Pular para o conteúdo principal

O Big Brother, Daniel e eu

Só assisti ao primeiro Big Brother. 
Depois daquele, nunca mais! Acho chatíssimo. Não vejo a hora de acabar.
As discussões criadas ali por aquelas "amebas" não me acrescentam em nada e o Brasil já tem celebridade de sobra, na minha opinião.
Dia desses eu estava pesquisando no computador sentada na sala e o programa rolando... Maridão assistindo na falta de outra coisa boa na tv...
Um sotaque pernambucano me chamou a atenção e eu fiquei vendo aquela figura engraçada lembrando dos meus inúmeros amigos muito parecidos com ele: gays, divertidos e humanos.
Desde esse dia até ontem basta ele aparecer na tv pra eu morrer de rir. Ontem ri tanto que chorei. Pergunto pro maridão: "Hoje tem festa no Big Brother?" E se a resposta é sim, já me animo.
O que sempre me desanimou nesse programa é o povo votar e ter que justificar. Porra, mas não é um jogo? Então tem que votar! Pra que essa frescura de voto em fulano e cicrano por que não tenho afinidade... coisa chata!
E essa de parecer bonzinho também me dá preguiça. Acho que por isso achei esse participante muito a minha cara.
Ele chora, ri, bebe (muitão), amanhece bêbado, tem ressaca, dança, pula, grita, sonha, tem saudade, tem paixões, uma missão social, tem inveja, fica de mau humor e por isso, é totalmente normal. Isso mesmo: gente como a gente!
Ele é o maior barato e quando ele não aparece no programa saio da sala, vou escovar dentes, arrumar alguma coisa. É só ele aparecer que saio correndo pra ver sua performance.
Um grande amigo disse que sou "friendly" (em função do grande número de amigos gays) e talvez por isso goste tanto dele. Ele não é um gay afetado, cheio de "fru fru", caras e bocas, e assume que gosta de homem. Ele é uma pessoa como outra qualquer, só que com muitas doses de humor a mais. Simplesmente o máximo! 
O sotaque é um show à parte (que também adoro), embora nesse quesito ele perca para o maridão, que imita as falas dele como ninguém e que também garante uma sessão de humor em casa diariamente.
Espero que ele ganhe. Espero ainda vê-lo muitas vezes, embora torça pra essa chatice acabar logo. Conheço várias pessoas que também só assisitem por causa dele. Ele não deve saber do seu poder de fazer as pessoas rirem, mas vai saber, ah isso vai!

Comentários

a tá, nessa minha nova fase mãe, durmo as 20h30 no máximo as 9h e Mavi acorda as 23h, e asvezes entre uma mamada e outra, dou um pulinho na sala e assito ao bbb, esse daniel é uma figura.
Morro de rir, até me engasgo com as loucuras dele, e é verdade ele parece ser de verdade, normal.
Então tá, e agora quando é que tu vai passar pelo meu blog sua sinica..MAVI ta linda fez 1 mês sábado!!
Bjosssssssssssssss
Dona Karen
Anônimo disse…
É o DANIEL ... MEU MUSO hahahaha adorooooooooooo !!!
Beijos cheios de saudade, Teresopolis
Dani M. disse…
Oi Beatrice, sempre vejo seu blog e agora que meu marido é estagiário do cazumbá também leio suas crônicas no jornal. Hj não resisti e comentei pois concordo completamente com vc. Adoro o daniel, quando ele aparece eu rolo de rir. Estou torcendo muito por ele, eu que pouco assisti desse big brother ja fico com dó de não ve-lo mais em alguns dias.
um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…