quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Biscoitos de limão


Essa é para fazer para o Reveillòn, como prometi a Louis, querida ociosa que de vez em quando aparece fazendo uns ótimos comentários por aqui.

Os biscoitinhos são deliciosos e o limão dá um charme bem especial. Podem ser utilizados para um chá da tarde ou mesmo para acompanhar um cafezinho quente.

Massa básica:

200 g de farinha de trigo
100 g de manteiga (não deve ser margarina)
3 colheres de açúcar refinado
1 ovo
1 colher (sopa) cheia de raspas de limão
+ ou - 2 colheres (sopa) de água (se precisar)
Folha de papel manteiga ou alumínio

Modo de preparo:
Junte a farinha de trigo, o açúcar, a manteiga, o ovo e as raspas de limão e comece a amassar. Vá juntando água aos poucos (se você perceber que precisa) até que a massa solte das mãos. Forme uma bola. Cubra a massa com filme e leve à geladeira por 30 min para que a massa se solte mais facilmente na hora de abrir. Corte metade da massa para abrir e deixe a outra parte na geladeira para abrir quando terminar a primeira parte.  Coloque a massa sobre uma pedaço de papel (manteiga ou alumínio) e cubra com outro pedaço. Abra com um rolo. Utilize cortadores de biscoitos para dar forma aos seus. Não untar a forma. Utilize papel manteiga ou alumínio. Arrume os biscoitos na assadeira e ponha pra assar em fogo médio por aproximadamente 30 min ou até quando os biscoitos dourarem embaixo.
Guarde num potinho e espere uns dois dias. Ficam melhores depois de algum tempo.




Aos poucos irei aperfeiçoá-los. Penso em trocar o limão e por queijo, amendoim, etc.
Só testando mesmo pra saber se a coisa funciona. Desta vez, descobri que meia colher de limão a mais (não quis jogar fora e resolvi aproveitar) fez essa fornada ficar um pouco amarga, ou seja, uma colher é o suficiente para essa quantidade de massa.

Também comprei os cortadores de biscoito e um rolo de massa.
Tenho agora vários modelos de cortadores. Fiz de coração, trevo de 5 folhas e meia lua. Tô que não me aguento, hehe.
Da primeira vez, fiz com um copinho de caipirinha para cortar redondinho e usei uma garrafa de cerveja para abrir a massa. O negócio é se virar nos trinta, né?

Bom apetite!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Batatas Rústicas para comemorar!

Mal chegou nossa máquina nova, já corri pra cozinha pra fazer alguma coisa para comermos e brindarmos!
Ai, como estou feliz com essa aquisição! 
Estávamos pesquisando já há algum tempo sobre que marca e que funções precisamos aqui no bloguito pra deixar nossos ociosos bem informadinhos.
A que coube no orçamento vai fazer uma festa boa por aqui. A velhinha já não tava dando conta das nossas necessidades.
E como teremos um blog novo ano que vem, nossa nova mascote chegou em boa hora!

Já vamos estrear aqui as primeiras fotos.

Da janela da sala

E resolvi fazer o que para brindar com uma cervejinha gelada, ham?
Resolvi testar a famosa Batata Rústica vendida na Lanchonete da Cidade e tô pra dizer, viu? Ficou super gostosa e muuuuiiiittttoooo parecida com a iguaria vendida na famosa lanchonete. Adorei!

Usei três batatas, três ramos de alecrim e dois dentes de alho.

E como faz a Batata Rústica? É só cozinhar as batatas com casca em água com sal e  pimenta (usei pimenta rosa em grãos).
Depois de cozida, é só cortar com casca mesmo em pedaços grossos. Depois é só fritar rapidamente.

Enquanto estiverem fritando, é só jogar os ramos de alecrim junto. O alho coloquei depois, porque podem ficar escuros.

E aqui, testando a opção panorâmica para a estreia da danada em uma das praias mais lindas do mundo. Em breve, ocioso, em breve...


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Um Natal incrível!


Natal é assim essa correria mesmo! Mal dá pra providenciar presentes e fechar os relatórios profissionais.
Como eu já disse, o mundo vai acabar lá pelo dia 24...
Mas se sobrevivermos à hecatombe que vem por aí, reapareço aqui na semana que vem para contar algumas novidades e falar um pouco sobre Ócio, Viagens e Gastronomia, se Deus quiser!

Desejo os mais sinceros votos de um Natal incrível, pra você que passa sozinho, que passa com o namorado, que passa com o marido, que passa com o cachorro, que passa com os pais, que passa com os filhos, que tem apenas irmãos, que não liga pra essa baboseira de sentimento de Natal e passa com os amigos na balada;
Que passa em casa, na casa de amigos, na casa dos tios ou na casa dos avós;
Que comprou roupa nova, que vai usar a mesma do ano passado, que ainda não sabe o que vai usar, pra você que não tem grana pra comprar nada novo e vai usar a mesma de sempre, pra você que vai usar calcinha nova, ou mesmo calcinha velha;
Para aqueles que engordaram neste ano, para os que emagreceram, para os que estão com o mesmo peso;
Aqueles que ficaram carecas, aqueles que cortaram o cabelo e aqueles que pintaram de uma cor esquisita;
Para aqueles que fizeram dos seus momentos de ócio, as coisas mais preciosas de suas vidas, que dormiram muito, que leram, que ouviram muita música boa e também para aqueles que ouviram muita música ruim;
Para todos que fizeram novos amigos;
Para os velhos amigos;
Para os amigos distantes;
Para os inimigos dos amigos;
Para os conhecidos;
Para aqueles do Facebook, que nem são tão amigos assim, mas porque conhecem um amigo seu, se acham no direito de dizer que você é amigo;
Para os chatos, vai...
Para os legais, muito legais, incríveis e adoráveis;
Para todos aqueles que eu conheci este ano e que gostaram de mim;
Para os que viajaram, os que pretendem viajar muito e para os que não viajaram por mil e um motivos;
Para os que pediram desculpa;
Para os que sorriram para alguém estranho;
Para aqueles que doaram cestas básicas;
Para aqueles que perdoaram;
Para todas as novas mães e novas avós...
Para todos os meus amigos de São Luís;
Para todos aqueles que foram alunos;
Para os nem tão amigos assim do Maranhão;
Para os meus amigos do Piauí;
Para os amigos e conhecidos do resto do Brasil;
Para os amigos e quase amigos daqui e principalmente, para aqueles que um dia serão muito amigos, onde quer que estejam!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Biscoitinhos de limão. Por enquanto, só pra me exibir!


