Pular para o conteúdo principal

Bar Tubaína

Fomos ao Tubaina, bar com uma proposta diferente, que aproveita a onda retrô que rola pelo mundo a fora.
Essa onda traz consigo um "quê" de cool às coisas consideradas bregas em outros tempos.
Fica na Hadock Lobo, há umas três quadras da Paulista. Há tempos queria ir lá, mas esperei os hóspedes chegarem para aproveitar o momento.
O Bar é transado, bacana, diferente e os atendentes não me pareceram muito introsados com a filosofia do bar, parecem na verdade, que saíram de um filme de punk rock. 
Não as achei atenciosas nem simpáticas e sim, muito normais. Pela proposta da casa, achei que a coisa seria mais intimista...
Como o próprio nome diz, eles elevam as famosas Tubaínas a categorias de bebidas gourmet e isso acho muito interessante.
Ao longo da minha vida, sempre gostei de experimentar o que cada cidade tem de peculiar e as tubaínas são sim, elementos importantes, principalmente em pequenos centros. Quem não gosta de experimentar o que os moradores costumam tomar? Eu gosto!
O que caracteriza um refrigerante como tubaína, além do caráter regional é o preço mais acessível em relação às marcas comerciais mais vendidas, digo coca-cola e similares.
O refrigerante frevo, por exemplo, que já tomei em Recife várias vezes, pode ser considerado uma tubaína, por esses dois elementos.
A palavra tubaína surgiu quando, há muitos anos, uma pequena fábrica do interior de São Paulo passou a vender um refrigerante usando vasilhames de cerveja com o nome de Tubaína, que acabou virando sinônimo de qualquer refrigerante fabricado por pequenas empresas ou de apelo regional. Muito além da tradicional tríade cola, guaraná e soda, as tubaínas arriscam xaropes de laranja, uva, groselha e tangerina, chegando até mesmo a sabores mais exóticos como abacaxi e abacate. (Daqui)
Para os ociosos maranhenses, vale a lembrança do velho Baré Cola e Baré Tutti-Frutti, ham? Hoje temos o Psiu (que deve ter uns 15 sabores), River e muitos outros.
Sobre o Refrigerante Jesus, considerado uma Tubaína por muitos e inclusive pelo próprio bar, tenho algo mais a falar. Discordo desse enquadramento!
Em agosto do ano passado, em reunião de trabalho em São Luís, conversei com o gerente comercial da RENOSA, atual distribuidora da Coca-Cola e do Jesus do Maranhão e ele foi categórico: o Jesus e o Inca Kola (refrigerante peruano) são os únicos refrigerantes distribuídos por eles que conseguem vender mais que a coca ao preço da coca-cola e essa é a diferença!!! 
Os refrigerantes populares tem preços mais baratos e talvez por isso vendam mais. Para o Jesus, isso não vale.
A relação dos maranhenses com essa bebida vai muito além de uma mesa de bar ou de um almoço de domingo. Vem da mamadeira, por mais absurdo que isso possa parecer!


Na longa caminhada para o Tubaína. Paulista.

No banheiro feminino. Lembro bem dessas fotos.

Banheiro masculino. Queria ver esse menininho hoje em dia, hehe.

Banheiro com ar retrô.

Papai tem uma cristaleira parecida com essa e não quer me dar...Hunf!

Mamá e maridão dando uma bisurada no cardápio.

Igor e Mamá.
As cervejas no bar  não são lá essas coisas. Não agradam meu paladar. 
Mamá pediu Erdinger e Igor Heineken.

Confesso um certo cansaço a essa hora. Desde cedo batendo perna...

Eu tive que tomar uma Heineken... Maridão apaixonado por um Campari, resolveu logo.
Só ele é assim.

Ai Jesus! é um drink com Guaraná Jesus. Vou fazer aqui em casa, já que tenho todos os ingredientes, hehe.
Não experimentamos. Dá pra ver o preço?

Sabe aquela garrafinha de 250 ml que custa 1 conto de réis na Ilha? 
Pois é, custa esse precinho aí de cima.


A história do bar.

Achei muito interessante a proposta do bar.
Mesmo com algumas críticas, acho que vale a pena conhecer!
Tubaína, rua Hadock Lobo, 74.

Comentários

DaniLima disse…
#pegueiadica! rs
já está na minha lista!
tu fostes no Barnaldo?
A Andarilha disse…
Mirmã! Que lugar carinho...
De qualquer forma, a dica foi anotada!
Tô tentando me organizar e se td der certo vou visitar Sampa no fim de junho ou início de julho.
Fazer umas comprinhas na 25 de março e conhecer uns locais bacanas!
bjs
Dani ainda não fui no Barnaldo, que há tempos leio dicas sobre o lugar, mas não demora muito passo lá. Até passei outro dia, mas era cedo e estava fechado... VAi sim no Tubaína. É bacana...
Andarilha querida, vem mesmo! Te dou dicas ótimas... tei blog vai ficar recheadinho de news...
Marina disse…
Biia, muito bacana as suas informações.E adoreeei o Graraná Jesus.. bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,