Pular para o conteúdo principal

A tequila, a cachaça e o orgulho nacional

A Tequila tem um sex appeal todo especial.
É uma bebida que está no inconsciente das pessoas como algo quente, sexy, vibrante!
Não tenho conhecimento se ela sempre foi assim. Também não sei se no cotidiano de sua existência, lá nas brenhas do México, a coisa funciona como no resto do mundo.

Com grandes investimentos mexicanos em exportação, promoção da bebida, turismo e o resgate da auto estima dos mexicanos, a Tequila tem hoje um status muito respeitado enquanto representação cultural de um País, sem contar do prazer que é beber uma bebida reconhecida oficialmente e com propriedade intelectual.
Assim são os Bourbons dos EUA. Vejam o caso o Jack Daniel's: é um uísque do tipo bourbon com a maioria de sua composição feita de milho e talvez a mais famosa do mundo com as mesmas características. Quem pensa em Jack Daniel's, lembra da sua origem.

O rum cubano também tem uma posição completamente assegurada no mercado internacional. Rum bom é rum cubano e ponto final! 

Com a Tequila acontece a mesma coisa, só que com mais intensidade. Tequila lembra México e México, ok ok,  lembra Tequila, sombrero e mariachis, mas convenhamos, a bebida tá aí no meio fazendo o seu papel. 
Acho isso de uma sabedoria tão grande, sabem?

Nossa cachaça luta e luta para ser reconhecida e o governo andando a passos de cágados. 
O máximo que os gringos conseguem trazer na bagagem de chegada é a palavra "caipirinha" e para confirmarmos nosso amor pelas coisas da pátria, a caipirinha foi desmoralizada com a introdução de vodka e saquê.
Não, não queremos discutir se é melhor, se saquê é isso ou aquilo, mas vamos fazer o esforço de reconhecer que no aspecto "pátria amada brasil" cagamos na cabeça da caipirinha!

Recentemente houve um acordo bilateral entre os EUA e o Brasil para reconhecimento da cachaça como produto unicamente brasileiro, ao mesmo tempo que reconhecemos os "bourbons whisky" e os "tenesse whisky". Tudo bem, não vejo com maus olhos esse acordo, mas sinto que estamos muito longe ainda...
E na Alemanha, para onde vai nossa maior quantidade de litros?
E nos países caribenhos? Latinos?

Nos esteites a cachaça é conhecida como "rum brasileiro". Olhem que afronta? Que desrespeito com os cubanos e com os produtores brasileiros, não é mesmo?

Sou adepta à corrente de que é fazendo pequenas ações, mas consistentes, que um dia chegaremos a um patamar mais respeitável, mas sinceramente, o Brasil se preocupa com debates tão imbecis e tão sem representatividade, que assuntos dessa importância são deixadas de lado.
Tem coisa mais importante para a auto estima nacional que ver seus produtos bem posicionados e sendo reconhecidos (quando são bons, é claro!)?

Para deleite de todos, vejam imagens de garrafas de Tequila da marca 1800 Tequila.
Dá ou não dá vontade de tomar?







Comentários

A Andarilha disse…
Menina! Que garrafas lindas!!!!!!!
Sou apaixonada por tequila, bebia muuuuuuuuuuuito! rsrs
Me apaixonei agora pelas garrafas!
E não é? Tô louca também.
Acho que além de bêbada viraria acumuladora de garrafas, hahaha.

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…