terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sobre o filme Flor de Abril

Ao contrário do que pensei, o filme não está em exibição em nenhuma sala em São Paulo.
Pesquisei muito, vi em todos os guias e telefonei para o cine Reserva Cultural, onde teve o lançamento, para me informar melhor e nada feito.
O que teve, foi na verdade uma avant-première para convidados, jornalistas e críticos.
Uma pena, porque queria muito ver. Iria espalhar para a multidão de maranhenses que moram por essas bandas...

Imagino que a falta de dinheiro tenha limitado a divulgação do filme. 
Desde seu primeiro filme, Cícero Filho luta com pouca verba e equipamentos racionados para poder colocar suas ótimas ideias em frente. É um obstinado! Outro, já teria abandonado isso.

As grandes empresas maranhenses por vezes, apoiam o que lhes é conveniente, o que chega primeiro ou mesmo aquilo que foi indicado por algum poderoso. Os critérios são os mais diversos possíveis e a lógica nesse caso, é essa.
O incentivo dos governos então, melhor não entrar nesse mérito. Tem coisa que dá voto e tem coisa que não dá. Critério claro, em todos os estados do Brasil.
Embora no trailer apareçam governos como apoiadores, sei que a coisa não foi como devia. Ainda estava em São Luís trabalhando numa entidade de apoio a eventos e vi como foram as gravações em São Luís. Tentei de várias formas apoiar, mas o esquema não é simples assim. Melhor não lembrar, não vai me fazer bem.

Dadá e seu Cantinho da Estrela investiu vários almoços e jantares para a equipe do filme e foi com cotas de patrocínio nesse "formato" que algumas cenas foram rodadas em São Luís. 
Gostaria muito de ver. Ver como ficou o resultado final. Ver como ficou o desenrolar do roteiro...

No "Ai que vida", dizem que Cícero gravou tudo com apenas uma câmera, um grande feito para dias em que convivemos com a tirania do 3D. Há quem diga que o filme é trash. Há quem diga que é tosco e eu prefiro dizer que é uma comédia nordestina que ainda vamos nos orgulhar muito. 

Fazer cinema por muitos anos foi um sonho meu, mas tive tempo de perceber as limitações do sonho, impostas por ter nascido num território politicamente desprestigiado, mas continuo torcendo para existirem pessoas mais obstinadas e guerreiras como Cícero, que não dão bola para as dificuldades e vão em frente, mesmo que o caminho às vezes, seja muito longo.


Um comentário:

Anônimo disse...

Querida!Tô passando por aqui de longe e rapidamente p/ dizer que vc é especial p/ mim e muito mais p/ Deus. Um beijo, Saudade!

Wynaiara.