Não sei não, mas acho que estou razoavelmente melhor na cozinha nos últimos tempos.
Perdi o medo de errar.
Perdi o medo de fazer caca na frente do maridão, que quase sempre faz coisinhas gostosas pra gente!
Experimentei fazer esses biscoitinhos de manteiga com raspas de limão e... amei! Tanto fazê-los quanto comê-los, hehe!
Na primeira fornada fiz os danados branquinhos, mas na segunda, fiz com umas raspinhas de chocolate. 
Como ainda irei me aperfeiçoar, logo logo divulgo a massa e o jeitinho de fazer. Por enquanto pus essas imagens só pra me exibir mesmo!
Estou procurando cortadores de biscoito, mas ainda não consegui achar aqueles formatos bacanas. Esses redondinhos fui fazendo com copinho de cachaça, foi o jeito.
Ficaram deliciosos e são muito rápidos de fazer. Estou toda, toda...


Com raspinhas de chocolate. Humm...

E esses daqui bem branquinhos.
Ah, viram minha cestinha pequena de papai noel, né? Não é tudo nessa vida?
Comprei uma grande e essa pequenininha.

OS 10 mais do Turismo do Maranhão em 2011


O Turismo é uma atividade plural. Permite por esse motivo, muitas alianças, pactos e associações estratégicas.
Dessa forma, pode se reinventar a todo instante e estabelecer parcerias com os mais variados segmentos. E não são poucos os esforços dos intrépidos trabalhadores da área! Ao longo dos últimos 10 anos, nós do Jornal Cazumbá, acompanhamos não só a evolução do turismo, mas também a evolução das pessoas que fazem dessa, uma área cada vez mais desafiadora e prazerosa. Não são poucas as pessoas que fazem do turismo sua bandeira de luta, assim como são muitas também as que se agregam ao trabalho de profissionais renomados, colaborando e aumentando o poder de fogo dos atrativos e potencialidades maranhenses.
Fizemos uma singela homenagem a alguns dos mais dedicados trabalhadores do Estado do Maranhão, assim como aproveitamos para homenagear também algumas entidades que batalham por melhorar a conduta dos seus representados e consequentemente, do turismo como um todo.
As homenagens feitas por nós não têm o intuito de desmerecer este ou aquele profissional, e sim, de divulgar aquilo que mais nos saltou ou nos salta aos olhos. É claro que deixamos muitos de fora, que embora entendamos a importância dos mesmos, não deu para incluí-los por que resolvemos limitar ao número de 10 personagens ou entidades.
Fizemos uma galeria dos 10 nomes mais importantes do Turismo do Maranhão por sua influência, que sabemos, vale muito para implementar as ações pensadas pelos diversos técnicos. Fizemos uma com as empresas mais representativas para o nosso Turismo, levando em conta não apenas o tempo em que estão no mercado, mas também o seu papel aglutinador e captador de turistas e por fim, fizemos uma lista com os 10 nomes que mais contribuíram e vem contribuindo para o fomento do turismo não só com ideias, mas com a capacidade de pô-las em prática! Lembramos que estão “rankiadas” por ordem de importância de acordo com o que acreditamos ser o mais justo.
Para o ano que vem, esperamos aumentar essa ilustre galeria de personalidades e para isso, contamos não só com o entusiasmo, mas com a participação de todos, nos contando suas opiniões e dando seu voto!

Parabéns a todos os profissionais que fazem do Turismo sua luta, acreditando sempre que é possível termos um Estado melhor e mais igualitário!

Equipe Jornal Cazumbá.

Veja a lista aqui.

Final de ano: tempo diferente!

