Pular para o conteúdo principal

São Luís nervosa com atualização

Nervosa.
Até agora foi a melhor palavra que consegui para descrever São Luís nessa última visita.
As pessoas nas ruas, o trânsito, as construções, as vias, os táxis, os ônibus, os tratores, o caos.
Desde que vim morar em São Paulo, a cada volta a São Luís, tenho nova percepção.
Isso é o melhor de tudo: ver de longe, mas com a cabeça de quem é "de dentro".

Não gostei muito do que vi, mas gostei do que senti.


Atualização:
Um ocioso anônimo escreveu falando que estou metida a besta, pela colocação sobre "São Luís nervosa".
[Oi?]
Achei curiosa a definição. Mas acho que devo ter me expressado mal.
O "nervosa" não é um adjetivo permanente. Encaro como algo transitório, inclusive falei disso com alguns amigos estando na Ilha.
O que São Luís enfrenta hoje é algo muito difícil de se controlar. A quantidade de investimentos e consequentemente o crescimento da cidade não eram esperados por quem a fundou e muito menos por quem a governou por muitos anos. Só para termos uma ideia, as ruas do centro histórico da cidade (a parte que é Patrimônio Mundial e a parte que não é) foram feitas para carroças e charretes. Basta ver o tamanho das ruas e calçadas para comparar.
Quando meu pai e minha mãe mudaram para a Cohab, há quase 40 anos, o bairro era tão longe, tão longe, que só os mais pobres puderam aceitar uma casa popular onde não tinha sequer ônibus. As ruas, para quem não sabe, são VP's, ou seja, foram feitas para pedestres. Na cabeça do gestor da época, não seria possível alguém morando naquele bairro, possuir um carro, vejam vocês.
Por outro lado, não podemos condenar a todos os gestores por não serem visionários em meados do século XX.  Ser visionário e pensar coletivo tinha um preço alto.
Os visionários que conseguiram externar suas opiniões foram considerados loucos, intransigentes e/ou reacionários.

E aquilo que não foi feito em São Luís quando deveria,  está sendo feito hoje, às pressas. Por isso escrevi "as pessoas nas ruas, o trânsito, as construções, as vias, os táxis, os ônibus, os tratores, o caos".
As soluções estruturais para uma São Luís melhor e mais coletiva, já nascem obsoletas. E essa observação eu fiz antes mesmo de vir passar um tempo em São Paulo. Voltar agora só me fez ver o quanto a cidade está em construção e por isso mesmo, "nervosa"! Ainda bem que posso ver suas limitações e comentá-las sem a menor cerimônia.

Continuo amando a minha cidade e espero que essa fase passe logo.
Explicar a colocação que foi mal entendida, retrata meu amor e respeito a ela e aos ociosos que por aqui pintam.

Comentários

Anônimo disse…
sempre quando alguém sai do Maranhão e volta depois, volta metido a besta com ar de superioridade..aff viu
MAgela Adgine disse…
minha querida professora vc ta mais que certa.... SÃO LUIS TA NERVOSA MESMO!
imagino sai sair de casa..e só lembrando quando começou ter busão no cohatrac era um inferno de hora em hora.aff nem gosto de lembrar.. fora quando tinhamos que andar quilomentros para poder sair de casa.. vc como metida e besta...kkkk... ta mais que certa!
A explicação a respeito do comentário "metido a besta" está no próprio post.
Lois disse…
Bia,

Seu post tá perfeito...acho q a expressão correta seria SAO LUIS NERVOSISSIMA...as pessoas tem essa mania de achar q qdo vamos morar em outro estado voltamos p falar mal ou apenas reclamar de tudo e não é nada disso, pelo contrário estamos todos preocupados com o estado que anda nossa amada ilha...
Dadá disse…
Ah!!!! quando alguém posta um comentário desse!!, se dizendo "anônimo", é uma pessoa que te conhece muito bem e morre de inveja, provavelmente nunca saiu nem da ilha do amor. Típico dos pobres de espírito.

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,