domingo, 3 de julho de 2011

Festa Julina

As diferenças culturais de uma região para outra em um  país do tamanho do Brasil chegam a assustar.
Mesmo o maior dos estudiosos só seria capaz de radiografar de forma milimétrica com muita vivência e isso levaria muito tempo.
O que é possível e de forma simples, é assinalar uma diferença ou outra, o que ainda assim é difícil para entender e aceitar, sometimes.
Os hábitos festivos por exemplo, diferem de região para região e ainda de recortes geográficos para recortes geográficos.

Ontem fomos a uma festinha junina "fora de época", ou seja, uma festa julina. A ideia é a mesma: comidinhas, bebidinhas e roupas temáticas.
O que nos coube dentro da organização da festa foram docinhos.
Nada de mingau de milho, canjica e pamonha aos moldes maranhenses. Por aqui o que é típico, é paçoca, pé de moleque, doces de batata, abóbora, e canjica.

Legenda para maranhenses:
[Nossa canjica aqui é curau. Nosso mingau de milho aqui é canjica. Nossa pamonha é igual!]

Gostei de saber disso, de comprar as coisas, de arrumar e de ver tudo. Fiquei meio na "miúda" observando tudo e todos para ir aos poucos, compondo a parte paulistana da minha memória festiva.
Sem contar que foi a minha estreia no quesito "Quentão", vinho quente, batata doce assada e festa caipira ao com de música sertaneja (sic!).

O tempo ajudou e contrariando todas as previsões, não choveu. A noite foi gostosa, com um ventinho bom e muita gente bacana.
É uma pena que as fotos não tenham ficado boas. Já está mais que na hora de trocar a máquina oficial do bloguito. 
Só para você ter uma ideia do que estou falando, a que tenho hoje se comparada ao que está disponível no mercado, é a LOVE nos anos 80 (sic!). [Abafa!].

A marca de paçoca preferida por todos é paçoquita. Compramos de vários tamanhos, pé de moleque, doce de amendoim e torrone. Comprei duas cestinhas de palha para organizar tudo.
Ah, um copinho de cerveja enquanto arruma tudo, né?

Detalhe da cestinha

Forrei com guardanapo temático de comidinhas. Essa era a cestinha de produtos embalados

A outra cestinha foi de doces sem embalagem. Doce de leite comum, doce de leite com coco, doce de abóbora, doce de batata doce e cajuzinhos.

 Achei as cestinhas muito simpáticas, hehe.

Embalamos as duas até decorar a mesa.

A cunhada fez amendoim doce e pôs nesses copinhos com papelzinho decorado

Também é obra dela as pipocas doces. Aqui em são Paulo elas fazem muito sucesso.
Darei a receita em breve. Ficaram uma delícia e a molecada adorou.

Vasinho com pirulitos de maçã do amor. Owunnnn.

Mesinha de doces quase pronta. 

As pipocas embaladinhas em porções individuais.

A mesa salgada teve carne louca (também muito famosa aqui), salsicha ao molho e cuscuz

Olha o cuscuz ai. Acho que devo ter comido uns 10... 

Maria mole, doce de batata, pirulitos, canjica, quentão e vinho quente completavam a mesa de doces.

Esses pirulitos fizeram muito sucesso! Achei o colorido muito alegre.

Teve fogueira

Olha a vó que engraçada?

A Estela, morta de chique chegando na festa.

O casal mais paramentado do mundo!

Nhô Carlinhos.

Show pirotécnico do Vladimir

Cascão e Camila

Minhoca country

Pessoal animado, viu?

Clube do Bolinha: Carlinhos, maridão, Pimpa, Luizinho e Cascão.

A moçada jovem da festa.
.
.
.
.
.
.

Encerramento de festa na vila é assim: não dá pra ficar bêbado direito.
Tem que pegar a vassoura e deixar tudo limpo, hehe!

Cena 1: tentar abafar a fogueira

Cena 2:  limpeza de restinhos de bombinhas (e foram muitas!)

Cena 3: parar tudo pra discutir algum assunto comum e continuar com as vassouras na mão!

Cena 4: Mulheres varrendo, homens conversando

2 comentários:

Ana Helena disse...

Oi Bia!
Aqui é a Ana!
gostei muito das fotos da nossa festa!
espero que voce aproveite ainda muitas festas paulistanas! :D

beijos!

A Andarilha disse...

Eita povo feliz, sô! rsrs Bunito de se ver!
Diz pra Minhoca que o cabelo dela é lindo! rsr
Tô chegando em Sampa no dia 13!
Bjs