domingo, 17 de julho de 2011

De três a dez de julho.

A porta abriu e eu senti o cheiro de mar.
A confusão para localizar um táxi também denunciava que eu ali estava.
As ruas de trânsito apertado me diziam que pouca coisa nesse sentido tinha mudado.
O sol generoso iluminava todos os cantos da cidade que amo.
Minha mãe me esperava de braços abertos com o maior amor do mundo. Os irmãos sorriram com o carinho de sempre.
Os amigos ligavam pra saber.
A saudade deu um tempo.
Meus olhos brilharam diferente.
Meu estômago relembrou momentos saborosos.
Meu coração sentia saudade de alguém distante.
Computador, relatório.
Tempo.
Alegria. Tristeza.
Colorido. Música. Gente. Bumba-meu-boi.
Saudade.
Tempo.
Conforto.
Tristeza. Alegria.
Sono.
Frio.
Amor. Felicidade.
De volta.

2 comentários:

Lois disse...

Bia,

Tempo q eu nao aparecia pelo bloguito...mas agora já estou atualizada dos últimos post's...em especial esse deixou meu coração mole, mole, pois muitas lembranças passaram pela minha cabeça nos anos q estive longe e hj sinto uma saudade diferente, dos q ficaram no sudeste e que eu queria trazer todos para a ilha magnetica..rsrs...suas palavras e sentimentos sempre se transformam em textos lindos de ler...bj

Ócio, viagens e gastronomia disse...

Pois é, D. Lois, pode aparecer... sinto falta dos seus comentários, viu?
Obrigada Lois, suas palavras me deixam com mais vontade de escrever... Um beijo enorme em vc, Karl e o bb lindo que vem por aí!