segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!


Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pescadores, imprimindo suas caraterísticas tanto no pescar, quanto na forma de cozinhar os peixes.

Vista da Raposa, do Mar

São Pedro, estátua em uma das praças da Raposa

O melhor da Raposa está em suas entranhas.
Os arredores e tudo que a cerca, são de uma beleza sem tamanho.
Não tire conclusões precipitadas ao entrar na cidade e ver casinhas simples, com ar bagunçado, meio sujas e demodês.
Ao passar pelas principais ruas, você culmina com um porto e um mar cintilante, igual ao da primeira foto deste post.

Tivemos que fazer um passeio de 2 horas apenas, pois por ali quem manda é o mar e ele ordenou que somente duas horas eram o suficiente para ficarmos encantados.

A paisagem lembra muito os lençois maranhenses com dunas, lagoas, mangues, praias e rios.
Numa comparação engraçada, mas não menos criativa, o que visitamos, é conhecido como as "fronhas maranhenses", fazendo um trocadilho do seu tamanho em relação ao atrativo mais famoso, que fica no litoral leste do Maranhão.


Do barco, avistam-se as primeiras fronhas...

Em determinados ângulos, não dá pra diferenciar dos lençois

Usamos uma embarcação para 26 pessoas, mas éramos apenas 9.

O passeio faz paradas estratégicas para contemplarmos os vários tipos de mangues, as dunas e a praia, excelente para banho, já que é isolada e possui índice mínimo de poluição.

Durante o passeio também vemos vários espécies de caranguejos, aves como garças, guarás, gaivotas, dentre outros.

A minha sensação era de liberdade e alegria!

Os coletes, como em qualquer passeio náutico, são itens obrigatórios.



Parte da família (a paulista!)

A outra parte - a maranhense. Só as meninas!

Sogra e sogro

Ela, a razão de tudo isso!

Aqui, pedacinhos de carinho ao longo do passeio.
Em sentido horário: Italo e Álvaro, Riba, da Ribatur, nosso guia atencioso e animado, Louise (afilhada), refletindo sobre a vida e Bel (irmã) com a sogra, alegres com tudo aquilo! Ah, e eu!


Como tinha dito lá no início, a Raposa é um polo pesqueiro muito importante para São Luís. Os peixes chegam no porto fresquinhos e tem sempre uma fila de gente pra comprar.
Além do peixe fresco, confesso que adoro como eles trabalham os peixes salgados. O peixe seco fica secando no sol e na sombra e o resultado são peixes secos, mas úmidos.


Ao longo do passeio é possível ver várias casas que vendem peixes secos.
O cheiro de tudo aquilo é cativante para mim, ao contrário do que muitos possam achar.
Peixes serra, Cangatãs, Meros e Arraias são os exemplares mais encontrados. Foi entrar naquelas casinhas, sentir o cheiro e lembrar da casa da minha vó, que sempre apreciou peixe salgado cozido com leite de coco. Hum...




Outro aspecto interessante da Raposa, são as rendas produzidas lá.
A maioria é renda de bilro e de uma técnica chamada filé. São camisas, camisetas, xales, coletinhos, redes, saídas de praia e todo tipo de indumentária que combina com calor, praia e sol.
Não achei os preços tão bacanas, como já achei tempos atrás, mas ainda assim, algumas peças valem muito mesmo.



A gastronomia não poderia ficar de fora de um passeio desses, não é mesmo?
Após o cansaço do passeio e de banhos de mar muito divertidos, a barriga exigiu e fomos a um autêntico restaurante especializado em peixes e frutos do mar, comer comidinha fresca vinda direto do porto!
A anchova é o mais famoso exemplar de culinária típica da Raposa. Na brasa, com arroz temperado, farofa, vinagrete e vatapá, o prato faz muito sucesso e satisfaz todos os paladares!
Aproveitamos e pedimos também carne de sol para diversificar a mesa!



A paisagem de todo o passeio vale muito a pena.
É um passeio diferente e enriquecedor, mas atenção: esqueça aqueles passeios pasteurizados que existem ao longo da costa brasileira. O mar do Maranhão é diferente e as paisagens também.
O passeio não contempla praias com mar azul e coqueirinhos. O negócio aqui é totalmente diferente: é preciso estar de coração e peito aberto para saber apreciar!

Usamos:
RibaTur - Agência de turismo
tratar com Riba ou Vanda
(98) 8167 - 6553
(98) 8721 - 6663
(98) 8848 - 0977




Um comentário:

Giselle disse...

Ola Beatrice

gostaria de saber em relacao aos precos, do passeio em si e do almoco.

obrigada