terça-feira, 16 de julho de 2013

um olhar no metrô

Entrei no penúltimo vagão. Talvez achando que iria estar mais vazio e as minhas crises de tosse iriam incomodar menos todos os outros passageiros.
Para o meu engano, já entrei disputando espaço com uma senhora meio gordinha, daquelas que são bem durinhas, com os braços grossos, mas com os músculos rígidos.
Encostei-me na porta, já prevendo poder descer em qualquer estação em caso de uma crise mais aguda. Perto de mim, estava outra gordinha, mas dessas bem molinhas, lendo um livro encapado.
Fiquei quase de frente para ela e pude perceber que ao invés de ler seu livro, ela desviava os olhos para ler os torpedos de outra senhora sentada ao nosso lado.
Fiquei vendo durante um bom tempo e até esqueci um pouco da garganta coçando.

Quando parei de me distrair com a gordinha bisbilhoteira, vi do outro lado uma senhora negra com os cabelos escovados, com aquele volume pra fora, deixando o cabelo armado.
A senhora tinha o cabelo meio acaju, estava com blusa de lã e um cachecol bem colorido.
Olhei assim meio de esgueio, como quem não quer nada, vendo os movimentos ao meu redor, mas vi que ela estava chorando.
Chorava copiosamente em silêncio.
Poucas coisas são tão complicadas para mim quanto chorar em público. As pessoas fixam os olhos em você, ficam com pena, especulam mesmo sem saber os motivos das lágrimas.
Vi que ela limpava os olhos com as mãos e a maquiagem começava a borrar o seu rosto. Isso também não é nada fácil para uma mulher!
Cheguei um pouco mais perto. Na verdade, apenas inclinei o corpo. Tirei da bolsa um lencinho branco do meu pacotinho quase novo e ofereci a ela.
Ela não me agradeceu porque não conseguia parar de chorar.
Algumas pessoas ficaram nos olhando. 
Duas mulheres que estavam um pouco atrás até pararam de falar do Félix da novela e nos fitaram naqueles 3 segundos.
Minha estação chegou e ela me olhou fixamente com uma ternura tão grande no olhar, que desci do trem leve.
De verdade: os olhos falam mais que palavras.

5 comentários:

Conheça São Luis disse...

Fazer o bem sem olhar a quem,sem espera nada em troca.

Anônimo disse...

Lindo Bia!!Adoro esses teus textos!!!

Karen

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Sabia que quando eu estava escrevendo, lembrei que já tinhas me dito isso?
Fiquei convencida... hehe

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Isso!

Aline Bezerra disse...

Lindo! Quase chorei também...