quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Almoço funcional, aí vou eu!

Eu já tentei ser chique, mas não deu!
Já frequentei muito restaurante chique, já tentei ser amiga e frequentar rodinha de bacana, mas francamente, não falamos a mesma língua. 

Em restaurante chique você fica só na pose. Come pouco e ainda é discriminado pelo garçom, que acha que tem dinheiro (?!).

Em Boteco, ao contrário dos restaurantes chiques, o garçom é uma pessoa normal, que está ali defendendo o seu pão diário. Sabe os truques do atendimento e deixa você à vontade.

A comida vem numa porção boa. Vem com umas gordurinhas extras. Tem um sabor acentuado. O arroz então, jamais faremos igual em casa, e o melhor: a conta não é um descalabro!

Hoje estava a fim de comer em botecão, algo como bife com batata frita e ovo frito, mas estou escrevendo para exorcizar a vontade. Isso mesmo! Escrever faz passar uma série de angústias na vida.

Estou com o tal do colesterol alto e não devo comer o que dá vontade, e sim, usar a velha fórmula do almoço funcional: comida que faz bem e não necessariamente é gostosa!

Se eu tivesse um companheiro (a) de almoço bacana, sim. Iria pular a cerca da dieta e me esbaldar num prato desses, mas como almoço sozinha a maioria dos dias, aproveito esse detalhe para fazer uma boa digestão andando e descobrindo delícias aqui por perto.

Almoço funcional, aí vou eu!


terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sobre o filme Flor de Abril

Ao contrário do que pensei, o filme não está em exibição em nenhuma sala em São Paulo.
Pesquisei muito, vi em todos os guias e telefonei para o cine Reserva Cultural, onde teve o lançamento, para me informar melhor e nada feito.
O que teve, foi na verdade uma avant-première para convidados, jornalistas e críticos.
Uma pena, porque queria muito ver. Iria espalhar para a multidão de maranhenses que moram por essas bandas...

Imagino que a falta de dinheiro tenha limitado a divulgação do filme. 
Desde seu primeiro filme, Cícero Filho luta com pouca verba e equipamentos racionados para poder colocar suas ótimas ideias em frente. É um obstinado! Outro, já teria abandonado isso.

As grandes empresas maranhenses por vezes, apoiam o que lhes é conveniente, o que chega primeiro ou mesmo aquilo que foi indicado por algum poderoso. Os critérios são os mais diversos possíveis e a lógica nesse caso, é essa.
O incentivo dos governos então, melhor não entrar nesse mérito. Tem coisa que dá voto e tem coisa que não dá. Critério claro, em todos os estados do Brasil.
Embora no trailer apareçam governos como apoiadores, sei que a coisa não foi como devia. Ainda estava em São Luís trabalhando numa entidade de apoio a eventos e vi como foram as gravações em São Luís. Tentei de várias formas apoiar, mas o esquema não é simples assim. Melhor não lembrar, não vai me fazer bem.

Dadá e seu Cantinho da Estrela investiu vários almoços e jantares para a equipe do filme e foi com cotas de patrocínio nesse "formato" que algumas cenas foram rodadas em São Luís. 
Gostaria muito de ver. Ver como ficou o resultado final. Ver como ficou o desenrolar do roteiro...

No "Ai que vida", dizem que Cícero gravou tudo com apenas uma câmera, um grande feito para dias em que convivemos com a tirania do 3D. Há quem diga que o filme é trash. Há quem diga que é tosco e eu prefiro dizer que é uma comédia nordestina que ainda vamos nos orgulhar muito. 

Fazer cinema por muitos anos foi um sonho meu, mas tive tempo de perceber as limitações do sonho, impostas por ter nascido num território politicamente desprestigiado, mas continuo torcendo para existirem pessoas mais obstinadas e guerreiras como Cícero, que não dão bola para as dificuldades e vão em frente, mesmo que o caminho às vezes, seja muito longo.


segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Cada um é dono dos seus quilos

O link abaixo traz uma informação engraçada. Fala de um fast food americano (como diz o Tutty Vasquez - ô raça) que vende comida gorda.
Gorda assim, sem disfarce.  Até aí, tudo bem, cada um é dono dos seus quilos, mas daí a fazer apologia à gordura, são outras batatas fritas, né?
Leia e reflita.
(Aqui)

Bolacha Maizena. Não faz mal pra ninguém!


