Pular para o conteúdo principal

Índice Augusto de Economia Turística


É chegado o verão.
A estação mais quente e animada do país traz consigo um imenso movimento turístico, proporcionando o aumento dos gastos com viagens e fazendo com que as cidades turísticas aqueçam suas economias.
De todos os elementos da cadeia produtiva do turismo, nenhum sente tanto essa mudança no bolso, quanto o Guia de Turismo.

O Guia de Turismo é aquela figura que ama a cidade onde vive e trabalha com afinco divulgando suas belezas, seus momentos históricos importantes e cuidando bem de seus visitantes. Está na ponta da cadeia, sendo o verdadeiro elo entre os turistas e a cidade.
É ele, que com muita diplomacia, estende o tapete vermelho dos atrativos turísticos para aqueles que vieram descobrir os prazeres de uma nova ventura.

O Guia trabalha na maioria das vezes como freelancer, ou seja, sem vínculos empregatícios com agências de viagens e operadoras turísticas. Na maioria das vezes possui um cadastro nas empresas e se coloca à disposição para trabalhos de condução, acompanhamento e monitoramento de grupos, de acordo com os roteiros ofertados pelas empresas.
O fato de não ter vínculo, garante ao Guia o pagamento dos passeios logo após a prestação do serviço, ou quando acordado previamente, de 15 em 15 dias, no máximo.

O pagamento feito duas vezes ao mês, associado a um movimento intenso de turistas, permite que o Guia de Turismo possa “acalorar” o bolso nessa época do ano, já que suas economias estão diretamente ligadas a maior ou menor frequência de turistas na cidade.

José Augusto Mendes, não por acaso, um grande amigo, é um dos Guias de Turismo mais atuantes no Estado do Maranhão, com ênfase para atuações em São Luís e Barreirinhas, principal portão de entrada para o Parque Nacional dos Lençois Maranhenses. É daquelas pessoas carismáticas e engraçadas que reconhece de longe o perfil do grupo que irá trabalhar. Tem um feeling todo especial para cativar grupos de todo porte.

Pelo fato de ter muita experiência na condução de grupos e de também atuar como professor universitário, sempre esteve ativo nas discussões acerca da melhoria do turismo, em especial, em São Luís.
Lembro-me das muitas discussões travadas por nós, há algum tempo, quando eu também atuava como professora do Curso de Turismo e criava, vez por outra, workshops, semanas temáticas, viagens de benchmarking e diversos eventos para dinamizar o curso e a atividade em nossa Ilha. Augusto sempre era convidado para palestras e composição de mesas, cujo objetivo pensado por mim, era dar um toque de alegria, veracidade e polêmica aos temas.

Sim, Augusto tem um poder único de criar situações engraçadas e de fazer todos entenderem como de fato, as coisas acontecem no turismo.

“O Índice Augusto de Economia Turística” foi rapidamente definido quando certa vez, um aluno levantou a mão na plateia e perguntou ingenuamente, como os Guias de Turismo percebem e lidam com a sazonalidade do turismo. Ele mais que depressa pegou o microfone e respondeu sem titubear:
- Simples! Quando eu consigo pagar o cartão de crédito, é alta. Quando eu pago o valor mínimo, é baixa estação!

Jornal Cazumbá, Coluna Ócio, Viagens e Gastronomia, janeiro de 2013

Comentários

alana disse…
augusto e suas perolas e por essas e outras que sentimos saudades dele...muito bom texto.
Pois é Alana, também sinto saudade desse gênio dos índices de economia turística. Falta agora fazer um texto sobre o "desapego", hehe

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…