Pular para o conteúdo principal

Comidinhas de Praia



O verão chegou e as férias de janeiro, como sempre, muito concorridas e com o brilho especial da nossa maior estrela: o sol!
É percorrer o Brasil de Norte a Sul para usufruir o mesmo clima e os mesmos hits de verão, sem falar que é a única época do ano em que todas as regiões do país podem dividir o mesmo figurino e as mesmas tendências de comportamento.
As praias são sem dúvida nenhuma, as protagonistas das atividades de férias da molecada e quem não está no litoral, procura aproveitar seu tempo livre em programas que simbolizam o verão, como clubes, parques com lagos e/ou áreas de lazer com piscinas. A ordem é botar o corpinho para dourar e levar a vida menos a sério!
Junto com as férias, o calor e as roupas leves, aparecem as comidinhas típicas de verão, aquelas que fazem você torcer para chegar o próximo janeiro e completam o clima com um sabor especial ficando na memória afetiva de cada um de nós.
Com a abundância de praias espalhadas no Brasil, é claro que existem aquelas comidinhas que são típicas de praia, numa espécie de cardápio exclusivo. Para escrever sobre elas, apertei o botão das lembranças, fechei os olhos e me pus a imaginar como seria um típico dia de sol em uma das praias de São Luís do Maranhão!
1 - Sorvetes e Picolés – De todas as comidinhas de verão e típicas de praia, os picolés e sorvetes formam uma dupla e tanto. São refrescantes, saborosos, nutritivos e um verdadeiro bálsamo para as crianças. Não há nada mais interessante que o barulho de um sininho vindo de longe. Os de fruta são excelentes para um dia de sol intenso e em São Luís os mais bacanas são os sorvetes de casquinha! Para mim, de côco e maracujá, por favor.
2 - Água de coco – bom, se tem uma coisa que nos lembra uma praia, é um coqueiro e consequentemente, o fruto dessa palmeira tão abundante em nosso país! A água de coco é um isotônico natural e por isso, quando bem geladinha, além de refrescar, repõe os sais minerais e até melhora os incômodos da ressaca! Uma ótima pedida para qualquer idade.
3 - Queijo coalho assado – vamos combinar que um queijinho quentinho feito em condições de higiene duvidosa, é a melhor coisa da praia, não é? Não enche a barriga, mas engana o estômago que é uma beleza. É a combinação perfeita com uma cervejinha gelada. De uns tempos pra cá tem a opção “com orego” e misto, com salsicha e presunto. Dizem os entendidos, que é a única opção do cardápio praiano livre de coliformes, já que é assado na hora.
4 - Salada de Frutas – Se for geladinha, uma boa salada de frutas repõe as energias e alimenta tanto quanto uma boa refeição. Se forem as frutas da estação então, a salada fica mais barata e com a garantia de que todas as frutas estarão bem docinhas. No Brasil a salada de frutas deveria ser mais aproveitada, inclusive no lanche das crianças na escola. É um alimento rico em proteínas e fibras. Para saborear na praia, é perfeito.
5 - Amendoim torrado – esse não me lembra a infância, mas de uns tempos pra cá, está em todos os lugares. Na praia, se tem uma cervejinha, tem os pacotinhos de amendoim em cima da mesa. Gosto bem!
6 - Sanduiche natural – o sanduiche natural ganhou fama nacional no final da década de 80, quando a idéia de uma alimentação mais saudável começou a entrar na moda no País. Creio que grande parte desse modismo, se iniciou quando a personagem de Regina Duarte na novela Vale tudo começou a vender na praia. A bem da verdade, a maioria dos sanduiches naturais vendidos por aí, de naturais, não têm nada, já que atum industrializado com maionese nada tem de natureba, mas como a moda é uma avalanche que sai levando todo mundo, o sanduiche “natural” chegou e faz a vida de muita gente na praia. Vira e mexe, aparecem os vendedores com seus isopores!

Existem muitas outras comidinhas vendidas pelas praias Brasil afora. As raspadinhas, o milho cozido, os doces em geral e também a velha caipirinha são figurinhas fáceis de encontrar. Depende muito da região e do que é facilmente encontrado nela. O que dizer do velho mate de tambor vendido no Rio de Janeiro? E as queijadinhas das praias de São Paulo? E o camarão no espeto das praias do Ceará?

Pois é, ir à praia é um programa e tanto. Poucos lugares possuem tantos fãs como a boa e velha praia, mas é um programa que dá fome. Já perceberam que logo depois de um tempo na praia, você já está querendo beliscar alguma coisa? Deve ser o excesso de exposição ao sol, as muitas atividades que seu corpo pratica, como banho de mar, caminhada, o jogo de frescobol, de vôlei, etc.
O bom é que cada praia tem seu menu e o melhor que fazemos é aproveitar o que elas tem de mais peculiar e bacana.

Então, aproveita que a hora é essa e boas férias!

Jornal Cazumbá, Janeiro de 2012.

Comentários

Anônimo disse…
Ai queijinho assado, é o meu preferido, ai que tudo...agora deu vontade de ir à praia, mas por aqui nada de ócio, affff, só trabalho, bjos.Josi
Hehe, adoro também, mas não gosto com "orego", lembra? Kkkkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,