O "final de ano" tem um quê de diferente mesmo.
Em que outra época do ano você acha normal se encontrar com amigos todos os dias da semana e acordar cansada, quase morrendo e achar que é natural?
E ver todo mundo cheio de cestas de natal nas mãos? É caixinha, é bolsinha, é sacola. Tudo tem cara de cesta de Natal! Basta ver um ponto de ônibus ou uma estação de metrô. Tá todo mundo com um "trambolho" nas mãos.
Que outra época, você acha que "quase" todos que estão à sua volta merecem uma lembrancinha?
Pois é. Esse período é muito engraçado. Parece que as pessoas vão sumir, se pirulitar, mudar de planeta e você nunca mais vai vê-las. Tudo até dia 24.12. 
O fato é que no meio dessa correria toda, tenho exagerado um pouco nas comemorações. Estou me sentindo eternamente de ressaca. Parece que as horinhas dedicadas ao sono não tem valido de nada.
Como estou tomando muitos remédios, imagino que essa combinação com pouco sono e muita birita esteja me fazendo mal. Estou fisicamente cansada.
Mas talvez seja a droga da idade mesmo! Estou à beira de mudar a idade (e de um ataque de nervos!) e acho que é necessário lembrar que o corpo sente e fala, quando as coisas não estão bem.
Divaguei hoje cedo das inúmeras vezes em que cheguei da farra às 5h e fui trabalhar direto. Como meu corpo aguentava sem reclamar, como eu conseguia ainda trabalhar normalmente...
Ontem fomos ao "1º ButecOffice Law", ou melhor explicando, à inauguração de um escritório de um amigo querido. O "regabofe" foi divertidíssimo e voltei sorrindo um pouco mais que o normal, mas tive uma noite ruim. Não dormi direito e o resultado é esse aqui agora: vista turva, pensamento longe e o estômago torcendo pra se transformar em outro órgão, tadinho!

E essa semana, heim? Não vai acabar mais?

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O Natal de antigamente era mais gostoso...


No tempo que meu pai usava capanga, minha vó usava anágua, meu irmão tinha uma basqueteira, minha mãe vestia corpete e eu usava um kichute pra fazer educação física no colégio, os Natais tinham um sabor mais gostoso...
Naquele tempo o Natal demorava muito a chegar. Um ano pra acabar parecia uma eternidade...
Comemoro meu aniversário no primeiro dia do ano, logo, a minha contagem começava nessa data e até chegar o próximo Natal, lá se iam intermináveis muitos e muitos meses... Tenho grande desconfiança que esse ingrediente era o que tornava o mês de dezembro mais gostoso: o tempo passando devagar.
Sempre ganhei muitos presentes nesse período, já que apenas seis dias separam meu aniversário do Natal. Esperava ansiosamente pra chegar o final do ano, inclusive porque junto com todos esses presentes, vinham as desejadas férias!
Era muita coisa boa no mesmo período: férias, Natal, presentes, aniversário, Reveillòn e preparação para o carnaval.
Automaticamente quando chegava o mês de novembro, a atmosfera da cidade ia se modificando. Começavam a diminuir os ventos e a se formar o período chuvoso. As viagens de barco voltavam a ser liberadas e um calorzinho mais potente já começava a se fazer presente. Nessa mesma época eu já corria para as últimas provas do colégio. Era a hora de levar uma lembrancinha de Natal para a professora e de assistir todos os desenhos que passavam no Xou da Xuxa, já que estudei de manhã em todo o primário.
Ai, como dezembro tinha um gostinho especial...
O mês, ao contrário do resto do ano, passava rápido por causa dos intensos compromissos sociais da família. Haja barriga e tempo para tanta confraternização!
Era um tempo de fartura! Os supermercados ficavam cheios de comidas que só víamos nessa época, como castanhas portuguesas, frutas secas e cristalizadas, peru, panetones, a velha cidra, os espumantes chuva de prata, dentre outros e os vizinhos disputavam quem fazia a mais bonita, gostosa e farta ceia de Natal. Isso contava muito no currículo das famílias, podem acreditar!
Os mais velhos cozinhavam tanto, que a mesa só ficava pronta quase perto da meia-noite. Lembro que uma das grandes preocupações das cozinheiras da casa era não acabar o gás, vejam vocês. Nessa época, tinha-se vários botijões em estoque para que nada acabasse com o brilho da festa!
É claro que eu não poderia deixar de lembrar das comidas afetivas e não menos cafonas, que fazíamos na época: salpicão, arroz de passas e maionese. Tudo isso era acompanhamento para o famoso peru, comida obrigatória em nossos natais.
A cerimônia do Natal tinha um “quê” de respeito, de compaixão e de bondade. As pessoas eram tocadas por uma energia divina que fazia com que a noite da véspera de Natal se transformasse em algo mágico. Até roupa nova comprávamos para poder celebrar tudo com muita pompa e circunstância.
Os enfeites de Natal também sempre fizeram sucesso lá por casa. Mamãe sempre gostou de deixar a casa brilhando e cheia de papai Noel. Lembro de sinos, noeis, bonequinhos de neve e de travessas com motivos natalinos enfeitando a mesa.
A trilha sonora não era lá muito variada. Tocava Jingle Bells repetidas vezes até ninguém mais agüentar, ou melhor, até chegar meia-noite. Chegada a hora mais importante, vovó liderava as orações, a comida era liberada, trocávamos a música por outra mais animada e todos abriam seus presentes como se não houvesse amanhã.
Nessa época eu não mais acreditava em Papai Noel, mas já nutria um sentimento nostálgico por tudo aquilo. Quando se é criança, a festa em si é a coisa mais importante. A movimentação das pessoas, o fato de dormir mais tarde, de ganhar presentes, de vestir roupa nova, de ver a família reunida e de comer coisas gostosas faziam da festa do Natal o momento mais importante do ano.
Hoje, mal dá pra acreditar que o ano já está no fim e que vou ficar mais velha. Lembro do último Natal, como se tivesse acontecido há quatro meses. Também não consigo acreditar que ainda há pessoas que consigam ouvir o disco da Simone cantando músicas de Natal e principalmente, não entra na minha cabeça que o Natal este ano seja comemorado num final de semana, ou seja, não vai ter aquela mamata do velho recesso que a gente passa o ano todinho esperando!

