Pular para o conteúdo principal

Comidinhas de casa


A comidinha da foto é a típica comida das noites de segunda a quinta no apzito.
Além de tentar minimizar os exageros do final de semana e os almoços fora de linha nessa fase de muito trabalho, temos tentado manter o "foco verde" nos jantares.
Tenho chegado depois do maridão todos os dias e dia sim e outro não, rola uma surpresinha boa (ôba!).
Essa saladinha com toque de marido foi essa semana!
Fiquei com a maior dó de comer os coraçõezinhos de peito de peru...
Deixei por último, hehe.



(Continua...)

Domingo amanheci com uma saudade danada de um beiju da minha vó e fiz alguns aproveitando a tapioca que ainda tenho e para inaugurar um pote de manteiga novinho vindo do Maranhão.
No Maranhão, beiju é beiju! 
Tapioca é o nome vulgar dessa iguaria do Ceará pra baixo (geografica e politicamente falando).
Não há registros históricos em São Luís do Maranhão de que a massa de tapioca úmida e quente transformada em uma goma em forma de disco, fosse recheada com carne seca, queijo coalho, doce de leite e afins. 
Essa tradição é coisa do sertão do Brasil incorporada por alguns estados do Nordeste.
No Maranhão, a tapioca (insumo usado para fazer o acepipe) tem uma textura diferente. Não é grossa nem fina, é "meio termo" e por isso mesmo, diferente do que é vendido nos outros estados do Nordeste.
Beiju para nós é meio durinho, quase crocante e com manteiga! De uns tempos pra cá, com a fusão das tradições culinárias no mundo, é que se encontra fácil barracas de "tapioca" por São Luís com recheios de frango com catupiry (a maior insanidade gastronômica na minha opinião), calabresa, coco ralado com leite condensado, etc, mas garanto: antes, beiju era assim: com manteiga!
Antigamente, os pobres eram pobres, mas comiam manteiga, vejam vocês. Margarina é coisa recente, embora mais barata.
Pobre antes comprava a granel, mas comprava usando unidades de medidas muito diferentes: uma, duas colheres, meio copo de manteiga, etc. 
Lembro de ter ido muito comprar 4 colheres de manteiga no "Seu Baduca" no interior. Voltava rápido com a minha porção enrolada num papel manteiga para que vovó pudesse lambuzar meu beiju quentinho...

Fiz os beijus, melequei metade da cozinha e fiz um chocolate quente para experimentar um pote de chocolate Cacau Show que comprei.
Aí foi só salpicar canela e correr pro abraço!



A minha família até hoje só come manteiga. [Ok, sem discussões acerca de saúde, colesterol, trans e tal]
Além dos hábitos alimentares "gordos" da família, as manteigas vendidas no Maranhão são diferentes. São mais salgadas, é verdade, mas mais cremosas, mais amarelinhas e mais saborosas.
A manteiga da foto não é a que mais gosto, mas comíamos sempre lá em casa. Também é muito gostosa.
Comparando com as mais famosas vendidas em São Paulo, de latinhas, ainda assim, a Itacolomy é muito melhor!

O café da manhã foi com gosto de casa de vó e com lembranças de mãe...
Ah, o charme? Ficou por conta da minha caneca de ágata que amo muito!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…