Pular para o conteúdo principal

Onde é melhor_São Luís

Postei aqui semana passada a matéria da Revista Viagem e Turismo sobre São Luís.
Agora publico a seção "Onde é melhor", aquela seção que fica ao final da matéria e dá as melhores dicas para o leitor, tipo aquela agência que deu um passeio, o restaurante que promoveu um jantar etc e tal...
Como eu falei, a matéria é muito verdadeira e fala tudo na cara, sem o romantismo mentiroso da maioria das matérias turísticas. 
Reparem que ele fala bem e fala mal. Detona muitos atrativos e espalha para o mundo que nossas praias estão poluídas. Hunf!

A matéria é do Otávio Rodrigues e as Fotos são do Marcio Vasconcelos.
______________________________________

Ficar 


O mais elegante é o recém-inaugurado Hotel Luzeiros (Rua João Pereira Damasceno, 2, Farol de São Marcos, 3311-4949, luzeirossaoluis.com.br, diárias desde R$ 381; Cc: A, D, M, V; Cd: M, R, V), com quartos espaçosos, cama queen-size e TV de LCD. Fica próximo a dois cartões-postais - a praia da Ponta d’Areia e a Lagoa da Jansen -, área repleta de opções de hospedagem, algumas menos chiques e mais em conta. Por exemplo, o também novo em folha Veleiros (Avenida dos Holandeses, Ponta d’Areia, 2109-3000, diárias desde R$ 115; Cc: A, D, M, V; Cd: M, R, V), de quartos com janela antirruído e, em cada andar, uma sala com ferro e tábua de passar roupa. Evite as pousadas do centro histórico: apesar de um certo charme à primeira vista, têm serviço precário e, à noite, as lindas ruazinhas são tomadas por viciados e gatunos de ocasião. Em Alcântara, a pousada La Maison du Baron (Rua do Sossego, 10, 3337-1091, lamaisondubaron.com; diárias desde R$ 140), um casarão restaurado e mobiliado em estilo de época, com quartos enormes, camas com baldaquim e dossel, ar-condicionado, TV de LCD e uma varanda que dá para o quintal, onde se desfruta de paz e refeições. Dois quartos têm banheira de hidromassagem. 

Comer 

Xico Noca (Rua 27, quadra 17, nº 24, Angelim, 3236-9059). Entre os pratos tradicionais, arroz de mariscos, caruru, casquinha de caranguejo, torta de camarão e cuxá (à base de camarão seco, farinha e um tipo de verdura azedinha). É esse também o cardápio básico d’O Capote (Avenida Principal, 3, Praia da Raposa, 3229-1512; Cc: A, D, H, M, V; Cd: M, R, V). Fica a cerca de 28 km do centro, mas sua famosa lagosta na brasa compensa a jornada com folga. O Cabana do Sol (Rua João Damasceno 24-A, Ponta do Farol de São Marcos, 3235-2586; Cc: A, D, H, M, V; Cd: M, R, V) serve um pouco de tudo, além do típico. Para refeições vegetarianas, o Naturista (Rua São Pantaleão, 147, centro, 3221-0318; Cc: D, M, V; Cd: M, R, V). E não deixe de conhecer o Cachorro-Quente do Souza (estacionamento da Praia Grande, centro histórico). É um trailer cercado de mesas e cadeiras num canto escuro e malcheiroso, demora para atender e para servir, mas funciona até altas horas e vive cheio de gente. É uma instituição de São Luís e inspirou até um livro, O Monstro Souza, de Bruno Azevêdo, que traz a história de um cachorro-quente que ganha vida ao ser atingido por um raio. 

Passear 

O centro histórico é ótimo para lacear o sapato, subindo e descendo ruazinhas e escadarias (faça isso durante o dia, quando o comércio está aberto e há maior movimento). Mesmo os casarões em mau estado - e não são poucos - intrigam e comovem. O roteiro deve incluir o Tea­tro Arthur Azevedo (Rua do Sol, 180, 3218-9900), o Museu Histórico e Artístico do Maranhão (Rua do Sol, 302, 3218-9920), com peças de mobiliário e objetos dos séculos 19 e 20, e o anexo Museu de Arte Sacra. Logo ali fica a Fonte do Ribeirão (entre as ruas do Ribeirão, dos Afogados e das Barrocas), do século 18, com suas carrancas esculpidas em pedra. A Matriz da Sé (Praça Dom Pedro II, 3222-7380), construída por jesuítas, tem o altar-mor revestido de ouro. A Casa de Nhozinho (Rua Portugal, 185, 3218-9951) homenageia a obra desse artesão, célebre na arte da talha de buriti e em miniaturas do auto do boi, entre outras peças da chamativa cultura popular maranhense. No Palácio dos Leões(Avenida Dom Pedro II, 3232-9789), fortaleza construída pelos franceses no início do século 17, hoje funciona a sede do governo estadual. Alguns salões com móveis de época e obras de arte podem ser visitados. Seguindo pela Rua da Palma chega-se à Igreja do Desterro (Largo do Desterro), que ocupa o local da primeira capela construí­da na cidade. O cenário é arrebatador. Perto do Mercado Central, sombreada pelas árvores, a Fonte das Pedras (Rua Antônio Rayol). Para um mergulho na cultura afro-brasileira, a Casa Fanti-Ashanti (Rua Militar, 1158, Cruzeiro do Anil, 3225-1078), terreiro comandado por Euclides Menezes Ferreira, um dos mais renomados pais de santo do Brasil. Ligue antes de ir. Na Avenida Litorânea, a calçada generosa convida a boas caminhadas e muita água de coco. Mas não se empolgue: a orla é superpoluída, incluindo a areia. Uma exceção é a Praia do Araçagy, a 25 minutos do centro. Nada é perfeito: ali ainda se permitem circulação de carros e som de porta-malas com pagode-bunda em alto volume. Seguindo adiante outros 20 minutos vem a Praia da Raposa, lugar para passeios de barco entre mangues e dunas (Janiotur, 8827-6201). Não deixe de visitar Alcântara, do outro lado da Baía de São Marcos (lanchas partem diariamente do cais da Praia Grande). Paradíssima no tempo no que diz respeito à arquitetura e ao progresso da população, a faustosa cidade dos séculos 18 e 19 hoje acomoda uma base de lançamento de foguetes que, para ser construída, expulsou moradores e estimulou o surgimento de favelas. Convém ter um guia para os passeios por lá e não zanzar à noite. Vá até a Ilha do Livramento (8127-1524), diante de Alcântara. Dona Mocinha, sua única moradora, planeja construir ali um misto de pousada e spa. Combinando, ela manda o barco. Tudo está em formação, mas dá para comer um peixinho fresco feito na hora. Para ir além de São Luís e Alcântara, há um bom cardápio de excursões em agências locais como a Uimar Jr. Turismo (3227-2369).