Acordei meio "ruim" do estômago. Na verdade, desde ontem ando com náuseas.
São tantas as tranqueiras que comemos, que fica impossível saber o que fez mal, né?

Mamis, desde que eu era pequena, tinha uma receita infalível em dias de enjôo: bolacha maizena com leite ou chá quente. De acordo com suas crenças, bolacha maizena não faz mal pra ninguém, é como água de coco...

Seguindo essa receitinha estou eu hoje. Comprei um pacote da bolacha para ir tapeando, caso a fome bata à minha porta. É uma típica Comfort Food. É comer e lembrar da infância...

Deve ser a massa levinha e o sabor suave da bolacha maizena que garantem a ideia nos mais velhos de que não faz mal. Vovó também tem essa crença (que deve ter passado pra mamãe) e lembro de comer isso quando ficava com febre em plenas férias na casa da vovó, isso lá nos idos anos 80...

Bom, com esse sabor de infância, começo a minha segunda. Bom dia procê!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Reveillòn no Brasil. Dicas de Ricardo Freire

É claro que numa sexta-feira dedicada aos vídeos, não poderia faltar aqui uma dica preciosa do meu adorável Ricardo Freire.
Dicas para o menor "susto-benefício" para o Reveillòn no Brasil.

Carcará. De João do Vale por Maria Bethânia




Adoro!

Cadeira Vazia. De Lupicínio por Arrigo Barnabé

Taí um dos desejos de Natal: o  DVD do Arrigo cantando Lupicínio.
Gosto mesmo é da performance.

Livros sobre viagem - Dicas para presente de Natal

Que tal dar livros de presente de Natal? Acho muito charmoso isso.
Andei pesquisando alguns títulos sobre viagens e tenho 5 ótimas dicas.
Vamos a elas:


Título: Confissões de um turista profissional
Editora: Novo Conceito
Autor: Kiko Nogueira
Sinopse: Quem gosta de viajar, e viaja mesmo (isto é, não faz turismo pra inglês ver), sente uma vontade danada de falar a verdade sobre os lugares que visitou. Coisas como: vale a pena todo aquele trabalho no Louvre para não ver a Monalisa? Existe algum lugar mais insalubre do que uma barraca de praia no Nordeste? Ou ainda: por que o Brasil precisa de mais uma obra de Oscar Niemeyer, o veterano arquiteto que deixa um rastro de concreto aonde quer que vá? Mas falar essas coisas é, no mínimo, tornar-se um chato. Pois Jota Pinto Fernandes, alter ego de Kiko Nogueira, é o chato que vive em cada viajante. Corajoso e desbocado o suficiente para dizer o que as agências e seu amigo que acabou de chegar de Nova York nunca falarão. Escrito pelo ex-diretor da revista Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas, da Editora Abril, Confissões de um Turista Profissional é uma leitura para quem quer olhar as lindas fotinhos no celular, na volta daquele pacote inesquecível, e pensar: “E não é que era isso mesmo...?”



Título: Terramarear - peripécias de dois turistas culturais
Editora: Cia das Letras
Autor: Ruy Castro


Sinopse: Ruy Castro e Heloisa Seixas são dois grandes viajantes. Nas últimas décadas, têm rodado o mundo, levados por vários motivos, inclusive profissionais. Mas eles não são meros turistas. Quando viajam, buscam sempre o espírito dos lugares — a cultura das ruas pelas quais passeiam e suas relações com a história, a arquitetura, a música, o cinema, a gastronomia. Com isso, descobrem os roteiros mais surpreendentes, em Nova York, Paris, Roma, Veneza, Madri, Barcelona, Sevilha, Havana, Moscou, Saint-Tropez, Rio — e que, agora, eles nos revelam em Terramarear.






Título: sozinha mundo afora
Editora: Verus
Autora: Mari Campos


Sinopse: Sozinha mundo afora traz dicas da jornalista e viajante profissional Mari Campos para qualquer mulher que queira desbravar o mundo sem companhia, com depoimentos de viajantes de diferentes idades e perfis que já tiveram essa oportunidade.Com sua extensa experiência em viagens solo – ela já saiu sozinha pelo mundo mais de 25 vezes –, Mari Campos conta tudo que você precisa saber para fazer as malas e sair por aí em sua própria companhia.