Um Feliz Natal e um ano-novo-relâmpago cheio de muito ócio, viagens e gastronomia pra você!


Jornal Cazumbá, dezembro de 2011.

Luzes da Paulista.

Em dias de muita luz e engarrafamento na Avenida Paulista, paramos para ver também.
Uma paradinha estratégica para tomar um chopp e repensar algumas decisões sempre é válido. Fizemos isso a semana passada.

E embora a avenida esteja muito cheia de curiosos, o clima de luz e natal te contagia, mesmo você não acreditando que tanta gente se desloque para lá só pra ver aquilo.
Mas deixando as crenças e os ufanismos de lado, é tudo muito festivo. Vendo tudo, a impressão que dá é que você não tem trabalho no dia seguinte e que a vida é uma beleza sem tréguas...

Esse cenário é um dos mais badalados, embora eu não tenha gostado nem um pouco. Tem coral cantarolando de hora em hora, uma festa!

Tentar atravessar a avenida é um exercício de paciência... 

Bom, já que estávamos esperando tanto, resolvemos registrar.

Hehe.

Continuo achando essa proposta parecida com um pântano iluminado.
Será que é essa a ideia?

Para atravessar essa passarela, é preciso enfrentar um fila quilométrica. Só passamos para registrar!

Esses bonequinhos encantam as crianças e velhinhos. Acho justo...

Durante o dia, a decoração do Conjunto nacional não empolga, mas à noite, ganha um brilho muito bacana.
Gosto desse recorte da Paulista! 


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Moda

Já disse que gostaria de ter feito moda ou cinema. Isso há milhões e milhões de anos atrás...
Hoje, não tenho mais paciência para explicar coisas legais pra gente boboca. Nem por meio do cinema e nem por meio da moda.
Tenho perdido a paciência com o tempo.
A ditadura da moda me cansa um pouco. A obrigação de corpos esguios me deixa com preguiça e não é porque engordei alguma coisa...

Mas acho tão sublime o que a Cris Guerra faz... Acho tão lindo ela ter a paciência que tem em se vestir todos os dias e mostrar pro mundo... 
Sou feita de altos e baixos. Se fizesse algo nessa linha, existiriam muitos dias com tarjas pretas, símbolos do infinito, um bom dedo apontado pra tela e outras atrocidades de comportamento. Ela não. Transforma qualquer dia mais ou menos numa roupa interessante.

A moda é tão importante no mundo, que a Bravo! tem aos poucos incorporado matérias de moda sob o pseudônimo de cultura, o que de fato é. Só não vê quem não quer. Tenho acompanhado e tenho gostado!

Bom, fiquem com o vício de ver todos os dias os looks dela. Acho muito interessante mesmo!

Decisão!

Às vezes, a gente precisa ser duro com a vida. Precisa tomar decisões difíceis  para que possa viver melhor.
Se não, a vida é muito dura com a gente!
Não é fácil. Cada decisão reflete diretamente no seu futuro.
Aí eu lembro que viver não é fácil e me tranquilizo um pouco mais.
Fácil mesmo é sair "desembestado" fazendo qualquer coisa e pregar que assim é a vida. Que assim Deus manda...

As minhas decisões não tem sido fáceis. Desde que optei por cursar a faculdade de turismo, as decisões nunca foram as mais fáceis e sim, as que "deram" e foram oportunas.
Estou mais uma vez tendo que tomar decisões na vida. Meu Deus, como faço isso! Não tenho um aninho sequer de férias sem grandes mudanças ou sem grandes decisões.
Não dá pra relaxar. Não dá pra vacilar! Se vacilar é pênalti e aí já viu... A possibilidade de levar um gol é imensa.
Preciso tomar a decisão certa.
Na hora certa.
Mais uma vez...



quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A vida é pra valer!

"Cuidado, que a vida é pra valer."
Acabei de ler essa frase do Vinícius de Moraes e estou apaixonada por ela.
É isso aí mesmo. Penso nisso todos os dias ao me deparar com os desafios rotineiros da danada da vida, mas por hora, ando muito atarefada com tudo que tenho que fechar até o Natal e não vou poder ficar de trololó.
Todo ano é assim, né? Parece que o mundo vai acabar e todas as providências do universo devem ser feitas até o dia 23, portanto, devo focar nos afazeres profissionais, mas assim que eu fizer um intervalinho, volto aqui!
Não esqueça: A vida é pra valer!

Bom dia!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Novos Leites Parmalat

Vejam vocês a evolução das coisas...
A Parmalat lançou leite Vitalat com colágeno e o leite Physical, com dose extra de cálcio.



Ainda não experimentei, mas esse com colágeno mexeu comigo, hehe!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Brócolis no microondas

Como adoro brócoli!
E olha que é meio amargo, né?
Sempre que posso, como. Não consigo enjoar!
Prefiro esse brócolis das fotos abaixo, que é o "ramoso", menos comum. Aquele que tem um cabeção, tipo uma couve-flor, costuma ser mais frequente em restaurantes e mercados, uma pena, porque nunca temos a possibilidade de escolher.
Pois bem, como os ociosos que passam por aqui, quase sempre tem pouca habilidade culinária, deixo uma dica rapidinha: cozinhar os brócolis no micro é mais prático e rápido!
Para porções pequenas, basta dois minutos em recipiente apropriado, ou mesmo em saquinhos de alimentação (não esquecendo de fazer um furinho né?) pro danado ficar bem verdinho e crocante.
Ontem comprei um super maço na feira e depois de higienizar, cortei os ramos e aqueci no micro.
Como as porções eram grandes, pus num depósito próprio para micro (comprei em loja de 1,99) e deixei por três minutos e meio.
Depois foi só separar em porções e congelar. Prontinho!

