Pular para o conteúdo principal

Corcovado: magnífico, mas estressante!


A última vez que visitei o Cristo Redentor foi há 16 anos.
O Cristo é daquelas obras/atrações turísticas em que você tem a obrigação de conhecer, tendo a oportunidade, é claro!
A visita vale tanto pela representatividade da obra no mundo, como pela importância para o Brasil e para o Rio de Janeiro. É realmente incrível. A suntuosidade do Cristo diante de todos nós é algo para ser admirado.
A vista de cima do morro te deixa alegre e pensativo e é realmente fácil acreditar em Deus vendo toda a natureza que emoldura a cidade ali, bem diante dos nossos olhos, de uma vez só.

Fomos ao Rio de Janeiro no último final de semana, assim como tantos (e muitos) paulistanos e pessoinhas, assim como eu, que moram por aqui! A ponte aérea é uma facilidade e permite viagens rápidas e intensas, como a nossa.
Na verdade, compramos com muita antecedência, o que barateou muito a viagem.
Eu sou muito suspeita pra falar de diversão no Rio. Gosto de quase tudo que tem por lá: gosto do clima, das praias e do samba.  Me divirto sempre com poucas coisas e volto de lá renovada, de corpo e alma.
Aos poucos fui levando o maridão e ele hoje já faz questão de contar detalhes dos nossos points, fala com alegria das nossas peripécias e gosta bem de ir pra lá, mas mesmo com tantas idas e vidas, nunca tinha visitado os pontos turísticos mais famosos, como Corcovado e Pão de Açúcar, assim como o André e a Carlinha, que foram conosco fazer suas estreias em terras fluminenses.


Após uma passada na Confeitaria Colombo pra um café rápido, saímos para visitar o Cristo Redentor.
Um horror! Um loucura, melhor falando.
Assim que chegamos na praça que dá acesso ao Cristo, fomos informados que as vagas para o trenzinho  estavam disponíveis apenas às 17h20, sendo que eram 10h20. Justificativa do pessoal que trabalha no corcovado: chegaram 4 cruzeiros e os guias compraram todos os ticket's.
Você deve estar se perguntando a mesma coisa que todos nós na hora: Como assim? As pessoas que vieram para a cidade com outro meio de transporte não tem o direito de visitar o Corcovado?

Pois bem, sem as devidas respostas e em meio ao tumulto, você acaba não pensando no que é melhor fazer e é empurrado para as vans cadastradas que sobem a Floresta da Tijuca. 
Custa R$ 25,00 a subida e a descida, sem contar a briga que é entrar em uma delas e conviver com o mau humor dos atendentes e trabalhadores de turismo carioca.

À partir da vans, foram 4 horas de filas, calor e agonia, até enfim se ter a vista mais linda de todas...

A fila para a compra do ticket era essa. Um completo desestímulo, eu diria.
Ficamos quase 1 hora para comprar  os tickets, que não são vendidos antecipadamente e devem ser comprados em dinheiro. Cada um R$ 26,00
.
Depois da primeira fila, ainda teriam mais 4! A vontade de desistir é imensa.
As pessoas compram o ticket (1ª fila) e não acreditam quando veem a segunda fila, que é na verdade para entrar em vans do ICMBio (na verdade o ICMBio tanto administra as vans como os banheiros. Achei intrigante, na verdade).
Essas vans deixam no pé no Cristo, onde você fica em outra fila (3ª) para passar na catraca e subir as escadas até o cume. Na volta, são mais duas filas de vans.



As vans do ICMBio para subida ao Cristo, depois de umas duas horas em pé.

A única coisa boa mesmo, é a vista da fila...


É claro que estava lotado. Insuportavelmente lotado e não havia a possibilidade de abrir os braços para fazer aquela fotinho clássica, sabem? As fotos do Cristo sozinho são obras de engenharia do Maridão juntamente com os recursos da nossa máquina. Achei que ficaram demais!
Embora eu já estivesse cansada e xingando uns e outros, o dia estava lindo e a recompensa veio logo em seguida...







Explicando a foto do canto superior direito: com 4 horas de fila, há desodorantes que não resistem.
Tinha uma senhora bem jovem na nossa frente (ó vida, ó azar!) totalmente vencida.
Fizemos de tudo para nos livrar do fedor que vinha da nossa frente: desalinhamos a fila, aumentamos a distância, bebemos umas cervejas (latão = R$ 6,00), rezamos para o Cristo, enfim, nada resolveu. Como era de se esperar, entramos na mesma van que ela e já viram, né? Só tapando o nariz mesmo! (Acho que ela não viu, hehe)

É claro que tivemos o azar dos Cruzeiros, o que nos impossibilitou de completar o tour que tínhamos adquirido antecipadamente e nem sempre é complicado da forma como foi pra nós, mas conversando com algumas pessoas do próprio Corcovado e com nosso motorista, todos foram categóricos: até março, as atrações ficam lotadas e é preciso ter bastante tempo na cidade para poder lidar com imprevistos desse tipo.

A sorte é que nossos convidados entenderam bem a situação e resolvemos tomar umas para esquecer as coisas chatas e celebrar a vida!




Ainda sim, acho que cabem alguns questionamentos :
- E na Jornada Mundial da Juventude?
- E na Copa?
- Como assim, em pleno 2013 não se pode comprar os ingressos antes?
- Como é possível, cruzeiros acabarem com um dia inteiro de visitantes que estão no Rio em viagens curtas?
- Como levamos o dia todo ali, tivemos que abortar a ida ao Pão de Açúcar, que também só tinha vaga para 18h, ou seja, tem os mesmos problemas;
- Porque a maioria das pessoas que trabalha com turismo no Rio de Janeiro são tão mal educadas?
- A igreja, heim? Tratou logo de por uma espécie de back drop no pé do Cristo para divulgar a Jornada Mundial da Juventude. Não sei não...

Comentários

Anônimo disse…
òtima notícia com informações importantísssimassss.. beijokas CPR
Rio eu te amo disse…
Excelente relato. Vou linkar no meu blog, ok? dicasparaocristo.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…