Pular para o conteúdo principal

um olhar no metrô

Entrei no penúltimo vagão. Talvez achando que iria estar mais vazio e as minhas crises de tosse iriam incomodar menos todos os outros passageiros.
Para o meu engano, já entrei disputando espaço com uma senhora meio gordinha, daquelas que são bem durinhas, com os braços grossos, mas com os músculos rígidos.
Encostei-me na porta, já prevendo poder descer em qualquer estação em caso de uma crise mais aguda. Perto de mim, estava outra gordinha, mas dessas bem molinhas, lendo um livro encapado.
Fiquei quase de frente para ela e pude perceber que ao invés de ler seu livro, ela desviava os olhos para ler os torpedos de outra senhora sentada ao nosso lado.
Fiquei vendo durante um bom tempo e até esqueci um pouco da garganta coçando.

Quando parei de me distrair com a gordinha bisbilhoteira, vi do outro lado uma senhora negra com os cabelos escovados, com aquele volume pra fora, deixando o cabelo armado.
A senhora tinha o cabelo meio acaju, estava com blusa de lã e um cachecol bem colorido.
Olhei assim meio de esgueio, como quem não quer nada, vendo os movimentos ao meu redor, mas vi que ela estava chorando.
Chorava copiosamente em silêncio.
Poucas coisas são tão complicadas para mim quanto chorar em público. As pessoas fixam os olhos em você, ficam com pena, especulam mesmo sem saber os motivos das lágrimas.
Vi que ela limpava os olhos com as mãos e a maquiagem começava a borrar o seu rosto. Isso também não é nada fácil para uma mulher!
Cheguei um pouco mais perto. Na verdade, apenas inclinei o corpo. Tirei da bolsa um lencinho branco do meu pacotinho quase novo e ofereci a ela.
Ela não me agradeceu porque não conseguia parar de chorar.
Algumas pessoas ficaram nos olhando. 
Duas mulheres que estavam um pouco atrás até pararam de falar do Félix da novela e nos fitaram naqueles 3 segundos.
Minha estação chegou e ela me olhou fixamente com uma ternura tão grande no olhar, que desci do trem leve.
De verdade: os olhos falam mais que palavras.

Comentários

Fazer o bem sem olhar a quem,sem espera nada em troca.
Anônimo disse…
Lindo Bia!!Adoro esses teus textos!!!

Karen
Sabia que quando eu estava escrevendo, lembrei que já tinhas me dito isso?
Fiquei convencida... hehe
Aline Bezerra disse…
Lindo! Quase chorei também...

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…