Título: Me leva mundão
Editora: Globo
Autor: Maurício Kubrusly


Sinopse: Depois de percorrer o Brasil durante vários anos em busca de casos curiosos e personagens diferentes, todos apresentados em seu quadro semanal no Fantástico, o jornalista Maurício Kubrusly ampliou sua área de atuação e foi procurar relatos peculiares e impressões inusitadas fora das fronteiras nacionais. O resultado está no livro Me Leva Mundão, um saboroso conjunto de crônicas divertidas e temperadas pelo olhar bem brasileiro do experiente repórter.





Título: Acordei em Woodstock - Viagem, Memórias, Perplexidades
Editora: Global
Autor: Inácio Loyola Brandão


Sinopse: A cidade de Woodstock, sede do condado de Windsor, no estado de Vermont, é uma localidade aprazível, como os viajantes verificaram. Foram dias de fascínio e encantamento, imaginando cada lugar onde tinha ocorrido o famoso festival de 1969. Eles "viram e ouviram" os maiores ídolos da música rock e pop do século e tiveram uma enorme surpresa, um impacto, diante de uma revelação surpreendente e divertida.Ao longo das duas semanas de excursão, o escritor viajou também na memória, na mistura de fantasia e imaginação, em reflexões íntimas, numa experiência existencial rica e complexa que lhe permitiu, mais de uma década depois, compor não exatamente um romance, nem propriamente um livro de viagem, também não apenas o registro de memórias, mas tudo isso junto. Ao acordar em Woodstock, Ignácio de Loyola Brandão produziu simplesmente literatura de alta qualidade.


Caso o clima natalino amoleça seu coração e você queira mandar qualquer um desses pra mim, eu vou adorar, rá!


Importante: as sinopses foram copiadas na internet - vários sites.


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Cruzeiros - Dicas de Sites

Não posso dizer que não tenho vontade de fazer um cruzeiro, tenho.
Mas para ilustrar melhor essa vontade, posso definir o tamanho só pra você ter uma ideia: seria 2 graus na escala richter!
Não é meu grande sonho de viagem, mas acho que vale experimentar.

Não, não vou fazer um cruzeiro, mas tenho lido tanta coisa que parece que o mundo, vai! Incrível.
A minha vontade diminui quanto penso que teria que levar uma caixa de Dramin, consequentemente iria ficar chapada, não iria conseguir beber nem me divertir e pra brochar de vez minha vontade, ficar confinada num barcão com a possibilidade de afundar e eu não saber nadar é de morrer!

Mas por outro lado, tem muita gente que gosta, que sabe nadar e que vai adorar ir à festa com o comandante. Para essas, os cruzeiros são sinônimo de relax total.

O Brasil com a enorme costa que tem, tem mais é que aproveitar mesmo. Acho certíssimo! Para o próximo verão, as coisas estão demais. Tem minicruzeiros super em conta e com ótimos roteiros.
Para quem gosta da comodidade da coisa e uma boquinha all inclusive, vão aqui os principais sites com as empresas que vendem cruzeiros para a próxima temporada:



Boa viagem e não esqueça o Dramin!


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Flor de Abril. Estreia amanhã em São Paulo

Bom, eu já tenho vontade de assistir por ser de um cineasta independente.
Um cineasta meio maranhense e meio piauiense então...
Agora sabendo que Dadá, minha amada Dadá, aparece no filme, aí eu não posso perder de jeito nenhum!
Cícero Filho é o também Diretor do filme "Ai que vida", sucesso no submundo da cinefilia tupiniquim!
Espero que o filme mostre o amadurecimento do Diretor e que seja uma boa história!
Desejo muita sorte a toda a equipe!


Eu, passarinho


Estou assim hoje: meio enfezada, macambúzia e com frio.
Febre, melhor falando.
Eu bem que poderia ser esse passarinho, já que todos passarão... 

(Daqui)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Bowls coloridos. Nova paixão!

Vi esses bowls na prateleira do mercado e meu coração palpitou!
Estava procurando há tempos bowls desse tamanho para fazer porções individuais de salada.
E de quebra, são das cores do próximo verão. Não é  fashion, isso?
Bastou chegar em casa para lavá-los e rá! fazer uma saladinha simples pra refrescar o almoço.
Amei tanto que estou pensando em passar o maridão pra sala e dormir com eles bem abraçadinha, hehe.

