Pular para o conteúdo principal

Mercado Municipal da Lapa - vale muito a pena visitar!


Aos poucos vamos desvendando os mercados municipais da cidade de São Paulo.
De um modo geral, todos os mercados por aqui possuem os mesmos produtos e a mesma organização, mudando uma coisa ou outra, para caracterizar a região e mesmo para diferenciá-los em pequenos detalhes.

Em cada região da cidade há mercados municipais que facilitam a vida da população, além das feiras de bairro que existem ao longo da semana.

Visitamos o Mercado da Lapa, bairro muito tradicional da zona oeste de São Paulo no último sábado. Achei tudo muito simpático e organizado. As barraquinhas são uma graça e na minha avaliação achei bem limpo.

Andamos muito pelas ruas do mercado, vimos umas curiosidades, descobrimos coisas novas e claro, sentamos num boteco para prosear e tomar umas, que ninguém é de ferro!

Uma das curiosidades que mais nos chamou atenção foi a quantidade de barraquinhas vendendo velas em todo o mercado. Isso, de fato, não é algo comum que se vê em outros mercados.

Outra coisa interessante, é que o mercado da Lapa é muito voltado para a venda de produtos da culinária nordestina, fato que deve ser explicado pela enorme agregação de pessoas do Nordeste na região e quem sabe, por isso mesmo, o culto às diversas religiões de matrizes africanas e daí as velas e alguns símbolos do catolicismo.

O mercado é uma atração turística por excelência e deve ser visitado!
Gostei bem de tudo por lá e vamos voltar com certeza.

Compramos queijo, uns docinhos, umas sacolas de feira meio toscas feitas com saco de cereais importados (amei!) e umas bolachinhas que lembram muito a minha infância, cujo nome na plaquinha era "bolacha do norte", mas essa confusão entre região norte e nordeste é assunto pra um outro post!






Velas e sacolas de feira fazem a festa nessa barraquinha.


E adivinhem quem também estava lá? O Jesus, é claro. Adorei ele ao lado da Pitu!
Ah comprei esse refrigerante de caju que chama São Geraldo. Já tinha tomado antes e gosto bem!





Amo uma manjubinha frita. Essa aqui está salgada e crua.

A da esquerda é castanha do Brasil, que já conhecia, mas a macadâmia, a da direita, juro que nunca tinha visto dentro da casinha!

Os queijos dessa barraca estavam sensacionais!

Dizem que lá tem um pastel delicioso de 800 gramas, mas a fila estava quilométrica!  Resolvemos nossa fome com os melhores bolinhos de bacalhau da região, de acordo com a plaquinha do boteco, é claro!

Super fácil para chegar lá: Saímos do metrô Bresser Mooca indo sentido Palmeiras-Barra funda. Depois, pegamos o trem no sentido Itapevi e descemos na estação Lapa. Da estação até o mercado, a pé, são 5 minutos.

Fotos: Italo Genovesi

Comentários

Anônimo disse…
Aos poucos desbravando toda São Paulo e Grande SP... falta o Mercado Municipal de Osasco.... vai gostar bem também !!
Já está anotado baby! O bloguito não vê a hora de conhecer a metrópole!
A propósito: pode assim, nesse dia, depois da visita... tomarmos uminhas por lá? Hahahah
Anônimo disse…
Claro com toooda certeza, te recomendo algumas opções por ali a pé mesmo ... hehehehe, desde é claro que eu esteja presente !

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…