Pular para o conteúdo principal

Dias de Folga

"Como é bom ficar sem fazer nada e depois descansar"

Já devo ter escrito isso aqui umas trocentas vezes, mas não me canso de repetir e de fazer o que essa frase prega. Vai gostar de ócio assim, lá no Maranhão, vou contar!

Tivemos uns dias de folga agora no início dessa semana.  Não deu pra fazer muita coisa. Se estivéssemos com o orçamento em dia, vai lá, mas na entresafra entre o reveillòn e o início oficial do ano, é duro, duríssimo!
O dinheiro só tá dando pro mercado, mas como a vida é cheia de fases altas e baixas, momentaneamente estamos na baixa, coisa passageira, é claro.

Nesse período de baixa, aproveitei para dormir um pouco, assistir os programas matinais da merda da tv aberta e fomos fazer umas coisinhas diferentes à tarde.
Quem diria, heim? Mas na terça fomos dar uma volta no centro e aproveitamos para comprar uns vinis. Contei que temos uma vitrola aqui no apzito? Pois é. Um amigo queria se livrar e abocanhamos o presente "com mais de mil".
Marido tem vários e estavam aqui paradinhos, mas com muito potencial, hehe. Potencial de fazer muita gente feliz e também de animar muitas festas e encontros despretensiosos.

Desde então estamos nos inebriando de boas canções. Cada sábado temos ótimos motivos para ficar tomando uma cervejinha em casa. Como diz o marido, "isso de trocar do lado "a" para o lado "b" é du caralho".

Eu, carnavalesca que sou, só comprei samba. Comprei três de samba enredo do Rio de Janeiro (dois da década de 90 e um da década de 80)  e um da Alcione de 1995 (até o Altemar Dutra canta com ela) e marido comprou Plebe Rude de 87 e clássico do Oswaldo Montenegro, também da década de 80/90.

Hoje amanhecemos ouvindo os sambas do Rio e fazer nossa caminhada de todo sábado foi mais gostoso. Eu estava embalada ao som frenético do carnaval e nem parecia que já tem trabalho segunda...
Armário do marido: vinis, livros e cd's.

Os vinis mais de perto. 
Tem algumas raridades aí, como o "Violeta de Outono" (87), "Golpe de Estado" (88), "Viper" (89), "Morbid Visions" do Sepultura (segundo play da banda/86), "Motörhead" (82), "Terço" (de 73), "Mulheres Negras" (90) e o do Ira (Psicoacústica) de 88 que já antevia a terceira dimensão.

Aqui as raridades do marido. World Music para todos os gostos!!!!!

Aqui, Banda Taffo (90), o primeiro do Living Colour (88) e New Model Army (91). 

Esse aqui não tem pra ninguém: Pink Floyd (The division bells) com disco azul!!!!!
Fala sério, conhece alguém com algo parecido? Tá bom, me liga pra dizer.


Maridão com óculos 3D, com uma raridade (pra quem gosta do Ira!, é claro!) 

Olha a vitrolinha aí... Eatávamos ouvindo há pouco Marisa Monte


Na quarta fomos almoçar com um  amigo na Lanchonete da Cidade, famosa e icônica casa de lanches daqui. São hamburgueres e maioneses feitos pelo próprio estabelecimento. Caro e cheio de gente bacana.
A entrada mais famosa é a batata rústica com alecrim. Não dá vontade de parar de comer nunca mais.
São diversos os sanduiches gourmet e um dos cachorros quentes mais premiados de São Paulo. Comemos um novo, Bombom prensado com mussarela de búfala e batata frita em espiral.
Coisa básica, necessária pra ter dignidade numa tarde de quarta-feira.

Sanduiche Bombom A La Presse da Lanchonete da cidade. Hummmmmm....

Saímos da Lanchonete e fomos assistir "A Suprema Felicidade" do Jabor. Filme saudosista e autobiográfico.
Eu gostei mais ou menos (mais pra mais) e o marido gostou bem.
De qualquer forma, indico!

Comentários

maria faz bolo disse…
oi,querida.passei um email pra vc.leia.ei,diz pro marido gravar um k7 do viper pra mim.please.e sim,eu achei a suprema felicidade do jabor muitoooooooooo,chata.bjos.
Lois disse…
Caraca Bia, fiquei aqui louca para fazer uma visita para conferir de perto estes vinis...o do Pink Floyd deixou qualquer fã com uma invejinha branca (o Karl tem em Cd, em vinil realmente não tem p ninguém-hahaha)...os do Ira, Living Colour, Motörhead, Sepultura tudo!e suas escolhas de samba sem comentários,em sintonia total com o carnaval q mora dentro de vc hein?adorei os vinis de sua vitrolinha...bj

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…