segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

De domingo a domingo

Tenho sentido falta de mim mesma, de segunda à sexta-feira.
Sinto que aos poucos estou ficando mais seca, mais dura, menos visceral. Talvez seja a distância das minhas raízes, dos amigos de sempre.
Estar nessa torre de babel deixa-nos com o "couro curtido" e com a cara grossa e dura pelos tapas e  cuspes fora de hora.
O meu velho "não preconceito", minhas "não-amarras", minha "não competição" estão adormecidas e por vezes não me reconheço mais.

Posso dizer claramente que não estou gostando de mim, de segunda à sexta.
Pensei nisso hoje o dia inteiro, atolada de trabalho.
Trabalho... Sempre o trabalho regendo o mundo e nossas vidas.
O que eu seria sem ele? Nada.
Talvez tudo.

Saudade da Bia de sábado e de domingo.
Saudade da Bia do feriado.
Saudade da Bia gargalhando alto e fazendo palhaçada o dia todo, de domingo a domingo.

2 comentários:

Macário Campos disse...

Oi Bia, dá uma olhada nas letras dessa música, acho que combinam com seu estado de espírito.

http://macariocampos.blogspot.com/2010/12/o-homem-da-sucursal-caxanga.html

Bjs.

Ócio, viagens e gastronomia disse...

é querido, é isso mesmo... Adorei!