Pular para o conteúdo principal

Aniversários de criança


Nasci no dia 1º de janeiro, uma data festiva por natureza!
Tirando o fato de ter feito minha mãezinha ficar com dor em pleno Réveillon, nos anos seguintes meus aniversários foram só alegria.
Meia noite e um minuto do Réveillon já é meu aniversário e começo a comemorar junto com os fogos da virada do ano. Estouro champanhe, espumante, cidra, cerveja (a bebida que tiver na ocasião) e saio abraçando todo mundo desejando um ano frutífero e recebendo as energias que todos desejam nessa época.
Se pensarmos somente na festa, a data não poderia ser mais emblemática.  O mundo inteiro está comemorando a virada do ano e recebemos uma carga extra de energia para podermos seguir por mais uma etapa. É um período muito especial para todos nós.
Aí você deve estar pensando “Que lindo!”, “Que maravilha!” e eu falo para você: não, não é assim tão lindo. Há um detalhe superimportante nisso tudo: eu nunca tive um aniversário de criança na vida! Você pensa que é fácil? Que tudo são flores? Não! Não sei como não fiquei uma pessoa revoltada, com desvio de comportamento ao longo desses anos.
Explico: a minha família gosta de farras. E são farras que obedecem a um formato único e muito próprio.
São festas regadas a muita cerveja, cantorias e instrumentos musicais. Esses instrumentos variam de acordo com a quantidade de convidados, já que cada um tem um dom, mas em geral sempre tem violão, pandeiro, cabaça, já houve tempo em que tinha obrigatoriamente cavaquinho, saxofone, trombone, além das caixas de fósforo, abridores de cerveja batendo em garrafas e o batuque feito com as mãos em baldes ou mesmo na mesa. A habilidade de cada membro da família com determinado instrumento fazia com que fossem sempre os mesmos convidados e as festas ficassem cada vez mais ensaiadas.
Além dos instrumentos musicais, as mulheres da minha família têm vozes muito bonitas e afinadas. A minha mãe, por exemplo, tem um tom super alto que encanta quem a ouve. De quando em vez, é chamada de Marrom, só pra fazer um comparativo! A minha avó sempre teve voz boa, minhas tias também cantam muito bem. As ovelhas negras nesse quesito, bem, são eu e a minha Tia Leila, que em troca de afinamento e voz bonita, ganhamos formosura (que as outras tias não leiam esse texto!).
A minha mãe é a pessoa que mais gosta de festa nesse planeta. Tem uma energia incrível e por conta dessa característica, sempre fez dos meus aniversários, festas dela.
Eu nunca tive um aniversário com balões, língua de sogra ou chapeuzinhos coloridos. Nunca tive enfeites de bichinhos nas paredes. Nunca tive uma festinha de aniversário com trilha sonora da Xuxa, do Balão Mágico ou do Trem da Alegria!
As minhas festinhas sempre tiveram uma cara diferente. A minha trilha sonora sempre foi embalada pela voz da minha mãe cantando Ângela Maria, Altemar Dutra, Nelson Gonçalves ou Núbia Lafayette. Ao invés de servirmos bolo com brigadeiros e beijinhos, nas minhas festinhas distribuíamos pratos de mocotó, feijoada e comidas de gente grande.
As festinhas do dia 1º de janeiro nunca começaram às 19h, como em festinhas infantis, e sim ao amanhecer do dia, aproveitando a volta pra casa das festas de Réveillon.
As festas em que comemorei meus aniversários ao longo da vida tinham uma informalidade característica da minha casa. Todos podiam entrar. Sempre tinha vaquinha para renovar o estoque de cerveja, sempre dava pra por mais água no feijão e sempre dava certo no final.
Ainda bem que ao invés de ficar revoltada, fiquei amante de músicas antigas, fiquei fã de instrumentos de sopro, fiquei apaixonada pela família e fui cativando muitos e muitos amigos.

Ah, e a minha mãe, continua adorando festinhas em casa. Ainda com cantoria, instrumentos musicais e muita cerveja!

Montagem da foto: Vitor Bargas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…