Pular para o conteúdo principal

Cirandinha, um clássico carioca em Copacabana.


Tudo começa com uma fachada charmosa de arrepiar.
Quer mais? Nela está escrito "Salão de Chá".

É entrar e passar por uma cápsula do tempo onde você cai num típico salão de chá, confeitaria e restaurante dos anos 50/60.
A decoração é simples, mas mantém uma aura retrô muito forte que deve ser porque tudo que ainda está lá, é do tempo da inauguração do restaurante, e não, colocado lá para compor o salão.

As mesas e cadeiras tem um design lindamente antiquado e os garçons, juntamente com essa decoração, compõem um ambiente simples, mas refinado a ponto de deixar saudades nesta velhinha que vos fala.

O Cirandinha é muito tradicional. Foi inaugurado na década de 50 e mantém tudo como era desde então, inclusive os clientes, salvo um ou outro cliente saudosista que chega de supetão, como foi o nosso caso.

Entramos num domingo para almoçar e foi uma viagem no tempo sem descrição. Se somássemos as idades dos frequentadores naquela exata hora, daria uns dois milênios fácil, incluindo aí os garçons septuagenários bons de prosa.
As mesas estavam cheias de senhorinhas arrumadinhas com colares dourados e cabelinhos na escova e senhorinhos de blazer e calça social, uma delícia de ver!

Tudo que ali está, é autenticamente antigo, exceto as máquinas de café e de refrigerante que estão localizadas na entrada, juntamente com alguns acessórios culinários num balcão próprio para lanches e café da manhã.

No Cirandinha ainda é possível encontrar clássicos culinários como banana split e sundae, que foram sumariamente descartados nos nossos cardápios. O cardápio, a propósito, é vastíssimo, causando uma confusão na cabeça digna de restaurante bom, onde você fica em dúvida, porque tudo é gostoso.

Descobrimos sem querer esse recanto saudosista e acho que essa descoberta valeu toda a viagem! Pena eu não ter levado nossa indefectível máquina para registrarmos tudo como o Cirandinha merece.
Registramos o que deu via celular (que não tem uma boa resolução) simplesmente porque não conseguiria descrever com riqueza de detalhes nossa experiência.


O Cirandinha fica na movimentada Avenida Nossa Senhora de Copacabana e é bem possível que você não dê a menor pelota pra ele ao passar na calçada.

Fomos tomar café também. Dá pra imaginar um lugar em que o atendente põe um guardanapo de tecido no balcão?
E que o chocolate vem em dois bules de inox, um com chocolate bem forte e outro com leite bem quentinho?






Não tínhamos ideia do que pedir para celebrar aquela descoberta.
Eu queria batatas portuguesas desde sempre, porque vi que em quase todas as mesas tinham, então imaginei que seria um clássico local.
Maridão pediu o creme de milho e optamos por um frango para não complicar a digestão.
Eu J-A-M-A-I-S comi um creme de milho tão bom. Até hoje sinto o doce do milho na boca...
Acertamos em cheio na pedida!


Cirandinha
Av. Nossa Senhora de Copacabana, 719.
Rio de Janeiro



Dedico a todos aqueles, que como eu,  amam aquilo que já passou, embora curtam bem os tempos modernos...

Comentários

Anônimo disse…
Sempre fui fã de um prato praticamente inexistente no Rio de Janeiro. Refiro-me
ao Chicken Pie. Meio frango ensopado com batatas noisete, legumes uma fatia de
presunto e petit pois, cobertos por uma capa de de massa de empadão. Tudo levado ao forno e bem temperado.
Fui apresentado a este prato na década de 60 em um restaurante no Centro do Rio, denominado Ernesto, era situado na rua do Rosário. Este prato já não existe mais. Passados tantos anos tive a grata satisfação de reencontrar esta delícia, somente
no CIRANDINHA e me veio à mente que toda quinta-feira era a minha comida obrigatória
no antigo Ernesto. Quero dar meu testemunho, pois este Chiken Pie do CIRANDINHA, não
fica devendo absolutamente nada ao antigo Chiken Pie que eu conheci. É uma pena que eu não more em Copacabana, pois em toda terça-feira eu estaria me deliciando com este
delicioso prato. Parabéns ao CIRANDINHA. Apesar do anonimato meu nome é Sergio.

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…