quinta-feira, 9 de agosto de 2012

2 anos em São Paulo: valente!

O mundo anda tão louco que temos receio de falar certas coisas, com medo que o outro nos amaldiçoe com a famosa inveja, sentimento tão comum e corriqueiro hoje em dia. Tenho mil vontades, muitos pensamentos que poderiam ser externados a todo momento, porque sou assim, um tanto espontânea com ideias, causos e amigos, mas não, deixo de falar para não ser mal interpretada, mal entendida e vítima do também famoso e corriqueiro, olho gordo!
Não, não me interprete mal! Não sou assim uma Lady Gaga de famosa, nem tampouco o supra sumo da importância, mas tenho lá alguns admiradores e amigos e porque não, alguns invejosos rondando.
Os admiradores e amigos, ai que massa, existem para me deixar mais feliz e os invejosos, para dar uma equilibrada em tudo isso. Ninguém é 100% feliz o tempo todo. Sempre falta algo e sempre queremos mais.
A questão é que a vida anda, as dificuldades existem, os problemas estão dia-a-dia batendo na porta, mas tenho conseguido passar bem por todos eles, pelo menos até agora.
Mas hoje irei deixar o medo de lado e gritar que nunca fui tão feliz!
Acho que nunca estive tão plena de sentimentos.
Nunca gostei tanto de ter a idade que tenho e nunca,  nunca, pensei que pudesse estar fazendo o que estou fazendo atualmente.

Hoje, faz dois anos exatos que cheguei em São Paulo com muita expectativa e com o coração apertado de tanto medo. 
Lembro como se fosse hoje: desci do avião chorando e o na época, namorado, estava com um poema lindo, escrito com sua letra quase indecifrável... Chorei mais pelo poema que pela situação, eu acho!

Tantas novidades, tantas angústias e tanta pressão me fizeram descobrir uma vida nova, uma cidade completamente diferente de tudo que já tinha vivido e pela primeira vez, senti o peso da discriminação.
Todas essas questões não foram tão bem vindas na época, mas hoje me fazem suspirar de orgulho. Já sei o que pode e o que não pode nessa cidade. Já sei onde posso me "esticar" e onde não devo, mas gosto de viver aqui, por incrível que pareça. 
Tenho a impressão que já vivo muito mais e tenho certeza que é pela intensidade com que tudo acontece.

Aqui descobri o amor e a maravilha que é sair a pé batendo perna sem destino e descobrir um encanto em cada recanto da cidade. 
Descobri o que é ser livre.
Aqui também descobri que a ansiedade é algo maravilhoso, quando é para definir o roteiro do sábado em ótima companhia...
Aprendi a comer melhor.
A beber menos.
Virei uma apaixonada incondicional pela tradição de coisas bobas, como um simples pão italiano com fermento de 100 anos!
As facilidades de São Paulo, jamais terão em outro canto. As dificuldades, também!

Sei que tudo isso é a preparação para um futuro ainda incerto, é verdade, mas que provavelmente também terei muito orgulho.
Tudo que sou hoje, é fruto de muita coragem. Coragem de falar, de escrever, de sentir, de me declarar, de errar, de aprender, de chorar, de trabalhar e de arriscar.
Sinto-me muito bem comigo mesma.
Valente!

6 comentários:

Dona Karen disse...

É preciso antes de tudo coragem pra decidir, mudar e viver!!!
Você fez tudo isso, apaixonada por sua terra e sua gente, resolveu viver uma vida nova, num lugar novo e simplesmente tentar ser feliz!!!
é isso! te admiro muito por sua coragem até mesmo nas dificuldades que enfrentaste, nos preconceitos, ate ai foste digna e não esmureceu!!!
Gosto muito de você e sinto falta das conversas!na verdade até de ter tempo pra poder conversar mais....cheiro piquena!
Bjos
Karen

Anônimo disse...

Linda a declaração para si mesma, parabéns pela coragem!!O futuro pode ser incerto mas com certeza, será maravilhoso! Deus a abençõe, bjos. Josi

Macário Campos disse...

A cidade é que tem que agradecer por você ter vindo enriquecê-la.
Existem pouquíssimos cidadãos paulistanos que a curtem como você.
Bjs.

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Obrigada Karen...
Também morro de saudade das nossas conversas.
Adoro quando me chamas de piquena!

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Valeu nega. Te amo!

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Macário querido, obrigada pelas palavras sempre queridas...
A cada dia, gosto bem dela...