domingo, 21 de outubro de 2012

Pausa para trabalho

O bloguito vai dar uma pausa esta semana!
Estarei no Rio de Janeiro muito ocupada e não terei tempo de postar nada.
No próximo domingo, conto as novas.

Inté!

Comida emocional

Todo mundo tem aquela comida preferida nada convencional.
Digo aquelas comidas que você vai inventando modos, acrescentando ingredientes e faz dela a sua cara!
Você tem uma comidinha dessas, não?

A minha é uma porção de coisas juntas.
É preciso a carne de sol feita pela minha mãe cortada em cubinhos refogada com alho, cebola e tomate. Para a coisa ficar mais saborosa, basta bater um ovo, jogar na panela e deixar fritar.
Essa mistura de carne de sol com ovos traz o perfume da casa da minha mãe e foi assim que deixei o apzito ontem: pura carne de sol!
Para a minha felicidade ser completa, a mãezona também mandou um arrozinho bem gordo e sabe o que lá pelas minha bandas, é famoso? Comer com banana, hahahaha!!!!
Prontinho, a emotional food mais bacanuda da minha vida: carne de sol com ovos, arroz de toucinho, farinha d'água e uma banana!

Ah gente, vai... emocionei...




quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Coxinha do Veloso: deve ter alguma mágica!



Eu não sei vocês, mas quando eu penso em algum salgadinho que é a cara do Brasil, eu lembro de coxinha.
Sabe aquelas comidinhas que são a cara de um país, tipo fish&chips na Inglaterra e o Hot dog nos Esteites? Pois bem, aqui no Brasil, quando o assunto é esse, sempre lembro desse velho e parceiro salgadinho.

Não tenho conhecimento de registros históricos, e aí falo de registros em livros, documentários, etc, que tratem de algum acepipe pelo mundo com a mesma tecnologia e com ingredientes similares. [Se alguém souber, por favor, me avise que preciso dessa informação para o futuro!]
Imagino que só o Brasil tenha uma comidinha tão saborosa e polivalente como a coxinha.

A coxinha é quase unanimidade em nosso país! Eu não conheço uma pessoa que não goste. Conheço sim, pessoas que comeram alguma coxinha mal feita e que saíram reclamando, ou que ficaram com a boca melecada de tanto óleo da fritura, mas dizer que não goste não goste, eu não conheço.

Muita gente e muito empreendimento gastronômico reclama a autoria e a alcunha de melhor "coxinheiro". Aqui em São Paulo, o Veloso ganha há muitos e muitos anos como a "melhor coxinha" do Estado.

Todos os guias destacam a iguaria como sensacional. No boca a boca corre que é a melhor, e como se não bastasse, seu Bar Tender também é premiadíssimo e o bar ganhou como melhor caipirinha da cidade.

No último final de semana, é claro que fui levar minhas visitas para experimentar. Andamos muito no frio e debaixo da famosa garoa paulistana, mas garanto que elas não se arrependeram.

As coxinhas do Veloso são realmente muito diferentes de todas que já comi, por isso fiz questão de levar  "azamiga" lá. Acho que deve ter alguma mágica para a casquinha ficar crocante e a coxinha não ser "massuda". Meu Deus, o que é aquilo? Deve ter algum catimbó, tipo deixar a coxinha mergulhada em uma substância específica, alguma pitada de argamassa da China, a pessoa que faz tem pacto com algum ET, não sei...
Normal, a coxinha não é!
Deliciosa, ah, isso é!








Uns chopinhos para iniciar...



Uma porção com 6 unidades custa R$ 22,00. As coxinhas não são grandes, tem um tamanho ótimo, mas como são muito saborosas, eu comeria muitas e muitas porções fácil!



O recheio é molhadinho. Saboroso. Nem salgado nem insosso. No ponto!
As meninas repetiram e elogiaram muito!
Eu e maridão só comemos uminha cada um por causa do excesso de chopp, rá!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

30ª Bienal de Arte de São Paulo - valeu pelo Bispo do Rosário

No final de semana eu estava assim: cercada de carinho por todos os lados.
Além do carinho de sempre, ainda tive duas amigas hospedadas no apzito e isso foi o suficiente para a diversão rolar solta até o final do domingo!

O primeiro programa, depois de um belo café na padaria perto de casa, foi visitar a Bienal de Arte.
O Ibirapuera, já é por si só um programa bacana, mas aproveitamos para visitar a exposição e sorrir um pouco das insanidades culturais dos artistas atuais escolhidos para a Bienal.


