Pular para o conteúdo principal

Adesivo na geladeira: Amor meu grande amor



Era uma vez...
Uma girafinha muito sapeca chamada Aparecida.
Andava meio chateada ultimamente porque não conseguia achar uma girafa macho que lhe fizesse companhia.
Seu melhor amigo, por incrível que pareça, era uma formiga chamada Josimar - que ganhou esse nome depois que o jogador de mesmo nome marcou um golaço na copa do mundo de 1986. O formigueiro todo vibrou e sobrou pra ele o nome mais diferente, já que seus amigos se chamavam Cacá, Memê, Didi, Totó, Lulu...
A diferença de tamanho entre eles atrapalhava um pouco. Quando tinham que trocar “uma ideia”, a formiga levava até 10 minutos para chegar na cabeça da Aparecida, pois só assim o Josimar conseguia ouvi-la.
Como a Aparecida sempre queria comentar alguma coisa corriqueira e o “Jô” tinha que ajudar nos serviços do formigueiro, a conversa dos dois tinha que ter hora marcada e a pobrezinha muitas vezes não lembrava de tudo que queria ter fofocado com o amigo. Memória fraca, a Aparecida tinha...
Lamentava-se também porque uma formiga jamais entenderia os problemas de uma girafa, assim como ela não conseguia entender os problemas do Josimar. Ela queria mesmo era um companheiro Girafa!
Tentou ficar amiga do hipopótamo, mas ele era muito preguiçoso e só queria ficar dentro d’água. O macaco Tonhão, um saliente de “marca grande”, ficava apelidando a girafinha e ria do seu batom vermelho e da mania de ter sempre uma acácia na boca. “Só outra girafa entende quando falo de torcicolo”, pensava Aparecida, no alto dos seus 5 metros.
E assim Aparecida foi ficando triste porque ninguém a entendia.
Chegou a flertar com outros bichos conterrâneos, mas não teve sucesso. Todos reclamavam da sua altura, dos seus hábitos ruminantes e da sua aparente calma, que refletia um “certo ar de superioridade”.
Mudou de ideia e jogou charme para outros bichos tropicais, mas a experiência foi muito pior. O veado era machista demais e o tatu não conseguia chegar a um lugar alto para poderem conversar. Insistia em se enfiar em buracos cada vez mais fundos.
Esse caso era muito pior que o do Josimar.
E aparecida foi ficando sem esperanças, sem brilho e nem passava mais batom. Se pelo menos pudesse voltar para a África...
Eis que num lindo dia de sol, Aparecida foi avisada por Josimar que corria a boca pequena que tinha bicho novo no pedaço e todos desconfiavam de ser uma girafa, dado o tamanho do caminhão que tinha saído para buscar. As esperanças da pobre girafinha se renovaram... “Pelo menos alguém pra conversar de igual pra igual”, falou animadamente para o amigo formiga.
E sem muita demora chegou Cauby, um bon vivant de carteirinha!
Chegou cantando “Conceição” bem baixinho, mascando umas folhinhas e na mesma hora soltou um risinho para Cida. Cida correspondeu e foi logo passar batom para ficar mais apresentável.
O tempo passou, os dois começaram a conversar e o Cauby foi se envolvendo.
Cida, por sua vez, já estava meio balançada, mas preferiu ficar na dela e esperar o pedido oficial.
Cauby não conseguia acreditar como poderia existir uma girafinha com tanta afinidade assim. Ficou até com medo de acreditar que aquilo estava acontecendo.
O Zoológico ficou pequeno para os dois.
Josimar se sentiu meio rejeitado depois da chegada de mais uma girafa do zoológico, mas entendia a paixão que os dois estavam sentindo e dava forças para Cida se enrolar de vez com Cauby.
Naquele momento Aparecida já não reclamava mais de nada. Não sentia fome e nem lamentava a falta de amigos. O Cauby a entendia e a deixava mais segura, até que chegou o dia em que no alto dos seus também 5 metros, o Cauby chegou bem pertinho da orelha de Aparecida e disse:
- Eu amo você!

E olha onde vieram parar?


Aqui!

Primeiro o Cauby

Depois a Aparecida

O amor...

Geladeira mais owunnnnn!!!!!! da blogosfera, hehe

Comentários

Anônimo disse…
Genteee que coisa mais lindaaaa esses adesivos, ops cida e cauby, adorei!!

Bjos,

Josi
Hehe, uma geladeira apaixonada...
Aline disse…
Tão meigo! Adorei.
Marcelle disse…
Adorei o texto, o adesivo, Italo decorando o apto...
DaniLima disse…
ai q liiiiiiiiiiiiiiiiiindo!!!
amei...amei...amei!!!!!!!!!!!
Deus abençõe a união de vcs, ops, das girafas... kkkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…