Cortados e higienizados

Esse depósito para microondas é super prático!

Ficam verdinhos, cozidos e crocantes. Uma delícia!

domingo, 11 de dezembro de 2011

1 ano


Essa foto representa exatamente o que estamos sentindo hoje!
Estamos celebrando 1 ano de casamento. 
1 ano de alegrias, amor e aprendizado. Que venham muitos outros!

A saga para comer o melhor pastel de feira de São Paulo!






Barraca: Pastel da Maria, eleito o melhor pastel de feira de São Paulo por vários anos, inclusive neste!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Mais vinis: Altemar, Lupicínio e Românticos de Cuba



Como disse no post anterior, sou uma saudosista.

Fomos ao sebo no final de semana e compramos mais essas pérolas: um do Altemar, com 30 grandes sucessos!, um do Lupicínio e um do Românticos de Cuba, só com músicas do Robertão.
O do Lupicínio, é daquelas coleções que vendiam em bancas de jornais, lembram? O vinil é menor que um normal e maior do que um compacto. São apenas 4 músicas de cada lado. Uma graça!
Passamos a tarde e o começo da noite ouvindo tudo isso.
A coleção de pérolas está aumentando gradativamente e tenho certeza que os vizinhos estão sem entender nada, já que de manhã o som que saía do apzito era Rush e Metallica!
Nada melhor que um sabadão eclético, nénão?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Palhaçada

Sou uma saudosista.
Não sei explicar esse gostar profundo por coisas de antigamente.
A discrepância de opiniões entre o meu lado A e o meu lado B é tão grande que consigo gostar de tudo que tínhamos antes, embora adore viver nos dias de hoje.
Quando penso nesses assuntos, me pergunto porque mudar coisas tão simples em nosso país por coisas importadas e na maioria das vezes, de péssima qualidade. 
Imagino que seja pra parecer mais moderno. Brasileiro adora achar que TUDO o que tem lá fora é muito melhor.
Os palhaços são um exemplo. Antes eram engraçados. Nos faziam rir chutando a bunda do outro. Tinham roupas coloridas e era um dos grandes momentos do espetáculo circense.
É claro que os tempos mudaram. Hoje queremos uma "graça" mais inteligente, mais ágil e mais modernizada. Entendo perfeitamente.
Mas hoje o "ser palhaço" não mais significa a mesma coisa. O ofício virou cult. Os palhaços de hoje assinam como clown (!?). Vi hoje no metrô.
A mudança de nome deve ter sido associada à mudança de status e conceito. Palhaços antes eram discriminados, não tinham dinheiro nem reconhecimento.
Como explicar ao meu filho (?!) que antes existiam palhaços, quando ele chegar da escola e me dizer que tem uma peça do teatro com clowns????
Não deve demorar muito pra você ir ao circo e ver o "clown" fazendo stand up comedy nos formatos atuais.
Um coisa horrorosa...

Outra coisa engraçada é o que a própria gastronomia deixa acontecer. Até eu me pego falando coisas sem querer de vez em quando!
A força da propaganda trocou a velha cumbuca por bowls (?!). Já viram isso?
Logo cumbuca, um nome tão sonoro e tão romântico...

Enviar um aviso para um amigo reservar a data para um evento especial, virou um convite oficial cheio de "praquêisso". Agora é de bom tom fazer o "save the date". Eu aguento?
Diretor ou Presidente de empresa agora usa CEO, Chairman...

Bom, vamos parar por aqui. Fiquem com um vídeo de uns palhaços que eu amo. E que fazem muita palhaçada boa por aí. 
Palhaçada que faz bem...

Um diazão alegre procê ocioso!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Pudim de Couve-flor

Glutões queridos!
A Andréa, uma de nossas consultoras gastronômicas, fez um pudim de couve-flor e garantiu que é muito gostoso!
Não tive a oportunidade de apreciar, já que não estava com ela nesse dia, mas como ela trabalha para nosso bloguito alguns finais de semana (voluntariamente, diga-se de passagem), mandou pra gente a receitinha e a foto do resultado final!
Vamos à receita?

Ingredientes

1 couve-flor média, de aproximadamente 700 a 800 gramas
3 ovos
250 ml de creme de leite fresco
100 gramas de gorgonzola, temperatura ambiente
2 colheres de sopa de cebolinha picada
Sal e pimenta do reino


Modo de fazer


Cozinhe a couve-flor cortada em pedaços grandes em água e sal por 10 minutos. Escorra e reserve. A couve-flor ainda fica um pouco firme.
Unte uma vasilha de vidro ou de alumínio de 24 x 16 cm com um pouco de manteiga.
No liquidificador ponha 2/3 da couve-flor cozida, os ovos, o creme de leite fresco, 2/3 do queijo gorgonzola, a cebolinha, o sal e a pimenta e bata.

Entorne o creme na vasilha preparada. Com os dedos mesmo, esmigalhe o resto da couve-flor e o restante do queijo. Salpique por cima do creme e leve ao forno por 25-30 minutos, ou até o pudim estar levemente dourado e firme. 


