segunda-feira, 8 de agosto de 2011

1 ano em São Paulo

Esta semana comemoro 1 ano morando em São Paulo. 
Não que os dias não precisem ser comemorados, é claro que precisam, mas convencionou-se que 1 ano é data boa para comemoração, então aqui estou eu com a corda toda!
Vim agora no metrô pensando que parece que já moro aqui há mais tempo. A sensação talvez seja explicada pela intensidade com que tenha vivido cada dia nos últimos doze meses...
Cada dia tem sido de descoberta e de batalha, como quase todo mundo hoje em dia. Não há nada demais nisso, se pensarmos de forma cartesiana, pá pum!
Mas cada vida é cheia de histórias, revezes, paixões e elementos muitos particulares. Assim como todas as pessoas, tenho vivido, aprendido e me orgulhado muito disso tudo.

Sem dar bola para a saudade muitas vezes, sem internalizar as pessoas ruins que encontro no meu dia-a-dia, sem ligar para o preconceito que existe contra nordestinos e está estampado em vários lugares e em várias pessoas nessa cidade... Apenas ligando para o que a cidade tem de bom para me ofertar, para as pessoas boas que conheci e que conhecerei, para a vida que eu escolhi e para uma das coisas mais preciosas que alguém pode ter: amor, alegria, carinho e felicidade!

O aprendizado até aqui não tem tamanho e nem valor, por isso, vamu que vamu!


Dia cheio de trabalho, mas volto em breve para contar a saga do sábado em capítulos. Loucura total!

2 comentários:

Anônimo disse...

Minha Cara, li o post e me deu uma saudade enorme de nós. Bia do meu coração, ja faz um ano que tu tai? isso quer dizer que estou ha um ano sem tu aqui! Só agora me dei conta do tempo, como ele é ingrato. Ele se juntou com a conveniência e levou um pedacinho da gente para um lugar distante, frio e as vezes cruel. O que me conforta é saber que a cidade que nos separou, te acolheu, colocou pessoas especiais(ITALO E FAMILIA), para cuidar de ti.
Saíba querida, que a tua ausencia é sentida por muitos de nós, teus amigos e colegas. Uma pessoa que tem um lume especial e cativa todos que tem o privilegio de conhecer e conviver com a Beatice Borges. Mas, como na vida, a gente tem sempre de buscar a outra parte da gente, assim tu fizeste e foi em busca dessa tua outra parte e acho em sampa e nos deixou a saudade e distancia.
Mas, o interessante, é que mesmo na distância, esse mesmo tempo/destino cruel que nos separou, da uma mãozinha e a gente se encontra, quer seja, ai na terra da garoa ou aqui mesmo neste pedacinho do paraiso chamado ILHA DO AMOR.
Abraços
minha querida e espero em breve te encontrar.
Fica com Deus
Reginaldo Cazumbá

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Sim, é pra chorar? Preciso ser avisada antes, tá?
Poxa Regi, que lindo... Fiquei muito emocionada lendo tudo isso e lembrando do quanto és importante para mim também. Um beijo enorme cheio de saudade de alegria!
Quer dizer, com um pouquinho de xororô também, que ninguém é de fero, né?