduras estão ali sendo tratadas na frente de qualquer um e é isso que faz a coisa ficar ainda mais bacana.

Se você for desses (como eu) que não liga para o APPCC** da feira e gosta muito de sentar pra comer com os moradores, a oportunidade é essa! Comidas, sucos e sobremesas saborosíssimas estão disponíveis para quem quiser. É só sentar numa banquinha e pedir.


A Estação das Docas vista de cima

A estação das Docas por fora

As Docas ficam de frente para a Baía de Guajará e o movimento dos barcos também me fisgou de paixão. Mais que de repente, lembrei da minha infância usando esse meio de transporte com muita frequência. Não é lindo de ver?

Comecinho do Ver-o-Peso

Não sei você, mas dá vontade de trazer tudo que vejo de diferente, mesmo não sabendo usar a metade!

Cupuaçu, amor antigo
Sementes para todos os gostos

Tucupi, estrela da culinária paraense

Os famosos banhos cheirosos

Não se engane, são remédios!

Trouxe vários banhos de descarrego. Vamos ver como se desenrola o ano, rá! 


Coisa linda de se ver...

Essa paisagem é ao lado do Ver-o-peso. Me pareceu muito familiar...


Achei o paraense divertido, alegre e irreverente. Eu realmente me senti muito bem em Belém! Diz o refrão "Chegou no Pará, parou. Tomou Açaí, ficou!

Belém é uma cidade que vive em função das águas. Acho lindo isso. De verdade!
Os barcos chegam e saem a todo momento e fui fisgada várias vezes olhando para a Baía com o pensamento longe. Os barcos são praticamente dos mesmos modelos usados no Maranhão e isso tem muita relevância na minha vida.
Em próximos posts falo desse detalhe e de tantos outros que me fizeram gostar tanto de Belém.

Inté!


* esse verso faz parte da trilha sonora do Maridão e consequentemente, das nossas vidas!
**APPCC - Análise de perigo e pontos críticos de controle

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…