Pular para o conteúdo principal

O novo. Linha 4 - amarela

A novidade chega e causa o maior frisson.
Tudo o que é novidade, todo mundo quer saber, quer experimentar, quer usufruir e espalhar por todos os lados que já conhece.
Até a coisa ir ficando morna, desbotando e caducar.
O metrô em São Paulo é uma coisa velha, quase caduca. Já tem 33 anos de operação e para muitos, estagnou no tempo. (ôpa, cabe ressalva de que coisas e pessoas com 33 anos estão caducas assim, como nessa frase, tá?)
Fico pensando nas pessoas que começaram a usar esse veículo quando inaugurou. A chiqueza que era...
Hoje o pobre metrô já não suporta mais tanta gente, já não consegue andar na velocidade de outrora e a todo momento "para para aguardar a movimentação do trem à frente". Um horror.
Em algumas estações é um verdadeiro suplício. Sinto que deve ser mais ou menos naquela linha a entrada no inferno, só que ao invés do organizador de embarque, tem os assistentes do capeta empurrando todo mundo tipo os chicoteadores do metrô do Japão.
Quando tudo estava perdido em termos de Metrô e novidades, a Linha 4 - amarela- surgiu devagarzinho como quem não queria nada.
Pego a linha amarela todos os dias para vir a Pinheiros, que é onde trabalho. Para quem não sabe, Pinheiros é um bairro moderno, meio chique e caro. É para onde os novos ricos estão vindo e onde moram.
Tem gente rica, mas não tem ainda aquela "verve" de tradição. Fazendo um comparativo grosseiro, seria a Barra da Tijuca de São Paulo.
Pois bem, a Linha amarela ainda não funciona com toda a sua potencialidade. Só funciona de segunda a sexta das 4:40h às 15h, ou seja, posso vir por ela, mas não volto. 
As estações são mais bacanas, tem portas anti-suicídio, obras de arte, os trens são no sistema "driverless",ou seja, não tem "motorista", não há divisão entre os vagões, tem ar condicionado, enfim, são trens mais modernos.
São três estações funcionando e mais que de repente, houve uma invasão de pessoas utilizando. Eu conseguia vir sentada, em silêncio e em paz. Agora está impossível. 
Não só pela novidade, mas também pela facilidade e mobilidade que proporciona aos milhões de usuários que se espremiam em ônibus, igualmente velhos e caducos.
Como é novidade, todos os dias vejo as pessoas entrando e observando tudo, abismadas com o novo, com o fato de poderem se movimentar de um vagão a outro. Fico vendo e é impressionante todos virando para todos os lados em busca de mudanças, novidades e destacando diferenças com os outros trens.
Hoje escutei uma senhora falando para a filhinha: "Vamos andar no trem novo, ham? Agora preciso trazer seu irmão!"
A novidade é assim. 
Perturba. Excita...
Até virar normal...

Bom dia!


Comentários

Marcelle disse…
Parece coisa de provinciano, mas eu adoro andar de metrô. Acho que é pq eu nunca peguei em hora de rush...só pego na vida de turista...Mas acho que seria tudo se aqui em SLZ tivesse um arco-íris deles.
Eu também acho bacana Mamá. A questão é a coisa estar no limite, quer dizer, a cidade de São Paulo está no limite.
Para São Luís, seria um avanço e tanto. Pena nos vermos os dirigentes com essa visão.
Quem sabe em 20 anos?

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…