Pular para o conteúdo principal

Pousada Vila da Prainha_Ilhabela

Não conhecer o lugar e escolher tudo via internet é sempre uma loteria.
Quantas vezes não escolhemos diversos produtos via internet ou até mesmo em catálogos e quando vemos... a coisa decepciona?
A Pousada que ficamos em Ilhabela, escolhemos pelo site, sem muito critério. Googlamos e na lista sugerida, fomos clicando...
Eu não conhecia nada e pouco me importava ficar na Praia do Julião ou no Centro. Escolhemos pelo colorido e pelas descrições. A localização não foi o essencial.
Por ser carnaval, os preços estavam um tanto inflados, apesar de Ilhabela ser um recanto de gente "granada" e todo mundo saber disso.
A Ilha é grande e as praias vão se espalhando ao redor dela (sic), ficando o centro (Vila), não no centro propriamente dito, mas a Noroeste.
Ficamos hospedados na Praia do Julião, pequeniníssima faixa de terra com um barzinho de apoio. Da pousada precisa-se atravessar a rua e descer uma ladeirinha (ver fotos abaixo). 
Praia diferente das do Nordeste, que costumam ser aquela imensidão de areia e mar. No Julião existem pedras, morros e ilhotas ao redor.
Mas voltando à Pousada, sim, gostei bem dela, embora prefira de uma próxima vez, ficar mais perto do centro e não precisar de carro para me deslocar para coisas básicas como comprar algo no mercado, reforçando aquela velha opinião: é no centro que as coisas acontecem e praia é programa. Dá pra ir de carro!
Da pousada também dava pra ir a pé para a Praia Grande, praia mais popular e um pouco maior, que também fomos e gostamos mais do preço. As long necks custavam R$ 3,50, ao contrário na do Julião que era R$ 5,00.

Mapinha roubado da intenet. Dá pra ver bem.

São 14 Uh's. Ficamos embaixo para nossa sorte. 
Não gosto de ficar em cima com esse tipo de estrutura. Faz muito barulho... hehe.

Colorido e frio (de tempo e não de hospitalidade).

A porta que está aberta é a recepção.
Todos os recepcionistas muito simpáticos e atenciosos.

Muito verde no meio da pousada.

A piscina decepciona um pouco, mas quebra um galho.
Não utilizamos churrasqueira nem bar. Levamos um isoporzinho pra manter a bebedeira em dia.

Aqui é o espaço gourmet com churrasqueira.
Bem rústico, mas agradável.

Esse espaço você pode reservar e utilizar como achar melhor.

Por causa do verde e do tempo, achei a pousada um pouco úmida.
É a desvantagem de ter uma estrutura com muita madeira.

Não entrei na piscina nenhum dia sequer. Morrer de frio? Jamais!
Os meninos usufruiram bem, apesar do reclamarem do tamanho.

Adorei essa cadeira. Quero uma quando tiver um jardim!

Em cada apartamento tinha um guarda-chuva na porta e repelentes elétricos.
Achei muito simpático essa ideia do guarda-chuva.

A pousada fica no lado oposto de onde estamos, na altura do estacionamento com mais carros.
Para a praia do Julião, 3 min.

Chegando aqui, é só descer a rampa e chegar na praia, que claro, merece um outro post!

Para acessar a pousada, aqui!

Comentários

Leticia Guilhon disse…
Tia (kkkkk...pra lembrar os tempos de faculdade) Já sei da existencia desse Blog há muito tempo, mas nao sei pq aproveitei um marasmo no trabalho e comecei a ler TODOS os posts...hehehehhe...a cada post ums surpresa...muito boa por sinal! Bjinhos da sempre aluna.
É isso aí! Tem tempo livre? Passa aqui, hehe!
Que saudade dessa aluna querida meu Deus!
Sei que agora é chef, então porque não faz uma comidinha especial e manda para nós? Porque não se torna a chef oficial desse bloguito, heim?
beijos muito saudosos...

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…