Sirva quente ou frio e bom apetite!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Ceia de Natal: comida agridoce e cafona!

Tenho a impressão que as Ceias de Natal são sempre as mesmas, desde que passamos para a era da pedra polida.
Não entendo porque essa importante data das nossas vidas tem que ser regada a essas comidas com passas e frutas cristalizadas. Como diz minha amiga Mamá, há uma Lei Federal que nos obriga a isso?
Passei numa banca de revistas no almoço e fui direto procurar umas revistas de ceia de Natal. É olhar e ver praticamente as mesmas comidas de todos os anos, com apenas poucas variações.
Que chato isso!

Não irei passar Natal com minha família este ano. Embora com muita saudade, nesse quesito serei poupada de velho arroz com passas, que me obriga a ficar catando as pobres uvas a cada garfada.

Ah, quando penso numa ceia de Natal dos sonhos, penso em algo alegre, colorido, com comidas que não sejam muito substanciais e que não se transformem em argamassa no estômago. 
Explico: um prato de arroz, farofa, peru e tender à meia-noite pode transformar seu estômago em algo duro e seco, mesmo que você possua suco gástrico em grande quantidade, concorda?

Existem tantas comidinhas legais, chiques, coloridas e saborosas que podem fazer de uma ceia algo tão mais charmoso... Porque o peru tem que vir daquela velha forma? Porque não pode ser uma receita de peru em tiras com molho de alguma coisa, só pra dar um exemplo?

Bom, mas vamos acreditar que a ceia é a mesma, vai. Vamos dar uma chance à tradição. Comidas cafonas e agridoces, tudo bem.

Sabem o que é pior pra mim? O almoço 25/12.
Tem coisa mais insuportável que comer peru seco, tender duro e arroz requentado?

Pois é!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Guaraná Ice. Delícia!


Descobri essa delícia em terras Gonçalvinas...
Tomei a primeira vez e fiquei com siricutico de tomar mais e mais. Era só achar pra comprar.
Aí de repente, sumiu das prateleiras.
Nunca mais tinha visto...
Semana passada achei no supermercado chique perto de casa. Ô delícia, meu povo!
Sabe quando você chupa um drops de hortelã e na sequência toma um guaraná? Pois é.
Desse jeitinho mesmo!

Natal

Não sei porque, mas nesse período, além de comprar pros outros, começo a sentir vontade de me dar presentes.
Acho que é o clima consumista do Natal...
Fazendo um balanço rápido apenas de 3 DVD's que quero, dá a soma de R$ 150,00.
Fiquei passada!
Mais os livros (saiu mais um do Veríssimo!), roupas de verão e outros gastos extras, apenas comigo, cheguei numa conta, no mínimo, sem vergonha! Estou meio deprê depois disso.
Você já fez essa conta? Já viu quanto tem para presentear aos outros e a si mesmo?

É, a cada ano, as coisas mudam muito de figura. Fico mais lisa e mais reflexiva.
Não sei não...

Bom dia!

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Almoço funcional, aí vou eu!

Eu já tentei ser chique, mas não deu!
Já frequentei muito restaurante chique, já tentei ser amiga e frequentar rodinha de bacana, mas francamente, não falamos a mesma língua. 

Em restaurante chique você fica só na pose. Come pouco e ainda é discriminado pelo garçom, que acha que tem dinheiro (?!).

Em Boteco, ao contrário dos restaurantes chiques, o garçom é uma pessoa normal, que está ali defendendo o seu pão diário. Sabe os truques do atendimento e deixa você à vontade.

A comida vem numa porção boa. Vem com umas gordurinhas extras. Tem um sabor acentuado. O arroz então, jamais faremos igual em casa, e o melhor: a conta não é um descalabro!

Hoje estava a fim de comer em botecão, algo como bife com batata frita e ovo frito, mas estou escrevendo para exorcizar a vontade. Isso mesmo! Escrever faz passar uma série de angústias na vida.

Estou com o tal do colesterol alto e não devo comer o que dá vontade, e sim, usar a velha fórmula do almoço funcional: comida que faz bem e não necessariamente é gostosa!

Se eu tivesse um companheiro (a) de almoço bacana, sim. Iria pular a cerca da dieta e me esbaldar num prato desses, mas como almoço sozinha a maioria dos dias, aproveito esse detalhe para fazer uma boa digestão andando e descobrindo delícias aqui por perto.

Almoço funcional, aí vou eu!


terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sobre o filme Flor de Abril

Ao contrário do que pensei, o filme não está em exibição em nenhuma sala em São Paulo.
Pesquisei muito, vi em todos os guias e telefonei para o cine Reserva Cultural, onde teve o lançamento, para me informar melhor e nada feito.
O que teve, foi na verdade uma avant-première para convidados, jornalistas e críticos.
Uma pena, porque queria muito ver. Iria espalhar para a multidão de maranhenses que moram por essas bandas...

Imagino que a falta de dinheiro tenha limitado a divulgação do filme. 
Desde seu primeiro filme, Cícero Filho luta com pouca verba e equipamentos racionados para poder colocar suas ótimas ideias em frente. É um obstinado! Outro, já teria abandonado isso.

