Pular para o conteúdo principal

Aparecida, do tamanho da sua fé!


Aparecida, em São Paulo, é um dos maiores centros de fé católica do Brasil.
O que te move até lá é muito pessoal. Cada uma das pessoas que por lá encontramos, tinha uma história, uma superação ou um agradecimento a Deus e a Nossa Senhora Aparecida, sobre uma graça alcançada.
O município é simples. Não tem grande estrutura e o grande destaque é sem dúvida a enorme quantidade de gente que passa por lá diariamente.

Fomos num domingo que é um dia típico para esse tipo de passeio, logo a cidade estava fervendo de gente e fervendo também e principalmente, pela temperatura que passava dos 30º. Verdade verdadeira, a cidade estava sufocante.
Andávamos de um lado para o outro e o calor nos tirava um pouco do rumo. Não tinha água que fizesse a sede passar, tampouco hidratar.

A Basílica é gigante e linda e mesmo assim não consegue acomodar todos que a procuram para estarem mais próximos de Deus e de Nossa Senhora Aparecida.
A arquitetura é digna de elogios e tem uma nave central dividida em 4 eixos que culminam com um altar central e circular, onde ficam o padre, arcebispo e assistentes.
Os bancos típicos de igreja coexistem com pessoas sentadas no chão em todos os ambientes. Os romeiros estão em toda Aparecida vindos de todos os lugares e contam com um centro de acolhimento com banheiros, fraldário, um espaço de oração e opções de entretenimento.

O ponto alto da visita a Aparecida, além da visita à Basílica nova, é a visita à antiga igreja e para isso é necessário atravessar uma passarela. 
A passarela tem 392 metros e os fieis a utilizam como pagamento de promessas. 
Enquanto atravessávamos, vimos uma senhora de joelhos descendo e um rapaz finalizando sua subida, também de joelhos.
Ver essas expressões de fé mexeu com o meu coração. Muito mesmo.






O centro de apoio ao romeiro fica sempre lotado. De lá também saem ônibus para cidades próximas 

Vista lateral externa da Basílica

Basílica vista da passarela


Dentro da Basílica. Aquela imagem dourada no centro é a imagem original de Nossa Senhora Aparecida.
Pequenininha no tamanho e grande em seu poder

Vista interna da Basílica

O tamanho de tudo assusta um pouco, mas aos poucos você vai vendo sinais de organização.
Em todos os espaços existem centrais para marcação de missas, batizados, informações turísticas, informações sobre a programação da igreja, dentre outros.

Velário

Por todos os lados você encontra souvernirs religiosos. Alguns bem bacanões, outros nem tanto


A imagem de Nossa Senhora Aparecida, é claro, é a imagem mais procurada. Existe desde aquele pititica até as de 1,5 metro. São bem caras e o preço é definido pelo luxo (ou não) do manto
Essa imagem fica no morro que circunda a cidade. Anuncia de longe que ali é Aparecida

De todos os detalhes que vi, essa frase me fez rir e repetir com o maridão diversas vezes. Compramos várias. A garrafinha imita o desenho da imagem da santa
Eis a imagem que todos vão cultuar.
Para vê-la, fica-se numa fila organizada por separadores de fluxo até passar na frente dela. Em alguns segundos você agradece e pede proteção.

Seu Italo e D. Ana, companheiros nessas empreitadas...

Antiga igreja de Aparecida. Também tem imagem, bastante gente e tem fila

Antiga Basílica por dentro. Gosto bem de igrejas tradicionais!

Geral da cidade e da Basílica.

De acordo com o Instituto Genovesi de Pesquisa (Maridão e Seu Italo), tinham pelo menos 500 ônibus com romeiros em Aparecida.

A fé da gente não tem tamanho e não tem medida. É ela que nos move e foi ela que nos moveu até lá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…