Pular para o conteúdo principal

Gijo Linguiças - as melhores do mundo, mesmo!


Até você conhecer e provar as linguiças artesanais feitas pelo Gijo, sua vida vai muito bem, obrigada.
O problema, sinceramente, é que depois desse episódio na sua vida, a coisa fica muito complicada!
Explico: como comprar outro embutido que não seja lá? Como se conformar com o sabor mais ou menos das linguiças do resto do mundo?
Taí um grande problema que vivo hoje.

O Gijo fala de boca cheia que faz as melhores linguiças do mundo e você acaba concordando com ele depois de prová-las! São linguiças artesanais feitas com muito cuidado e uma técnica que ele não conta pra ninguém.
Desde 1949 ele trabalha com isso e hoje, vende uma tonelada de linguiças por mês.
Exporta para o mundo todo, tem muitos clientes vip's, mas trata todo mundo que chega lá como se fosse uma celebridade.
Eu, que não gosto de uma prosa, cheguei e não queria sair de lá tão cedo. Ele puxa conversa, conta histórias, canta, sorri e posa para fotos como um artista de televisão. Tem muita intimidade com tudo isso e parece que nasceu mesmo para fazer o que faz.
Sinceramente, poucas vezes pude ver tanto amor e dedicação na feitura de um ofício. 



As linguiças parecem pinturas.
Ficam expostas dentro de um espaço que não tem 20m², mas que de tanta coisa, parece enorme!
O espaço comporta muito bem as linguiças curadas, as frescas, antepastos, pães, fotos antigas, fotos atuais, reportagens de jornal, bebidas, santinhos, esculturas, souvenirs dos clientes ao redor do mundo e por aí vai.
O balcão toma conta do espaço quase todo e é dali que o Gijo fala, atende e deixa todo mundo encantado com suas histórias.


A variedade de linguiças é enorme.
Você que está acostumado com calabresa e toscana nos churrascos, quando muito, com um paio na feijoada, não acredita que seja possível tantas combinações para esse embutido.
O Gijo tem desde as linguiças mais comuns como calabreza, toscana, etc, mas tem também linguiças de camarão, de provolone, com uvas passas, nozes, vinho moscato, com pouca pimenta, com muita, com excesso de pimenta, com tomate seco, com ervas, de frango, com alho...

As linguiças frescas ficam num freezer transparente em bacias e você escolhe a que mais lhe agradar. As curadas, que são para comer cruas, ficam penduradas, também para você poder ver, tocar e escolher.



Italo já tinha falado do Gijo várias vezes e já tínhamos combinado de eu ir conhecer, mas a oportunidade chegou no dia que saímos com o Rapha, a Kátia e a Camila para um roteiro gastronômico bacanérrimo, que  aos poucos estou contando aqui. Eles sempre compram linguiças lá e tem a sorte de morar bem pertinho do Gijo.


Ó que sorrisão lindo. 
O Gijo posa para fotos numa tranquilidade de dar inveja. 
Enquanto estava posando, foi pegando uma linguiça e fatiando para que pudéssemos provar. Não perdeu a oportunidade e já nos ofereceu seus antepastos tradicionais: sardela, alichela, berinjela veneziana e de queijo pecorino.

Experimentamos uma linguiça que ele criou para o Natal do ano passado para ser harmonizada com vinhos. É feita com uvas passas, melão, pera, vinho moscato branco seco, nozes e mais um monte de ingredientes balanceados e combinados entre si. Gostamos tanto que compramos para ter em casa para degustar como entradinha. De sabor inigualável!
Quase não parei mais de comer.


Os antepastos também tem um sabor muito especial.
A sardela, que é muito comum em São Paulo, é uma delícia. Nunca comi uma tão saborosa. 
Compramos a de berinjela e também a de queijo pecorino, que embora muito forte, foi o meu preferido.
Fico economizando aqui, hehe.


É nesse espaço pequeno que são vendidas as linguiças mais gostosas que já provei.
Os panos no varal improvisado me deixaram mais apaixonada pelo lugar.

Agora diz: dá pra comprar linguiças em outro lugar? É ou não é um problema na minha vida?



O Gijo é muito famoso!
Tem clientes chiques como Olivier Anquier, Faustão, Alex Atala e nós, é claro!
Fica na rua Dr. Pinto Ferraz na Vila Mariana, São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…