As grandes empresas maranhenses por vezes, apoiam o que lhes é conveniente, o que chega primeiro ou mesmo aquilo que foi indicado por algum poderoso. Os critérios são os mais diversos possíveis e a lógica nesse caso, é essa.
O incentivo dos governos então, melhor não entrar nesse mérito. Tem coisa que dá voto e tem coisa que não dá. Critério claro, em todos os estados do Brasil.
Embora no trailer apareçam governos como apoiadores, sei que a coisa não foi como devia. Ainda estava em São Luís trabalhando numa entidade de apoio a eventos e vi como foram as gravações em São Luís. Tentei de várias formas apoiar, mas o esquema não é simples assim. Melhor não lembrar, não vai me fazer bem.

Dadá e seu Cantinho da Estrela investiu vários almoços e jantares para a equipe do filme e foi com cotas de patrocínio nesse "formato" que algumas cenas foram rodadas em São Luís. 
Gostaria muito de ver. Ver como ficou o resultado final. Ver como ficou o desenrolar do roteiro...

No "Ai que vida", dizem que Cícero gravou tudo com apenas uma câmera, um grande feito para dias em que convivemos com a tirania do 3D. Há quem diga que o filme é trash. Há quem diga que é tosco e eu prefiro dizer que é uma comédia nordestina que ainda vamos nos orgulhar muito. 

Fazer cinema por muitos anos foi um sonho meu, mas tive tempo de perceber as limitações do sonho, impostas por ter nascido num território politicamente desprestigiado, mas continuo torcendo para existirem pessoas mais obstinadas e guerreiras como Cícero, que não dão bola para as dificuldades e vão em frente, mesmo que o caminho às vezes, seja muito longo.


segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Cada um é dono dos seus quilos

O link abaixo traz uma informação engraçada. Fala de um fast food americano (como diz o Tutty Vasquez - ô raça) que vende comida gorda.
Gorda assim, sem disfarce.  Até aí, tudo bem, cada um é dono dos seus quilos, mas daí a fazer apologia à gordura, são outras batatas fritas, né?
Leia e reflita.
(Aqui)

Bolacha Maizena. Não faz mal pra ninguém!


Acordei meio "ruim" do estômago. Na verdade, desde ontem ando com náuseas.
São tantas as tranqueiras que comemos, que fica impossível saber o que fez mal, né?

Mamis, desde que eu era pequena, tinha uma receita infalível em dias de enjôo: bolacha maizena com leite ou chá quente. De acordo com suas crenças, bolacha maizena não faz mal pra ninguém, é como água de coco...

Seguindo essa receitinha estou eu hoje. Comprei um pacote da bolacha para ir tapeando, caso a fome bata à minha porta. É uma típica Comfort Food. É comer e lembrar da infância...

Deve ser a massa levinha e o sabor suave da bolacha maizena que garantem a ideia nos mais velhos de que não faz mal. Vovó também tem essa crença (que deve ter passado pra mamãe) e lembro de comer isso quando ficava com febre em plenas férias na casa da vovó, isso lá nos idos anos 80...

Bom, com esse sabor de infância, começo a minha segunda. Bom dia procê!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Reveillòn no Brasil. Dicas de Ricardo Freire

É claro que numa sexta-feira dedicada aos vídeos, não poderia faltar aqui uma dica preciosa do meu adorável Ricardo Freire.
Dicas para o menor "susto-benefício" para o Reveillòn no Brasil.

Carcará. De João do Vale por Maria Bethânia




Adoro!

Cadeira Vazia. De Lupicínio por Arrigo Barnabé

Taí um dos desejos de Natal: o  DVD do Arrigo cantando Lupicínio.
Gosto mesmo é da performance.

Livros sobre viagem - Dicas para presente de Natal

Que tal dar livros de presente de Natal? Acho muito charmoso isso.
Andei pesquisando alguns títulos sobre viagens e tenho 5 ótimas dicas.
Vamos a elas:


Título: Confissões de um turista profissional
Editora: Novo Conceito
Autor: Kiko Nogueira
Sinopse: Quem gosta de viajar, e viaja mesmo (isto é, não faz turismo pra inglês ver), sente uma vontade danada de falar a verdade sobre os lugares que visitou. Coisas como: vale a pena todo aquele trabalho no Louvre para não ver a Monalisa? Existe algum lugar mais insalubre do que uma barraca de praia no Nordeste? Ou ainda: por que o Brasil precisa de mais uma obra de Oscar Niemeyer, o veterano arquiteto que deixa um rastro de concreto aonde quer que vá? Mas falar essas coisas é, no mínimo, tornar-se um chato. Pois Jota Pinto Fernandes, alter ego de Kiko Nogueira, é o chato que vive em cada viajante. Corajoso e desbocado o suficiente para dizer o que as agências e seu amigo que acabou de chegar de Nova York nunca falarão. Escrito pelo ex-diretor da revista Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas, da Editora Abril, Confissões de um Turista Profissional é uma leitura para quem quer olhar as lindas fotinhos no celular, na volta daquele pacote inesquecível, e pensar: “E não é que era isso mesmo...?”



Título: Terramarear - peripécias de dois turistas culturais
Editora: Cia das Letras
Autor: Ruy Castro


Sinopse: Ruy Castro e Heloisa Seixas são dois grandes viajantes. Nas últimas décadas, têm rodado o mundo, levados por vários motivos, inclusive profissionais. Mas eles não são meros turistas. Quando viajam, buscam sempre o espírito dos lugares — a cultura das ruas pelas quais passeiam e suas relações com a história, a arquitetura, a música, o cinema, a gastronomia. Com isso, descobrem os roteiros mais surpreendentes, em Nova York, Paris, Roma, Veneza, Madri, Barcelona, Sevilha, Havana, Moscou, Saint-Tropez, Rio — e que, agora, eles nos revelam em Terramarear.