Agitar 

As radiolas não têm endereço, vivem de lá pra cá. A caça começa à noite, quando as maiores e mais poderosas divulgam a agenda da semana nos programas de rádio. Sintonize as FMs Cidade, Difusora e Mirante e fique ligado nas Itamaraty, FM Natty Naifsom, Black Power e FM do Clubão. Muitas festas acontecem em locais distantes e mal policiados; por isso é um programa bom de se fazer com alguém da cidade (sobre como se enturmar, ficamos devendo). Uma alternativa é pegar o reggae de beira de praia no Chama Maré (Avenida São Marcos, 8, Ponta d’Areia, 8125-2423). Começa às 17h de domingo, com o pôr do sol mais lindo da ilha, mas esquenta mesmo a partir das 21h. Os DJs Neto Miller e Ademar Danilo (o dono) atraem a galera tocando sucessos de todos os tempos e não apenas os hit parades. O Bar do Léo(Rua 104, Hortomercado do Vinhais), com seu admirável acervo de discos, fotos e objetos de época exposto como em um museu. Quem se interessa pelos tesouros da música brasileira fica amigo do Léo na hora. Vá de táxi: tem cerveja geladíssima e cachaças especiais. As barracas de praia da Avenida Litorânea têm comida, bebida, música ambiente e ao vivo. Por favor, faça o toalete completo antes de ir: banheiros à beira de praia acabam poluindo o solo e a água.

Comprar

Em matéria de artesanato, o comércio no centro histórico tem mais variedade, alegria e preço que o Ceprama, outrora um entreposto cheio de vida, hoje um galpão decadente e lúgubre. A Arte Indígena (Rua do Giz, 66, loja 3, 3221-2940) reúne trabalhos de tribos do Maranhão, em especial bolsas e cestaria com trama de buriti, colares e outros adereços. Na Ilha Bela (Rua Portugal, 248, 3222-5015) e em outras lojas na mesma rua há coisinhas típicas, de camisetas a miniaturas. O Ateliê Mão na Massa (Rua de Nazaré, 264, 3232-5957) produz janelinhas coloniais de cerâmica. A Rodrigo CDs Maranhense (Rua João Vital, 42, 3232-4799), no singular mesmo, tem artistas da terra, bumba meu boi, tambor de crioula e outros sons que não existem na internet. Na Casa das Tulhas (Rua da Estrela, 184) e noMercado Central (Avenida Magalhães de Almeida) encontra-se o comércio mais autêntico, que vai do peixe fresco a cachaças, peças de ferro fundido e um sem-fim de bugigangas. Vale a pena a jornada de 40 minutos para conhecer as rendeiras da Praia da Raposa, que parecem ter saído de alguma praia do Ceará - e saíram mesmo! Há algum tempo algumas famílias subiram o litoral e se estabeleceram ali. Hoje a principal rua da vila é um presépio de toalhas de mesa, camisas, saias e vestidos de renda de bilro, tudo exposto na varanda de casinhas simples que bem podiam ser de boneca. A gente entra e conhece a artesã ou o artesão (há bons deles por lá), vê o trabalho que dá fazer, por exemplo, um caminho de mesa... Valem cada centavo - tente não regatear. Para fechar, a Catuaba Composta, a Bom Que Dói, a Colinense e outras bebidas e pimentas produzidas artesanalmente por seu Tonico Santos, pai de Zeca Baleiro. Encomendas pelo e-mail catua bacomposta@hotmail.com.

Comentários

Anônimo disse…
Oi B,

Essa matéria esta na "viagem e turismo" desse mês? Perdi o começo...ou não lembro se li, me fala para eu comprar.

Bjocas,

Josi
Sim amore, isso mesmo. Capa: A vida boa nos Resorts de praia.
Corre e compra. Tá linda!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…