Pular para o conteúdo principal

Sufocada

Entrei na farmácia na tentativa de passar o tempo lendo rótulos e descobrindo novidades do mundo da beleza entre dois compromissos.
Entrei e fui imediatamente abordada por uma demonstradora de produtos da marca "X".
Falei que não, não estava à procura de nada específico.
- Mas se você conhecer os xampus, vai se interessar.
- Não, mas não quero nada não, muito obrigada.
- Eles são sem sal, tem um efeito especial para cobrir cabelos brancos, são profissionais e estão há dez anos no mercado.
- Não, muito obrigada.
- O preço deles é bastante acessível. Você pode pagar no cartão parcelado...
- Muito obrigada, mas não tenho interesse.
Irritada, mudei de gôndola e fui com os olhos em direção a novos xampus.
- A senhora conhece esse creme de pentear com óleo de Argan? Disse uma outra demonstradora.
- Muito obrigada, mas não estou procurando nada especial. Estou até com pressa...
- Mas seu cabelo tá precisando, está um pouco opaco.
Agradeci, fiquei com vontade de dar uma bifa nela e saí sem ter conseguido ver nada.

***
- Amor, vamos passar na Drogaria para comprar uns remédios que não consegui comprar naquela farmácia da Paulista?
- Sim, no caminho para o clube passamos lá.
Pensamos em entrar e sem nem por os segundos pés dentro da farmácia, vem uma moçoila com uma cestinha.
- Posso ajudar? Procurando alguma coisa específica?
Nos entreolhamos e deve ter rolado um bico torto da minha parte.
- Não, vamos só dar uma olhada em umas coisas, obrigada.
Atravessamos o corredor meio confusos e totalmente sufocados com tanta presteza.
Porque não se pode mais entrar numa loja e ficar em paz, ler rótulos, respirar, andar, comparar? Discutíamos os dois.
Fizemos a bobagem de parar em frente a uns sabonetes de uma nova marca e eis que vem outra atendente.
- Os senhores já tem o cartão da loja?
- Já, muito obrigada.
Saímos sem comprar nada. Hunf!

***
- Olha amor, aquela camisa tá linda, né? Você não tem nada parecido.
- É. Gostei...
- Vamos entrar e ver se fica bem.

- Já foram atendidos?
- Queremos ver aquela camisa da vitrine.
- Aqui. Pode experimentar, viu?
Voltamos do provador e nos dirigimos ao caixa.
- Não quer ver camiseta?
- Não, obrigada.
- As camisetas estão R$ 49,90, pode parcelar no cartão.
- Não, muito obrigada. Um sorriso.
- As calças estão em promoção. Vestem super bem.
- Não obrigada.
- Tem roupas femininas, muita coisa em promoção também.
- Obrigada.
- E gravata?
- Não!
No caixa, quase pagando, vejo um cesto de palha com meias e mostro com os olhos para o maridão discretamente.
- Olha, essas meias são ótimas. Não querem levar?
Como assim, ela me viu mostrando com o olhar?
- Não moça, muito obrigada. Sem sorrisos.

Vamos rápido amor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…