Descobri que combinaram perfeitamente com meus descansos de panela, óia?


Feitos um para o outro!

Saladinha básica: alface crespa, tomates, azeitonas, queijo branco e cenoura ralada.




segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Muita sorte!


Ganhei esse trevo da sorte da sogra.
Achei muito simpático esse presente, não?
Ele por enquanto está no meu mini-vasinho improvisado, mas confesso que está deixando a cozinha bem mais animada e sortuda.

Para uma segunda-feira, nada melhor que um trevo de quatro folhas pra desejar muita sorte a todos!
Aliás, hoje é aniversário da sogra. Toda a sorte do mundo para ela!




domingo, 20 de novembro de 2011

Chá super "do bem"


Imagino que você já deva me conhecer um pouquinho. Se passa pelo bloguito de vez em quando, sabe que minha bebida preferida é chá mate gelado.

Tá bom, o chá gelado disputa ali bem de pertinho com uma cervejinha, mas se eu puder escolher, fico com meu refrescante mate, sem sombra de dúvida!

Já perdi as contas das vezes em que falei da bebida aqui, mas hoje trouxe uma novidade super "do bem"!
Acordamos cedo e aproveitamos a caminhada para conhecer um mercado novo que inaugurou recentemente perto de casa.
Bom, o supermercado é super bacana, novinho (achei um pouco caro!), e tem um ar de novidade e cuidado com os produtos que me deixaram muito feliz! Todos os produtos são cuidadosamente colocados nas prateleiras e é tudo muito arrumado, cheirando a novo.

O diferencial dele começa por algumas marcas, que não são facilmente encontradas nos outros supermercados. Descobrimos muita coisa diferente e compramos umas cositas pra animar a semana de dieta. A "do bem" foi uma dessas gratas surpresas gastronômicas que eu adoro.

Ao ver que era chá mate, o maridão já veio me mostrar, sabendo que eu iria querer experimentar. Vi a caixinha com muito cuidado, li a proposta da marca (isso me atrai) e fiquei apaixonada pela ideia da "do bem" de fazer chá mate parecido com aqueles vendidos no Rio "no tambor". Até o desenho na caixa é de um tambor. Ai, gente, não aguento tanto mimo!

Os mates vendidos no tambor tem um sabor único. Nada no mundo se parece. Tenho a impressão que são mais refrescantes que qualquer outra bebida.

Acreditei no que os marketeiros da "do bem" disseram na caixinha e na hora quis comprar um monte delas.
Comecei a ver os outros produtos da marca e novamente me apaixonei. Dessa vez, pela limonada! Trouxe então um de cada para experimentar, com o pacto com o maridão que se fosse bom, voltaríamos lá pra comprar 1 tonelada, hehe.
Adorei o chá! Muito mesmo.

Tomo chás de todas as marcas possíveis. De todos os sabores, de qualquer região. Procuro tudo em todo supermercado. Como esse, ainda não tinha visto!
Não chega a ser o mesmo sabor que tem  "o do tambor", mas lembra bem. É igualmente refrescante e posso dizer que fiquei bem satisfeita com o sabor. Acho apenas que perde para o que faço em casa, que tanto os amigos dizem pra eu envazar e vender, hehe.

Já terminamos o litro hoje mesmo :(
Vou iniciar a limonada e falo depois, tá? :)

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Inspiração para uma sexta de novembro


Essa praia está em meus roteiros futuros.
É em Cayo Largo, Cuba.
Imagine-se nessa praia por uns 5 minutos e volte ao trabalho com mais energia e animação.
Assim estou eu. Animada!

Uma sexta e um final de semana daqueles de acordar segunda dolorido!

Fonte: Viaje na Viagem

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Da janela ou do sofá.

Tenho a impressão que este ano passou meio de ladinho, sem encostar em mim.
Parece que o vi de uma janela.
Ou de um sofá em frente a uma televisão. Eu no sofá e o ano na televisão.
Sabe quando parece que você não interagiu com o ano? Que as coisas aconteceram, mas que deixaram você meio de fora?

