Pular para o conteúdo principal

Caldinho de sururu - levanta até defunto!



Ah vá! Você também já acordou quebrado, destruído, de ressaca, cansado e prometendo nunca mais por uma gota de nenhuma bebida alcoolica na boca. Jurou juradinho que isso não ia mais acontecer, não foi?
Pois é, comigo essas coisas acontecem de vez em quando, pra não falar quase sempre.

Nesse domingo foi batata! Ou melhor, Sururu!
Acordei pedindo perdão a Deus e com vontade de me jogar do prédio pra ver se a sensação de desidratação (que chega junto com a ressaca) passava logo.
Fiquei arrastando pelos corredores de casa até que tive a ideia de abrir o freezer pra tentar me inspirar para alguma coisa verdadeiramente fácil e regeneradora. 
Abri e vi um pacotinho do mais fresquinho e abençoado Sururu vindo do Maranhão. Já sabendo da fama milagrosa do danado, dei uns pulinhos de alegria antecipando a cura!

Ok, não sabe o que é Sururu? Pois bem, é um tipo de marisco muito comum no Maranhão. 
Esclarecendo melhor sobre o assunto delicado em questão, vale lembrar que no Estado do Maranhão não existe marisco (um único), como já ouvi em vários lugares, inclusive em São Paulo. Por lá, são vários tipos de mariscos, cada um com nome, sobrenome e personalidade.
O Sarnambi, por exemplo, é totalmente diferente do Sururu e também é considerado marisco pelos maranhenses. (Vejam aqui o Manifesto pelo Sarnambi, texto que escrevi em 2008).

O Sururu tem sabor bastante acentuado e é considerado por muitos "afrodisíaco", de tanto que é substancioso!
Juntamente com o Caldo de Mocotó, formam a dupla "levanta-defunto" famosa no Nordeste do Brasil! Dizem que bastou uma cumbuquinha pro cabra levantar e sair dançando pelo salão totalmente revigorado.

Descongelei o sururu, cortei os temperos, fiz um caldinho para tomar como café da manhã e acreditem: ainda deu pra tomar mais umas cervejinhas antes do almoço, rá!

O Sururu é uma iguaria exótica. Pode ser feito ensopado, como bobó, tipo torta e até como molho para macarronada, se você for daqueles que experimenta tudo!

O caldinho é muito famoso, mas não é um tipo de marisco fácil de se gostar e não é fácil de achar em qualquer lugar. Aqui eu nunca vi. Nem em peixarias, nem em feiras e muito menos no Mercadão. Caso você saiba de alguma lugar que venda, por favor, me avisa?

Vamos aos ingredientes (tudo  no olhômetro, certo?):

(A coisa mais complicada e chata do sururu é lavá-lo. É preciso lavar muito em água corrente para tirar a areia de praia que vem junto com  a iguaria. O Sururu dá na praia e não é fácil limpá-lo realmente. Passei uns 20 minutos lavando e isso porque ele já estava limpo quando minha mãe mandou!)

Sururu
Cebola 
Alho
Tomate
Pimentão verde
Salsinha e Cebolinha
Pimenta dedo de moça picada bem pequenininha (a gosto)
Sal
Azeite
Extrato de tomate
Caldo de meio limão
(Se preferir, uma colher de sopa de azeite de dendê)
(Se estiver no Maranhão, cheiro verde e pimenta de cheiro - delícia)

Modo de Preparo:

Refogue no azeite a cebola, tomate, pimentão, alho e extrato de tomate. Deixe encorpar um pouco e ponha o sururu, devidamente lavado e escorrido.
Dê uma mexida e acerte o sal, que deve ser pouco porque ele salga com facilidade.
Ponha água fervendo para cozinhá-lo, mas não precisa demorar muito. Jogue a salsinha e a cebolinha, o suco do limão, a pimenta e caso você queira usar dendê, ponha nessa hora.
Deixe ferver mais uns 6 minutos. Acerte o tempero que quiser e está pronto!

No meu caso, não pus dendê porque queria um coisa mais leve.
Acrescentei o temperinho pronto "sabor do nordeste" pra dar mais um tchan.
Fica delicioso também com leite de coco. Faça com o coco e deixe mais encorpado, que vira um ótimo ensopado.


Ainda indisposta, enchi uma canequinha,  pus um fio de azeite e umas duas gotas de molho de pimenta.
Sentei para degustar minha iguaria e comecei a suar. Suei, suei e suei!


Boazinha em 20 minutos!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…