Pular para o conteúdo principal

Festa Julina

As diferenças culturais de uma região para outra em um  país do tamanho do Brasil chegam a assustar.
Mesmo o maior dos estudiosos só seria capaz de radiografar de forma milimétrica com muita vivência e isso levaria muito tempo.
O que é possível e de forma simples, é assinalar uma diferença ou outra, o que ainda assim é difícil para entender e aceitar, sometimes.
Os hábitos festivos por exemplo, diferem de região para região e ainda de recortes geográficos para recortes geográficos.

Ontem fomos a uma festinha junina "fora de época", ou seja, uma festa julina. A ideia é a mesma: comidinhas, bebidinhas e roupas temáticas.
O que nos coube dentro da organização da festa foram docinhos.
Nada de mingau de milho, canjica e pamonha aos moldes maranhenses. Por aqui o que é típico, é paçoca, pé de moleque, doces de batata, abóbora, e canjica.

Legenda para maranhenses:
[Nossa canjica aqui é curau. Nosso mingau de milho aqui é canjica. Nossa pamonha é igual!]

Gostei de saber disso, de comprar as coisas, de arrumar e de ver tudo. Fiquei meio na "miúda" observando tudo e todos para ir aos poucos, compondo a parte paulistana da minha memória festiva.
Sem contar que foi a minha estreia no quesito "Quentão", vinho quente, batata doce assada e festa caipira ao com de música sertaneja (sic!).

O tempo ajudou e contrariando todas as previsões, não choveu. A noite foi gostosa, com um ventinho bom e muita gente bacana.
É uma pena que as fotos não tenham ficado boas. Já está mais que na hora de trocar a máquina oficial do bloguito. 
Só para você ter uma ideia do que estou falando, a que tenho hoje se comparada ao que está disponível no mercado, é a LOVE nos anos 80 (sic!). [Abafa!].

A marca de paçoca preferida por todos é paçoquita. Compramos de vários tamanhos, pé de moleque, doce de amendoim e torrone. Comprei duas cestinhas de palha para organizar tudo.
Ah, um copinho de cerveja enquanto arruma tudo, né?

Detalhe da cestinha

Forrei com guardanapo temático de comidinhas. Essa era a cestinha de produtos embalados

A outra cestinha foi de doces sem embalagem. Doce de leite comum, doce de leite com coco, doce de abóbora, doce de batata doce e cajuzinhos.

 Achei as cestinhas muito simpáticas, hehe.

Embalamos as duas até decorar a mesa.

A cunhada fez amendoim doce e pôs nesses copinhos com papelzinho decorado

Também é obra dela as pipocas doces. Aqui em são Paulo elas fazem muito sucesso.
Darei a receita em breve. Ficaram uma delícia e a molecada adorou.

Vasinho com pirulitos de maçã do amor. Owunnnn.

Mesinha de doces quase pronta. 

As pipocas embaladinhas em porções individuais.

A mesa salgada teve carne louca (também muito famosa aqui), salsicha ao molho e cuscuz

Olha o cuscuz ai. Acho que devo ter comido uns 10... 

Maria mole, doce de batata, pirulitos, canjica, quentão e vinho quente completavam a mesa de doces.

Esses pirulitos fizeram muito sucesso! Achei o colorido muito alegre.

Teve fogueira

Olha a vó que engraçada?

A Estela, morta de chique chegando na festa.

O casal mais paramentado do mundo!

Nhô Carlinhos.

Show pirotécnico do Vladimir

Cascão e Camila

Minhoca country

Pessoal animado, viu?

Clube do Bolinha: Carlinhos, maridão, Pimpa, Luizinho e Cascão.

A moçada jovem da festa.
.
.
.
.
.
.

Encerramento de festa na vila é assim: não dá pra ficar bêbado direito.
Tem que pegar a vassoura e deixar tudo limpo, hehe!

Cena 1: tentar abafar a fogueira

Cena 2:  limpeza de restinhos de bombinhas (e foram muitas!)

Cena 3: parar tudo pra discutir algum assunto comum e continuar com as vassouras na mão!

Cena 4: Mulheres varrendo, homens conversando

Comentários

Ana Helena disse…
Oi Bia!
Aqui é a Ana!
gostei muito das fotos da nossa festa!
espero que voce aproveite ainda muitas festas paulistanas! :D

beijos!
A Andarilha disse…
Eita povo feliz, sô! rsrs Bunito de se ver!
Diz pra Minhoca que o cabelo dela é lindo! rsr
Tô chegando em Sampa no dia 13!
Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…