O ciclo de mais um ano terráqueo está se fechando e eu estou com essa impressão cretina. Coisa louca!
Desde que cheguei aqui, tracei metas que ainda não pude cumprir, por inúmeros motivos. E um dos mais importantes é a própria adaptação com a cidade, seus desafios, crueldade e distâncias.
Sinto-me um pouco mais adaptada, mais familiarizada com as pessoas e com as situações, mas ainda sinto falta dos meus amigos. De conversar de igual pra igual.
De poder usar meu sotaque sem ter que pausar pra explicar de onde venho e quem eu sou. De poder reclamar da minha cidade com propriedade de causa. De reivindicar. De ficar triste com mais um casarão interditado e nessa tristeza, afogar as mágoas em algumas cervejas geladas e suando com 34°.
Talvez a impressão de um ano distante seja por isso. Ainda estou em adaptação.

Mas começo a gostar mais da cidade, dos programas que aos poucos eu e o maridão vamos tornando rotina. O cotidiano paulistano me encanta em muitas coisas. Gosto da grandeza da cidade. Da possibilidade de ver de tudo. De poder fazer quase tudo e principalmente de dividir a vida com alguém tão parecido comigo e tão disposto a aceitar as diferenças.

Este ano será um ano marcado na minha memória. Tanto pela sua assimetria, quanto pela falta que senti dele, pelo menos até agora!

Um quinta de primeira categoria pra você!


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A pele que habito - Almodóvar

Se você está vivendo uma vidinha linear e gostaria de ver algo diferente, pelo menos por umas duas horas e meia, assista "A pele que habito", novo filme do Almodóvar.
Infelizmente não posso e não devo contar muito sobre o roteiro. Dessa forma estragaria a surpresa e não teria a menor graça.

Assisti na segunda-feira enforcada do feriado. 

Uma loucura. Não paro de pensar em tão louca história.
Vira e mexe as cenas voltam à minha mente sem eu nem perceber. Não sei se é bom ou ruim. É louco!
Também achei interessante a trilha sonora, que por vezes me deixou tensa.
Antonio Banderas está velho e .... louco!

Bom, minha sugestão: assista!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Panquecas em dia chuvoso


Tudo começou com a chuva. Há dois dias chove em São Paulo.

Depois de todos esses dias intercalando trabalho e mamãe, estou muito cansada. Coisa parecida só no final do ano passado, depois da maratona São Luís.

Levantei da cama não querendo e o programão do dia foi ir ao mercado bem cedinho.
Com o dia lindo, como ilustra a foto acima, chegamos molhados e com as compras molhadas.
Para melhorar o clima e transformar o dia num dia digno de feriado, pusemos Elvis para tocar, botamos as cervejas para gelar e aproveitamos para enxugar tudo e colocar no lugar.

Sem vontade de sair de casa, sem vontade de pensar e muito menos de fazer alguma coisa, resolvemos fazer panquecas para o almoço, que são fáceis e práticas.
Tínhamos tudo em casa e inclusive o Chef!


Ficaram deliciosas!

Vamos à receita:

Para a massa:

1 ovo
1 copo de leite líquido
1/2 copo de farinha de trigo
1/2 copo de amido de milho (maisena)
sal a gosto

Bata tudo no liquidificador. Aqueça uma frigideira antiaderente com um fio de azeite. Coloque um pouco, espalhe até que a massa cubra completamente o fundo da frigideira e espere até que ela vá se desprendendo do fundo. Com a ajuda de uma espátula, vire as panquecas para que dourem dos dois lados.
Essa receita deu para 13 panquequinhas pequenas.
Reserve.

Carne Moída
Refogue cebola e alho no azeite. Junte a carne e deixe fritar bastante. Vai soltar um pouco de água e vá mexendo até cozinhar por completo. Não acrescente água. Acrescente salsinha, cebolinha, sal e azeitonas. Reserve.

Pasta de atum
1 lata de atum sólido
3 colheres de sopa cheias de creme de ricota.
Misture tudo e reserve.


Enrole as panquecas e cubra com o molho de sua preferência e bom apetite.

Atenção: mesmo sem harmonizar panqueca de atum com molho bolonhesa, era o único que tínhamos em casa. Fizemos os dois tipos de panquecas e cobrimos com o molho pronto.
Colocamos queijo ralado e pusemos no forno por uns 15 minutos.

