Pular para o conteúdo principal

Fernanda Takai cantando Pinduca. Chique cantando brega!

Há uma coisa atualmente que me deixa muito animada: os chiques cantando bregas!
É impressionante a quantidade de cantores fazendo "releituras" de sucessos passados, de cantores bregas ou de raiz. A onda retrô realmente está na moda e virou "cult" gravar coisas do Odair José, da Jovem Guarda, do Wando, etc.

Isso é uma discussão enorme, digna de um mestrado ou até mesmo de várias conversas de bar. Não há consenso. Primeiro, porque o que define algo como chique ou brega é absolutamente subjetivo e como subjetivo, subentende-se que não há uma verdade suprema. Cada coisa, com suas especificidades e características, são únicas e possuem seus adeptos. 

Tomando por base os cantores ditos "bregas" no Brasil, há de se entender que todos tem esse rótulo porque sempre estiveram associados às classes populares, ou seja, do que pobre gosta, é brega!
Na outra extremidade, existem os ricos, que teoricamente e para fazer contraponto ao brega, são chiques porque se interessam por outros cantores que em suas cabeças de bagre, são de um nível superior.

Como sempre estive no meio do brega e do chique, aprendi desde cedo a gostar de tudo. Aprendi a me divertir nas festas no "Rasga sunga" em Humberto de Campos e ao mesmo tempo nos salões chiques da alta sociedade, onde a propósito, saíam brigas, chifres e esculachos dignos de programas policiais, ao contrário do velho clube humbertoense, onde saíamos de manhã com as sandálias nas mãos e todos felizes e sem nenhum atrito.

Mesmo estando no meio do brega e do chique, você acaba escolhendo seus cantores preferidos, suas influências e aquilo que te faz investir dinheiro em CD's, DVD's e Vinis. Nada demais. Tudo perfeitamente natural. Tenho amigos do forró, do brega, do carimbó, da música clássica, do samba e do pagode, do jazz, do metal e por aí vai. Posso perfeitamente estar em uma festa onde toquem todos esses sons, até porque ninguém consegue ouvir o mesmo ritmo a vida toda. [A vida não deixa, ainda bem! E mesmo quem fala o contrário, está mentindo ou esqueceu que em alguma bebedeira ou em algum momento esfuziante quis ouvir algo diferente. Talvez até pra homenagear um certo alguém...]

O fato é que ser brega ou chique é uma convenção do diabo! Foi o "coisaruim" que botou isso no mundo pra definir classes, superioridade ou coisa parecida. E pegou. Há séculos o mundo convive com dicotomias bobas.

Mas o mundo está mudando. Muita coisa está melhorando apesar dos pesares. Já não há tantas barreiras entre uma cosia e outra. Quantos cantores "chiques" agora dão o braço a torcer e assumem que uma boa música do Odair José traduz perfeitamente aquilo que sentiu há tempos? E que nem sempre uma música cantada baixinho, com arranjos metódicos toca n'alma?

Um exemplo perfeito disso são os dois vídeos abaixo. O primeiro, é de um dos maiores cantores do Brasil. Você muito provavelmente nunca ouviu falar. É o Pinduca, primeiro pop star brega do Brasil. Uma figuraça! Canta música de raiz. É do Pará e foi o responsável pela popularização do carimbó, um dos principais ritmos da Região Norte.
Para dançar carimbó, é preciso ter graça, ritmo, samba e ginga. Se você não tem isso, esquece! Continue sentadinho assistindo o João Gilberto com sua malemolência de banquinho. Para cada coisa, tem cada um, não é mesmo?
O tecnobrega vem daí. Vem do Pinduca! Vem dos instrumentos de sopro... Assista o vídeo e veja a riqueza da música, dos instrumentos e da alegria que é. As letras, como são de domínio popular, são feitas com rimas fáceis. É a cara de uma festa!

O segundo vídeo, é da Fernanda Takai, cantora que eu admiro muito. Tem voz suave e melódica. Tenho alguns CD's tanto do Pato Fu quanto de projetos solo. São todos um primor. São ótimos para escutar e relaxar. A Fernanda, no DVD Luz Negra, que fez em homenagem a Nara Leão, inseriu algumas fusões divertidíssimas! Uma delas é um carimbó do Pinduca! O arranjo da música é uma maravilha e mesmo com menos malemolência (que por sinal, ela não tem nenhuma!), a música fica divertida e a cara de uma festa.
Achei a perfeita tradução do chique cantando brega.
Divirtam-se! 







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,