Pular para o conteúdo principal

Armazém Santa Filomena na Zona Cerealista: de tudo um pouco.

Ali bem pertinho do mercadão, em pleno centro de São Paulo, está a Zona Cerealista, território dos grãos, farináceos, temperos, massas, azeites e desidratados.
Um pedaço incrível para quem procura coisinhas diferentes e naturebas. 
Até vir morar aqui não conhecia a região, embora já consumisse vários produtos naturais, comprados com uma certa dificuldade em São Luís.
Em média uma vez por mês vamos lá comprar insumos para saladas, ensopados e grãos. Tenho aos poucos introduzido alimentos com menos gordura e mais fibra na alimentação.

A Zona possui inúmeros, incontáveis, centenas de armazéns muito parecidos que vendem além de todos os itens citados acima, quase tudo que você possa imaginar. Passear pelas ruas e becos é uma descoberta atrás da outra. Basta entrar em um dos armazéns pra imaginar mil possibilidades de comidinhas, aperitivos e bebericos.

O armazém que frequentamos é o Armazém Santa Filomena, simpático armazém que está sempre bombando. 
Fico impressionada como os outros sempre estão vazios e o Santa Filomena lotado. 
Da última vez que fomos, aproveitamos e fotografamos tudo. Até o Seu Ademar, o proprietário que é tímido, posou para nossa humilde câmera.
O atendimento é cortêz e acreditem: é com senha! É só chegar, pegar a sua e esperar um atendente gritar seu número. 
Você pode escolher à vontade e abusar um pouco da bondade deles. Enquanto for sua vez,  você pode ficar o tempo que for preciso.

Os produtos ficam em potes plásticos com tampa. Por motivos óbvios, é proibido meter a mão. Apenas o atendente pode retirar o produto com uma pazinha específica.
Você pede a quantidade que precisa: de 100 gramas a 1000 quilos..

Pausa para foto: nosso atendente, Maridão, Minhoca para dar apoio moral e a Andréa, nossa colaboradora/consultora que praticamente toda semana está por lá comprando novidades para nossas receitas.

Os desidratados também ficam em potes transparentes para facilitar a escolha pelo cliente.

Essa amêndoa é uma perdição. É experimentar uma pra nunca mais comer nada parecido.

Tomate granulado é um dos exemplos dos produtos que gosto muito. Assim como as cebolas desidratadas, estão sempre nas comidinhas do apzito.

Esse sal é mais saudável e embora um pouco mais caro, tenho em casa também.

Conheço pouca gente que gosta de pimentão. Eu adoro!
Desidratado você não sente os pedacinhos na comida e ainda dá aquele sabor todo especial à comida!

Acho esse colorido lindo!

Farinha de trigo, acúcares (refiando, granulado, orgânico, mascavo, etc), amidos... Ficam nessa seção. 

Uma geral do armazém, num dia vazio.

Os produtos de um modo geral são mais em conta. Vale muito a pena comprar itens fracionados, mesmo quando é uma coisa mais cara como o estragão.

Seu Ademar com parte da equipe

Frente do Armazém Santa Filomena


Além de tudo que foi mostrado neste post, no Santa Filomena vende também azeites, tomates sem pele, bebidas importadas, chocolates e ainda alguns produtos diferentes que cabem naquelas frases: "ah, só deve ter na Zona Cerealista". É isso mesmo. Tem coisa que só tem lá!

A região ferve aos sábados pela manhã e para mim é sempre um passeio divertido. A cada nova isa, descubro mais coisas gostosas.
Taí um passeio que indico até para quem não se interessa por assuntos relacionados a gastronomia: história, comportamento, gastronomia e cultura. Tudo pode ser visto naquela região e no mesmo passeio.


Armazém Santa Filomena,
Rua Santa Rosa, 100. Brás. SP
E-mail: armazemstafilomena@terra.com.br

Comentários

Dona Karen disse…
dava uma matéria legal no club gourmet né dona beatrice borges!!
É bb... Como poderíamos fazer???
Anônimo disse…
Quando não posso ir na zona cerealista compro pela internet.
O site é o www.zonacerealista.com.br chega em qualquer lugar do Brasil.

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…