Como os ociosos que nos visitam tem juízo, farão um molhinho compatível com os recheios, certo?


Maridão mudou a frase do nosso Chef. Adorei!
Ah, já estamos em clima natalino, ho ho ho!


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Mamis em São Paulo

Estava em dívida com meus ociosos e os fãs de mamãe.
A agenda da sapeca está lotada, como eu já havia dito, mas todos querem saber o que ela anda aprontando.

Segue então uma pequena amostra das peripécias dos últimos dias....

Já é sócia. Tem carteirinha e tudo!

Adorou tudo no clube.


Fomos na Esfiha Juventus, nossa casa de comida árabe preferida.

Mercadão. Até agora não esqueceu das cores e novidades.

Ainda bem que tem gente que se dispõe a tirar foto de duplas, hehe.

São Jorge, barzinho que eu amo no coração de São Paulo.

No metrô, né?

Almoço na sogrona...

Bate papo na sogrona...

Novos amigos.

Estação da Luz

Me diz se esse papai noel não é tudo????

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Café da Manhã no Apzito

Antes de viajar para um final de semana divertidíssimo, que tal um cafezinho rápido na casa dos amigos?
Pois é, a casa foi a nossa mesmo e os amigos são os de sempre...


Os saquinhos de papel de pão serviram pra embrulhar o que "eventualmente" iria sobrar e levar na viagem.
Docinhos variados, palitos de parmesão e pães de queijo.
O café é o básico de sempre: fruta, pães, sucos, leite, queijos e embutidos.
Neste caso, o café propriamente dito, apenas o maridão tomou!
Garrafinha preta foi presente de Lu e Dudu.
A galera do café: André, maridão, Cascão, Carlinha e o Luiz.
Tirando o Cascão que fez sua estreia oficial, os outros são figurinhas básicas  no apzito.


Tava bão...
Ótimo dia meu povo!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Mamis na área!

Não mudei de planeta não, meu povo!

Estou atarefada com a visita da mama. Muitas providências e muito cansaço.
Hoje à noite, atualizo nossos assuntos.

Já repararam que dezembro começou? Tô besta com tanto papai noel nas ruas. Ainda não comprei nada de natal. Tô resistindo...

Segundona pra você. Volto logo!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Legumes no vapor

Vi no catálogo da Avon esse cesto de cozimento de silicone para cozinhar legumes no vapor.
Pensei "porque comprá-lo, porque não comprá-lo? Compreio-ô-ô!
Na verdade, comprei sem acreditar muito na eficácia na coisa. Comprei para experimentar. Gosto disso!
Recebi ontem, nem paguei ainda e já fui experimentar quando cheguei em casa.

Ociosos, a-m-e-i!

Já tinha jogado minha cuscuzeira fora de tão velha e uma novinha está prometida há anos, mas as distâncias entre o Maranhão e São Paulo nunca deixaram a danada chegar no apzito, ou seja, estava cozinhando legumes na água fervente, mas vamos combinar, não é a mesma coisa! 
No vapor você conserva as propriedades do alimento e ele fica sem sal, bem fresquinho, uma delícia!

Abre parênteses [cuscuzeira é aquela panela pra fazer cuscuz que na verdade todo mundo usa para cozinhar legumes e esquentar arroz, hehe] Fecha parênteses.

Raspei o que tinha da geladeira e fiz um mix de legumes com batata doce, abobrinha, brócolis, cenoura e mandioquinha. 
Em menos de 10 minutos estava tudo pronto e bastou temperar com azeite, sal e ervas aromáticas pra ter um jantarzinho light e gostoso. Ah, acrescentei um pouco de cevadinha pra dar uma incrementada. 


Coube direitinho nessa panela. Basta por água na panela, colocar os legumes e por a tampa em cima e deixar por alguns minutos.

As alcinhas servem para facilitar o manuseio.

Mesmo com a foto um "nojo", aqui é pra mostrar que ele tem um pezinho, ou seja, dá pra deixar esfriando no próprio cestinho.

Tón lindo. Amei!


Ah, Mamis chega hoje!
Estou que não me aguento de ansiedade...
Doida pra vê-la com os olhos brilhando pra tudo que vai ver nessa cidade louca!
Conto mais à noite!

Terção aí!