Pular para o conteúdo principal

Um safanão coletivo


A última semana de maio não foi fácil no Brasil. Universidades, hospitais e o transporte público pararam a vida de milhões de pessoas. Em São Luís as greves de ônibus continuaram por mais uma semana, infelizmente, e aqui em São Paulo os metroviários pararam apenas um dia, mas o suficiente para deixar a vida de 5 milhões de pessoas um caos.

Não é de hoje que sofremos com greves de transporte público. Para os adultos é aquele transtorno: o emprego fica comprometido, a produção cai, a vida fica atrapalhada, os comerciantes não vendem, as consultas são canceladas, as decisões importantes são adiadas e por aí vai. Para as crianças e adolescentes, no entanto, a greve é um prêmio.

Lembro bem da minha primeira greve de ônibus e o quanto eu vibrei com ela. Foi um verdadeiro acontecimento no alto dos meus 12 anos!
Saí de casa até com vontade de ir para o colégio, mas o mais legal mesmo era ficar nas paradas em meio àquela confusão. Quanto mais o ônibus demorava pra passar, mais gente se aglomerava e mais divertido era. Gritaria, risadas e algazarra era a tônica da viagem e ir pendurada na porta do ônibus foi a primeira grande aventura urbana da minha vida!
Imagino que naquela época, São Luís não devia ter 700 mil habitantes e o clima interiorano ainda rondava a cidade. As paradas eram simples, os ônibus, mesmo com limitações, ainda davam conta da população e o trânsito ainda permitia ir de um lado a outro em 20 minutos.
Nessa greve, rezei e torci muito para que aquela situação se estendesse por mais umas duas semanas para ter mais emoção no dia-a-dia, mas logo logo a coisa se arrumou e a ida pro colégio voltou a ter horário regrado.

A minha relação com os ônibus sempre foi "muito próxima". Desde criança tive que me virar com os coletivos. Minha família nunca teve posses para carros e certos confortos, embora minha mãe tenha se esforçado muito para nos dar uma vida digna, mesmo com alguns sacrifícios.
Toda a minha vida escolar, desde o jardim até a faculdade, me desloquei em ônibus e, sem dúvida nenhuma, para os piores roteiros existentes na cidade em suas épocas: o bairro do João Paulo, onde ainda hoje é o colégio Batista e o eixo Itaqui-Bacanga, para o famoso Campus. Foram muitas as passagens entre engraçadas e trágicas nos velhos coletivos.
Já vi brigas entre passageiros e cobradores com direito a bolsadas e tudo. Já escutei um bocado de esculhambações trocadas entre motoristas, cobradores e passageiros. Já vi muito motorista destratando velhinhas, vi também assaltos e furtos e até levei uns safanões de uma aluna do Meng.

Era tempo de JEM’s  e quem é da minha época sabe o que significa: a cidade respirava esporte e as torcidas das escolas se organizavam fortemente para dar força aos atletas. Era tão divertido... Foi numa ida para o Castelinho que, sem querer, me meti numa confusão sem tamanho e paguei o pato em nome da torcida do Colégio Batista. Pode?

O fato de ser muito magrinha e pequena na época, deve ter facilitado a escolha da grandalhona para o seu alvo que no caso, era eu! Levei os tais safanões, um puxão de cabelo sem nem saber o motivo e esse fato foi o suficiente para eu me desiludir com os esportes e parar de frequentar torcidas organizadas.
O fato é que no dia dos safanões, desci muito antes do meu destino, de tanto medo da líder da gang. Fiz o restante do percurso a pé. Do anil até a COHAB!

No dia seguinte, soube que o Batista ganhou o jogo e deu uma vontade danada de passar na cara da lutadora de MMA, mas para a minha sorte, nunca mais a vi!

Jornal Cazumbá, Coluna Ócio, Viagens e Gastronomia.

Glossário:
Meng - escola muito popular em São Luís nas décadas de 80 e 90. Os alunos não dispostos a estudar muito, iam pra lá. Diziam as más línguas...
JEM'S - jogos escolares maranhenses
COHAB - bairro muito popular e populoso em São Luís
MMA - mistura de artes marcais que vem se popularizando no Brasil. "Agora entendo porque não vou com a cara disso"!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…