Pular para o conteúdo principal

Sem título.


Esse aqui disfarçado de garçom é o Eloi, vulgarmente conhecido no submundo do crime como Frango.
Ele trabalha na Cantina do Gigio, lugar bem bacanão e com comidas divinas...
Não é garçom, mas nos atendeu. Tivemos tratamento vip.

Ele é amigo desse aqui, o André.

Que namora essa aqui, a Carla.

O Frango também é amigo desse aqui, maridão.


Essa aqui está de metida nessa historinha, mas tava adorando tudo: o ambiente, as comidas, as bebidas e o papo.

Como entrada, pão italiano, alichela e sardela e essa delícia aí da foto: mussarela de búfala à milanesa com molho ao sugo e manjericão. Campeã!


Original vai e original vem, comemos uma massa com parmegiana de carne
Não, nessa hora não dá pra conversar muito.

O prato do André e da Carla foi assim. O meu e do maridão foi só o parmegiana, sem a massa.

Depois da comilança toda, os digestivos foram aclamados imediatamente!
Chegamos às 14h e fomos ficando... ficamos tanto que vimos o turno de funcionários ser trocado.

Ó o Frango aqui embaixo já sentadinho conosco, fora do horário de trabalho... 
Um salve especial pro seu Raimundo, lá do Piauí (de Pedro Segundo) que desmistificou uma lenda antiga: ele tinha ouvido falar que no Maranhão não tinha gente bonita, vocês acreditam nisso?
Ah não! Olha eu aí, morta de linda? Hehehe

Aqui é outro personagem da historinha: Jô, que também trabalha  lá e é amigo da galera. 
Achamos que não ia dar pra encontrá-lo. Ledo engano!
Ele chegou às 17h e nós nem pensávamos em sair de lá...

Para chegarmos  nessa etapa aqui, há um pequeno lapso de memória.
Bebemos tanto que não lembro de quase nada. Lembro de cenas isoladas. Corri pra ver na máquina e no celular pra tentar entender o que tinha acontecido. Acho que vocês assisitram "Se beber não case", ham? Pois é.  
Fomos tomar a tal da saideira no Zero Grau e sei lá, entende? 
Na foto, os atendentes "super pra cima" do bar. Sempre alto astral!

Não me perguntem nada além do que mostra essa foto. Não lembro!

Galera já calibrada e a fotógrafa também (eu!)

Vi que teve gente que até tomou água...

Acho que depois disso aqui viemos embora.


Peço ajuda aos universitários para recompor as cenas finais dessa história.
Não sabemos como pagamos a conta (e se pagamos!) no zero grau. Não identificamos nenhuma saída nas contas.
A coisa em casa depois de chegar e antes de dormir foi trágica. Melhor não comentar :)


Up date:
O André, cunhado, já montou parte do quebra-cabeças. Pagamos a conta sim...Ufa!

Comentários

André disse…
Bia, é o André (cunhado). A identificação pe sempre apropriada...rsrs...
Então, pagamos a conta sim, porém dividimos pelos casais e excluímos o Frango por motivos óbivios. Meu irmão pagou com um cartão preto (acho que do Itaú) da uma olhadinha lá....hahahhahahah....
Paulinha disse…
Eita que tu ficou devagar aí foi?? Roubaram teu copo e tu nem viu...heheheh olha na foto que tá vc e pintinho....cadê teu copo???? hehehehe
Eita Paulinha, foi só um movimento de mão... sei lá por onde andava o copo...

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…