Pular para o conteúdo principal

Paranapiacaba - dica boa de bate/volta em São Paulo

E então decidimos ir a Paranapiacaba...
A corrida é imensa e as vagas, que são consultadas nesse site aqui acabam em menos de 1 dia.
Ficamos meses em lista de espera, até que um belo dia, chegou nossa vez!
O trem turístico sai da Estação da Luz sempre aos domingos, às 8h30.
Os vagões destinados a esse passeio se dividem em vagões originais da década de 50 e vagões adaptados, que mais parecem ônibus leito. Como não seria diferente, optamos por ir no vagão dos anos 50!
Ao contrário do que pensei, o vagão é amplo, as poltronas são enormes e não há divisão entre as mesmas, o que para nós foi muito melhor, já que dá pra ficar mais juntinho e se quiser, dá até pra fazer ou ganhar um cafuné durante a viagem.

Paranapiacaba é um distrito do Município de Santo André, São Paulo.
Ainda hoje, vive da história e dos tempos áureos da São Paulo Railway, estrada de ferro que transportava insumos do interior do Estado ao Porto de Santos.
O distrito é dividido em parte baixa e parte alta. A parte baixa foi a residência dos operários da famosa estrada de ferro e conserva ainda as casas, ruas e a atmosfera daquela época. As casas são encravadas em meio a serras e também à Serra do Mar, uma paisagem lindíssima!

Em algumas ruas de Paranapiacaba, tive a impressão que o tempo não passou.
Uma delícia o lugar!



O Expresso Turístico sai da Estação da Luz em três domingos do mês.
Os atendentes, o maquinista, enfim, toda a equipe é bem treinada e são muito gentis.
A viagem dura 1h30 numa velocidade muito pequena. Dá pra ver bem a paisagem, ler, cantar,  namorar e dormir.

A Estação da Luz já é uma atração à parte e juntando com a energia de viajar de trem turístico, a coisa fica bem divertida.

Chegamos com uns 40 min de antecedência e deu até pra cansar de esperar...

O vagão antigo, que foi o que viajamos, possui essas poltronas espaçosas, que parecem de ônibus antigo.
São muito confortáveis e espaçosas.




A distância entre uma poltrona e outra é relativamente grande. 

O big ben é uma das principais atrações de Paranapiacaba.
Tudo em Paranapiacaba gira em torno dos antigos moradores e da SPR.
O estilo das casas e o modo de vida ainda remetem às questões ferroviárias.


Também não consegui pronunciar!

O pau da missa, atração disputada pelos visitantes.


Amei esse cartório!


O Bar da Zilda é famoso. Em todos os guias que procuramos e pesquisamos,  ele sempre está  no topo.
Paramos para umas cervejinhas sem compromisso...

A Maria Fumaça faz um passeio de 10 minutos a uma velocidade quase 0. De acordo com o guia acompanhante do passeio, é a locomotiva original mais antiga em funcionamento hoje no mundo.
Vale pelo barulho e pra ver carcaças e mais carcaças de outras locomotivas, inclusive de uma ambulância antiga.

A parte alta de Paranapiacaba não tem muito a ver com a parte baixa, mas guarda encantos como este...

Detalhe dos bancos da Maria Fumaça


São Paulo Railway

Maria Fumaça: "soltando brasa, comendo lenha..."

A viagem também valeu pelo cambuçi, fruta típica da Mata Atlântica e rara hoje em dia.
Cada comerciante consegue estocar umas 4 mil dúzias para o ano todo. Experimentamos o suco . Amei!
Compramos 1 dúzia congelada e uma cachaça. Na foto estou experimentando o "gelinho de cambuci" ou como se diz na minha terra: suquinho!

O Distrito é muito pequeno. Na parte baixa, onde estão as casas de madeira que representam as moradias dos operários da São Paulo Railway, em menos de 30 minutos você percorre tudo a pé.
Nesse dia, na hora da volta, vimos esse barzinho com música ao vivo. O clima estava bom.


Paranapiacaba guarda uma aura, eu diria, poética. Achei a cidade inspiradora, embora ela seja lembrada por uma cultura que não é muito comum no Brasil: a das ferrovias.
O fato de descobrir ou relembrar a história de uma passagem muito importante para o pais, vale a viagem, mas é uma pena que toda essa história esteja abandonada! As locomotivas que ilustram o passeio de Maria Fumaça estão de dar pena. As casas de madeira, que dão um ar interiorano e único ao lugar, também precisam de reparos e de manutenção urgentes.

Acho que saí de lá mais ansiosa que quando cheguei. Saí preocupada com mais um atrativo turístico do Brasil sem a atenção merecida e principalmente, com a sensação de que dá pra fazer muita coisa bacana!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,