Pular para o conteúdo principal

Quem nunca quis ver as horas no relógio do Largo do Carmo?



Vinte e quatro horas passam rápido nos dias de hoje. Parece que rompemos a barreira do tempo e nem percebemos.
Também, com tantas atribuições, quem consegue vencer a quantidade de coisas a fazer imposta pelo mundo moderno? Além das atividades diárias que levam tempo e nos preenchem o dia, ainda temos que contar com elementos que nos tempos da vovó não existiam: congestionamentos, filas em banco, o “sistema” de pagamentos fora do ar, a internet que “está” lenta, as senhas para atendimento em farmácias, consultórios, dentre outros. Um dia é muito pouco para que possamos deitar com a sensação de não estar devendo nada para o dia seguinte.

Para medir o tempo, inventaram o relógio. Isso para facilitar as coisas, porque antes, o tempo era medido de formas muito variadas. A ampulheta talvez seja um dos símbolos mais conhecidos de todos nós. Tenho um amigo que sabe que horas são apenas vendo sua sombra no chão. Ele já me explicou o princípio do relógio de sol, mas nunca aprendi.
Os pescadores veem a altura do mar e sabem mais ou menos as horas.
Para mim, basta a barriga roncar, que já tenho ideia...

Já o relógio de pulso é considerado um acessório de luxo e de moda. Evoluíram com o tempo e conheço muitas histórias de verdadeiros aficionados. Há conhecidos que não vivem sem e dormem e tomam banho com ele. Na atualidade, é bem verdade que o telefone celular tem substituído em muitos casos, mas ainda assim, não ameaça a hegemonia do relógio para medir o tempo.

Por muitos anos, inclusive, os relógios ornamentaram prédios e igrejas. Eu sinceramente considero uma pena terem perdido essa “mania” com o tempo. Além de lindo, acho muito prático, saber que tem um relógio à sua frente, devendo para se atualizar, apenas levantar a cabeça.

Em São Luís, essa característica arquitetônica também se faz presente em alguns cantos da cidade, em especial no centro histórico. Um deles, um dos mais simpáticos, fica na Rua da Estrela, já chegando na Avenida Pedro II. Os outros dois estão nas torres da Catedral da Sé e o mais emblemático de todos, talvez aquele que todos os moradores tem em sua memória afetiva, é o relógio do Largo do Carmo.
Quem nunca olhou para aquele relógio quadradão no meio do Largo e lamentou ele não estar funcionando e pontual como o Big Ben, em Londres, por exemplo?
Entra ano e sai ano e o relógio está lá, sem funcionar.
Já vi com o vidro quebrado, já presenciei hippies usando como mictório e já fui testemunha de fogueiras para esquentar pandeirões bem ali no pezinho do relógio!
Temos uma joia no meio do centro da cidade e não cuidamos dela. Não a usamos com o devido respeito e nem damos a ela a importância histórica que tem.
Como sonho um dia ver esse relógio funcionar, mas fazendo um retrospecto rápido com outros símbolos da nossa história, vejo que a cada ano meus sonhos de ver minha cidade organizada e sustentável, ficam mais caducos e inexequíveis, o que é uma pena!

Uma das torres da Catedral da Sé


Relógio na rua da Estrela


As fotos que ilustram esse texto foram gentilmente cedidas por uma grande amiga e fotógrafa, Paulinha Alcoforado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…