Pular para o conteúdo principal

Farofa de ovo_comida diferenciada.

Em homenagem ao churrasco que vai rolar amanhã em frente ao Shopping Pátio Higienópolis, onde toda e qualquer gente diferenciada está convidada, meu segundo post na vida!





O ar frio da geladeira refresca o pensamento e fico imaginando o que posso criar para satisfazer a leve fome após uma noitada de muitas gargalhadas com as meninas num barzinho da cidade. Às 2 da manhã não pode ser qualquer coisa, afinal sempre estou de dieta entre os níveis grave e gravíssimo. Quem me conhece sabe.

No barzinho das gargalhadas, tem sempre um buffet interessantíssimo com as mais variadas opções de antepastos e afins. Gorgonzolas, camemberts, tomates, cebolinhas, picles, patês, pães e embutidos fazem a cabeça dos mais exigentes no paladar. Impossível sentar, pedir uma bebida e não ficar tentado em beliscar um “Roquefort” levemente úmido... Mas o que acontece é que com essa dieta grave, preferi não ceder à tentação e reverter essa possibilidade em mais um balde de long necks sem culpa. Isso sim é uma tentação irresistível.


Mas voltando à leve fome da alvorada, o que inventar as duas da manhã? Talvez um suco ou quem sabe meu velho mate gelado...Não sei...
Eis que à direita, lá estão eles à minha espera...todos branquinhos e obedecendo a ordem natural das coisas: sempre prontos para incrementar algo não necessariamente interessante ou satisfazer uma vontade passageira de matar a fome. São conhecidos como “bife do olhão” pois cumprem muito bem o papel de refeição principal substituindo um suculento bife para os menos endinheirados ou ainda para aqueles não muito afeiçoados à cozinha, “patchá” pela praticidade e rapidez em fazê-lo, disco voador pelo formato após frito, enfim... se não fosse tão popular não exisitiriam tantas denominações...


Um ovo frito com margarina (com óleo não fica bom, garanto!), uma pitada de sal, mexido com tomate, cebola e pimentão bem picadinhos e finalizado com uma boa farinha, é uma solução infalível para qualquer das horas. Pare para imaginar: duas da manhã, a cabeça levemente feita com as dezoito long necks da noite (dessas, só seis sem culpa!), uma leve fome pré-ressaca e uma dieta nível grave. Que dúvida cruel: invento uma farofa de ovo ou durmo assim, com fome seguindo minha alimentação de líquidos???? Melhor dar uma volta ali no quarto para desopilar a cabeça e esquecer tudo isso. Ao dormir, passa a fome 
mesmo...

No quarto, abro o guarda-roupa para olhar algo que não sei o que é querendo lembrar de fatos que me façam esquecer a danada da farofa de ovo, mas o ponteiro do relógio vai e vem e nada de esquecer a farofa nem tampouco a fome.
Reflexões pós-álcool me dizem que não há problema algum em comer uma farofa às 2 da manhã, afinal, ninguém irá perceber a ingestão de algumas calorias a mais, mas ao trocar a roupa de festa pelo velho baby dol noturno, olho no espelho e reforço a necessidade de uma dieta nível grave! Ai, ai, ai, agora acabo de ver uma sobra de arroz, um desfiado de frango e ainda umas salsichas. Meus pensamentos agora transpassam a simples farofa descrita acima. Já penso em tudo isso junto formando um prato muito conhecido por bebedores oficiais: o R.O.


Tudo bem gente! Assumo que não resisti e ingeri perto de 1000 calorias...Algo aproximado à metade do que necessito ao dia...
Mas quem resiste a boa e velha farofa de ovo? Principalmente quando ela ganha outros ingredientes e muda para status de nova gastronomia, rsrsrs? O resto de ontem (R.O) pode sim, ser uma boa alternativa para as horas de desespero e insensatez, mas afinal quem nunca passou por isso que atire a primeira pedra. Dormi como nunca.
Manhã seguinte: 01 hora de esteira!!!

Comentários

Sabrina disse…
Hummm... adoro farofa de ovo! Eu nunca conseguia fazer igual à da minha mãe, mesmo usando todos os ingredientes que ela usava, até que um dia, descobri por quê... fui prestar atenção ao preparo, e descobri o tanto de manteiga que ela coloca! É quase um pote! Continuo não fazendo igual pois a dieta (que deveria ser) nível grave não deixa! Como na casa dela mesmo! Hahaha! Beijos, querida!
Sabrina querida, pois o segredo é esse mesmo: a margarina! Adoro também. Ai que delícia. Essas dietas acabam com a gente, né? Um super beijo pra você também.

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…