Pular para o conteúdo principal

2 anos em São Paulo: valente!

O mundo anda tão louco que temos receio de falar certas coisas, com medo que o outro nos amaldiçoe com a famosa inveja, sentimento tão comum e corriqueiro hoje em dia. Tenho mil vontades, muitos pensamentos que poderiam ser externados a todo momento, porque sou assim, um tanto espontânea com ideias, causos e amigos, mas não, deixo de falar para não ser mal interpretada, mal entendida e vítima do também famoso e corriqueiro, olho gordo!
Não, não me interprete mal! Não sou assim uma Lady Gaga de famosa, nem tampouco o supra sumo da importância, mas tenho lá alguns admiradores e amigos e porque não, alguns invejosos rondando.
Os admiradores e amigos, ai que massa, existem para me deixar mais feliz e os invejosos, para dar uma equilibrada em tudo isso. Ninguém é 100% feliz o tempo todo. Sempre falta algo e sempre queremos mais.
A questão é que a vida anda, as dificuldades existem, os problemas estão dia-a-dia batendo na porta, mas tenho conseguido passar bem por todos eles, pelo menos até agora.
Mas hoje irei deixar o medo de lado e gritar que nunca fui tão feliz!
Acho que nunca estive tão plena de sentimentos.
Nunca gostei tanto de ter a idade que tenho e nunca,  nunca, pensei que pudesse estar fazendo o que estou fazendo atualmente.

Hoje, faz dois anos exatos que cheguei em São Paulo com muita expectativa e com o coração apertado de tanto medo. 
Lembro como se fosse hoje: desci do avião chorando e o na época, namorado, estava com um poema lindo, escrito com sua letra quase indecifrável... Chorei mais pelo poema que pela situação, eu acho!

Tantas novidades, tantas angústias e tanta pressão me fizeram descobrir uma vida nova, uma cidade completamente diferente de tudo que já tinha vivido e pela primeira vez, senti o peso da discriminação.
Todas essas questões não foram tão bem vindas na época, mas hoje me fazem suspirar de orgulho. Já sei o que pode e o que não pode nessa cidade. Já sei onde posso me "esticar" e onde não devo, mas gosto de viver aqui, por incrível que pareça. 
Tenho a impressão que já vivo muito mais e tenho certeza que é pela intensidade com que tudo acontece.

Aqui descobri o amor e a maravilha que é sair a pé batendo perna sem destino e descobrir um encanto em cada recanto da cidade. 
Descobri o que é ser livre.
Aqui também descobri que a ansiedade é algo maravilhoso, quando é para definir o roteiro do sábado em ótima companhia...
Aprendi a comer melhor.
A beber menos.
Virei uma apaixonada incondicional pela tradição de coisas bobas, como um simples pão italiano com fermento de 100 anos!
As facilidades de São Paulo, jamais terão em outro canto. As dificuldades, também!

Sei que tudo isso é a preparação para um futuro ainda incerto, é verdade, mas que provavelmente também terei muito orgulho.
Tudo que sou hoje, é fruto de muita coragem. Coragem de falar, de escrever, de sentir, de me declarar, de errar, de aprender, de chorar, de trabalhar e de arriscar.
Sinto-me muito bem comigo mesma.
Valente!

Comentários

Dona Karen disse…
É preciso antes de tudo coragem pra decidir, mudar e viver!!!
Você fez tudo isso, apaixonada por sua terra e sua gente, resolveu viver uma vida nova, num lugar novo e simplesmente tentar ser feliz!!!
é isso! te admiro muito por sua coragem até mesmo nas dificuldades que enfrentaste, nos preconceitos, ate ai foste digna e não esmureceu!!!
Gosto muito de você e sinto falta das conversas!na verdade até de ter tempo pra poder conversar mais....cheiro piquena!
Bjos
Karen
Anônimo disse…
Linda a declaração para si mesma, parabéns pela coragem!!O futuro pode ser incerto mas com certeza, será maravilhoso! Deus a abençõe, bjos. Josi
Macário Campos disse…
A cidade é que tem que agradecer por você ter vindo enriquecê-la.
Existem pouquíssimos cidadãos paulistanos que a curtem como você.
Bjs.
Obrigada Karen...
Também morro de saudade das nossas conversas.
Adoro quando me chamas de piquena!
Macário querido, obrigada pelas palavras sempre queridas...
A cada dia, gosto bem dela...

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…