Pular para o conteúdo principal

Coisas que odeio em São Paulo


Não são poucas as coisas percebidas por essa "baiana" (como os paulistas chamam as pessoas que vem do Nordeste) aqui. Das mais divertidas às mais chatas, começo uma série de posts com coisas que me chamam a atenção nessa mega cidade. Iniciemos pelas coisas que odeio...
  • Cocô de cachorro nas ruas - talvez esta cidade (no Brasil) só perca para o Rio de Janeiro em quantidade de cachorros. Todo mundo tem um, pelo menos! Andar nas calçadas de São Paulo é um suplício. Quando você não tropeça em alguém com um cachorro, você pisa em cocô, que os donos não juntaram. Acho que esse é o grande motivo de eu ainda não ter um, já que gosto muito dos danados!
  • Mochilas no metrô - quase todo mundo usa mochilas por aqui. Como as distâncias e os dias são longos, sem dúvida nenhuma, as mochilas são práticas porque carregam tudo. O problema é que no metrô, as mochilas atrapalham muito! Mesmo com os avisos sonoros alertando para todos carregarem suas mochilas nas mãos e não nas costas, para não atrapalhar os outros usuários, há sempre os "sem noção" que não ligam pra isso, não ouvem e lascam com tudo. 
  • Livro batendo nas costas - aproveitando o aperto do metrô, além da mochila, tem outro item tão chato quanto: o livro dos outros batendo nas suas costas. Explico: mesmo com o metrô lotado, há sempre aqueles que abrem seus livros para ler. Com a lotação completa, não há espaço suficiente para livros abertos, mochilas nas costas e pessoas felizes. Ler é a melhor coisa do mundo, mas dava para esses "sem noção" esperarem  o metrô esvaziar um pouquinho para fazer isso, não? Outro dia, tinha um cidadão fazendo tarefa do curso de inglês. Por pouco ele não apoiou o caderno nas minhas costas para escrever!
  • Bitucas de cigarro no chão - nem no auge do cigarro no País, lembro de ver tanta bituca de cigarro nos chãos. Nas entradas dos metrôs, é um completo absurdo. Como acumula muita gente fumando antes de entrar, as bitucas ficam amontoadas. Nas portas e calçadas de bares, a coisa beira a loucura. Nem as bituqueiras, engenhocas simpáticas inventadas em um passado recente, resolveram tal problema. Sinto pena, na verdade. Do ambiente...
  • As frases de efeito erradas e horrorosas - É começar uma frase e inserir um "tá ligado, mano" ou quem sabe, um "tipo" pra eu ter vontade de sair correndo. Mas como tudo não é tão ruim que não possa ficar pior, quando ouço as frases "Você quer que eu pego?" ou "Você quer que eu faço?" sinto febre de 40º de tanta agonia, mas pensando bem, talvez eu já tenha tido convulsões ouvindo " mas ele ainda não tinha chego"...

Comentários

Macário Campos disse…
Nada com ter nascido no estado em que se fala melhor o nosso idioma....Orra meu!
Kkkkkkkkkkkk Macário querido, feliz ano novo!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,