Para registrar o momento de chegada!




A entrada da Bienal já mostra um pouco do que vai se encontrar por lá. As primeiras exposições são mais tecnológicas e vários vídeos ficam rodando por lá. É só sentar e ficar contemplando.

Marcelle passou a noite viajando. Estava morrendo de sono e dormindo em frente às obras de arte. Ainda bem que Rose tava por perto pra ceder o ombro amigo...

Vimos muitas obras que para os leigos, cof cof cof -  nós, é "sem pé nem cabeça"
Resolvi fazer a minha própria arte em meios aos corredores. Pena não ter conseguido ficar mais de  15 segundos nessa posição!


Como em todos os programas com essas características, sem explicação convincente nenhuma, os preços são um completo assombro. Essas duas cadernetinhas que o Maridão tem nas mãos custam cada uma, R$ 27,30. Você viu bem o tamanho delas.  Mandamos as cadernetinhas à merda, claro!


Até nos corredores de uma exposição dá pra por os papos em dia.

Já tínhamos desistido de ver alguma coisa verdadeiramente surpreendente na Bienal. Confesso que fiquei bem decepcionada com tudo, mas lembrei que a obra do Bispo do Rosário estava lá e corremos para ver.
Sonhava há muito tempo com essa exposição e esse manto é sem dúvida a maior expressão de sua obra.

Fiquei apaixonada com tudo dele. Amei as palavras erradas, a simetria dos bordados e principalmente, amei tudo que ele fez num contexto completamente atípico.


As peças conseguem contar uma história. Carregam uma energia muito forte e traduzem muito fielmente o ambiente em que foram feitas.

Para mim, a Bienal valeu por tudo que vimos do Bispo.
Os outros artistas que me perdoem, mas a concorrência foi desleal. 





A Bienal de Arte fica até o dia 9 de dezembro.
Parque do Ibirapuera, Portão 3.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Pós eleição.

Passei o final de semana da eleição no Guarujá.
Ficamos todos bem alheios ao que estava rolando pelo Brasil.
Apenas meu coração andava apertado por conta dos meus candidatos...
Alguns venceram a disputa e outros não.
Fiquei muito triste com meu candidato do coração, que não ganhou, mas a vida é tão cheia de surpresas, que prefiro não lamentar nada do que Deus põem em nossas vidas.
Vamos ver o que vem pela frente.
Vou esperar que todos os meus candidatos que venceram sejam valentes e tenham um papel transformador.
Eu, se estivesse concorrendo e tivesse ganho, passaria os meus próximos 15 dias refletindo sobre essa oportunidade. Ela não é dada de graça.
O mundo cobra logo logo...

Amanheci com o estômago em frangalhos depois de um final de semana regado a cerveja, salgadinhos e churrasco.

Hoje vou desintoxicar. Bom dia!

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Santos em versão infantil - nova paixão!


Visitando uma loja de artigos religiosos no centro de São Paulo, vi o Santo Expedito acima (ainda não tive a coragem de tirar o filme - sabem como é pobre, né?).
Zás, peguei e comprei na mesma hora!
Pensei que pudesse ser o primeiro presente do meu futuro filhote e o maridão adorou a ideia, já que é devoto também.
Numa segunda visita à loja, motivada por uma compra de lembrancinhas de aniversário para vovó, vi o Santo Antonio e de novo, me apaixonei!
Comecei a achar a brincadeira divertida e a vontade de ter um monte deles foi crescendo.
Sábado agora, desviei o caminho só para ver se tinham santinhos novos e eis que descobri essa Iemanjá!
Ah não... assim é covardia!

Vejam os detalhes: a coroa de mini pérolas, um pedacinho de espelho, as fitas, os cordões, os desenhos... ai, ai, ai...

Os detalhes do Santo Antonio também são ótimos: flores, a criancinha, o terço...


A artista dona dessa obra apaixonante, é de Minas Gerais, mas não consegui descobrir nada além do nome Jujuba.
Pesquisei muito na internet, mas não achei nada!

Agora quero Santa Clara, Santa'Ana, São Judas, hehe

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Apzito, o boteco!


Esses copos "Original" ganhamos do dono de um boteco lá no Centro.
Os porta copos ganhamos de Chico, nosso garçom do Ponto Chic.
Os queijinhos, mesmo proibidos, estão sempre por lá...
O samba também se faz presente diariamente.
Pronto.
Prazer: Apzito, o boteco!