Pular para o conteúdo principal

Injustiça Social

O trabalho que faço agora me deixa diariamente muito desconfortável.
Explico.
Trabalho na análise das pesquisas que fazemos com vários públicos, que darão os subsídios para a elaboração do Plano de Marketing da cidade de São Luís.
É um trabalho inédito para mim.Também muito desafiador.
O problema é ler e assistir o que as pessoas falam sobre a tua cidade e ter que permanecer calada. Ter que aguentar o péssimo conceito que todos tem em relação à infraestrutura daquela Ilha.
Às vezes aceito. Outras quero gritar. Muitas outras fico triste e a maioria das vezes finjo não ouvir.
Após o estupro mental que sou acometida dia a dia, tenho que escrever em forma de relatórios oficiais o que essas pessoas falam, o que acham e como comparam as cidades do Brasil.
Uma injustiça. Injustiça Social, eu diria!
Um País injusto por natureza, com essas dimensões e que nunca pode tratar com igualdade seu povo e muito menos consegue manter um equilíbrio não pode ser considerado uma nação...
Com a chegada de D. João VI por aqui, foi escolhido o pedaço do território para privilegiar e para desenvolver. Sempre foi assim.
Os livros contam com riqueza de detalhes. É perceptível hoje em dia.
Passamos de monarquia para império com a parte centro-norte do país sem tomar conhecimento do que estava acontecendo, com uma população escravizada povoando grande parte do território.
Como podemos, mesmo hoje, cobrar desenvolvimento igualitário?
Até poderíamos, se tivéssemos desde sempre pessoas comprometidas com a educação e o desenvolvimento, mas não foi bem isso que aconteceu e não é o que acontece, você bem sabe disso, ocioso.
Só para exemplificar rapidamente, cobram um atendimento de excelência em bares e restaurantes em São Luís. Sim, o turista está no direito de exigir o que ele encontra na Noruega ou mesmo em Paris, mas como explicar para esse turista que o cara que o está atendendo (e a grande maioria), mal estudou até a quarta série do antigo primário e que isso influencia em todos os movimentos da sua vida, inclusive em falar palavras em inglês, em ter raciocínio lógico, em escrever uma comanda e entender de etiqueta?
Como lutar conta isso?
As ruas da cidade foram construídas quando a população era de duzentas mil pessoas. Para essa quantidade, a estrutura é compatível. Passaram-se muitos anos e nada foi feito.
Não acho que justificar seja a melhor solução. A solução é arrumar, mas enquanto isso, ouço tudo muito compenetrada e fico cá com meus botões, abismada com a ignorância e a arrogância das pessoas.

Se vivêssemos em um país justo, das duas uma: ou todas as pessoas do Brasil teriam as mesmas oportunidades e poderíamos cobrar igualdade em tudo ou as que tem a chance de viver e morar em lugares mais desenvolvidos, entenderiam que o país é cheio de contrastes e que o que se pode cobrar em um canto, não pode se cobrar no outro e que são essas diferenças que fazem desse imenso território um lugar rico e único. 


Peço licença para desabafar. Nada de ócio, viagens ou gastronomia.

Comentários

maria faz bolo disse…
oi,querida.eu te entendo.agora vou fazer de conta que estou sendo entrevistada pq estava hoje de passagem por sao luis.um caos.greve de onibus.professores ehospitais.hoje peguei um taxi,olha o turista aí,e o motorista nao quiz ligar o taximetro,pq ele ia cobrar o que ele achava justo.era pegar ou largar.nunca antes na historia desta ilha foi tao dificil viver aqui.uma tristeza,principalmente pra quem ama tanto um lugar como amo minha terra.bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,