Título: sozinha mundo afora
Editora: Verus
Autora: Mari Campos


Sinopse: Sozinha mundo afora traz dicas da jornalista e viajante profissional Mari Campos para qualquer mulher que queira desbravar o mundo sem companhia, com depoimentos de viajantes de diferentes idades e perfis que já tiveram essa oportunidade.Com sua extensa experiência em viagens solo – ela já saiu sozinha pelo mundo mais de 25 vezes –, Mari Campos conta tudo que você precisa saber para fazer as malas e sair por aí em sua própria companhia.







Título: Me leva mundão
Editora: Globo
Autor: Maurício Kubrusly


Sinopse: Depois de percorrer o Brasil durante vários anos em busca de casos curiosos e personagens diferentes, todos apresentados em seu quadro semanal no Fantástico, o jornalista Maurício Kubrusly ampliou sua área de atuação e foi procurar relatos peculiares e impressões inusitadas fora das fronteiras nacionais. O resultado está no livro Me Leva Mundão, um saboroso conjunto de crônicas divertidas e temperadas pelo olhar bem brasileiro do experiente repórter.





Título: Acordei em Woodstock - Viagem, Memórias, Perplexidades
Editora: Global
Autor: Inácio Loyola Brandão


Sinopse: A cidade de Woodstock, sede do condado de Windsor, no estado de Vermont, é uma localidade aprazível, como os viajantes verificaram. Foram dias de fascínio e encantamento, imaginando cada lugar onde tinha ocorrido o famoso festival de 1969. Eles "viram e ouviram" os maiores ídolos da música rock e pop do século e tiveram uma enorme surpresa, um impacto, diante de uma revelação surpreendente e divertida.Ao longo das duas semanas de excursão, o escritor viajou também na memória, na mistura de fantasia e imaginação, em reflexões íntimas, numa experiência existencial rica e complexa que lhe permitiu, mais de uma década depois, compor não exatamente um romance, nem propriamente um livro de viagem, também não apenas o registro de memórias, mas tudo isso junto. Ao acordar em Woodstock, Ignácio de Loyola Brandão produziu simplesmente literatura de alta qualidade.


Caso o clima natalino amoleça seu coração e você queira mandar qualquer um desses pra mim, eu vou adorar, rá!


Importante: as sinopses foram copiadas na internet - vários sites.


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Cruzeiros - Dicas de Sites

Não posso dizer que não tenho vontade de fazer um cruzeiro, tenho.
Mas para ilustrar melhor essa vontade, posso definir o tamanho só pra você ter uma ideia: seria 2 graus na escala richter!
Não é meu grande sonho de viagem, mas acho que vale experimentar.

Não, não vou fazer um cruzeiro, mas tenho lido tanta coisa que parece que o mundo, vai! Incrível.
A minha vontade diminui quanto penso que teria que levar uma caixa de Dramin, consequentemente iria ficar chapada, não iria conseguir beber nem me divertir e pra brochar de vez minha vontade, ficar confinada num barcão com a possibilidade de afundar e eu não saber nadar é de morrer!

Mas por outro lado, tem muita gente que gosta, que sabe nadar e que vai adorar ir à festa com o comandante. Para essas, os cruzeiros são sinônimo de relax total.

O Brasil com a enorme costa que tem, tem mais é que aproveitar mesmo. Acho certíssimo! Para o próximo verão, as coisas estão demais. Tem minicruzeiros super em conta e com ótimos roteiros.
Para quem gosta da comodidade da coisa e uma boquinha all inclusive, vão aqui os principais sites com as empresas que vendem cruzeiros para a próxima temporada:



Boa viagem e não esqueça o Dramin!


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Flor de Abril. Estreia amanhã em São Paulo

Bom, eu já tenho vontade de assistir por ser de um cineasta independente.
Um cineasta meio maranhense e meio piauiense então...
Agora sabendo que Dadá, minha amada Dadá, aparece no filme, aí eu não posso perder de jeito nenhum!
Cícero Filho é o também Diretor do filme "Ai que vida", sucesso no submundo da cinefilia tupiniquim!
Espero que o filme mostre o amadurecimento do Diretor e que seja uma boa história!
Desejo muita sorte a toda a equipe!


Eu, passarinho


Estou assim hoje: meio enfezada, macambúzia e com frio.
Febre, melhor falando.
Eu bem que poderia ser esse passarinho, já que todos passarão... 

(Daqui)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Bowls coloridos. Nova paixão!

Vi esses bowls na prateleira do mercado e meu coração palpitou!
Estava procurando há tempos bowls desse tamanho para fazer porções individuais de salada.
E de quebra, são das cores do próximo verão. Não é  fashion, isso?
Bastou chegar em casa para lavá-los e rá! fazer uma saladinha simples pra refrescar o almoço.
Amei tanto que estou pensando em passar o maridão pra sala e dormir com eles bem abraçadinha, hehe.

Descobri que combinaram perfeitamente com meus descansos de panela, óia?


Feitos um para o outro!

Saladinha básica: alface crespa, tomates, azeitonas, queijo branco e cenoura ralada.




segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Muita sorte!


Ganhei esse trevo da sorte da sogra.
Achei muito simpático esse presente, não?
Ele por enquanto está no meu mini-vasinho improvisado, mas confesso que está deixando a cozinha bem mais animada e sortuda.

Para uma segunda-feira, nada melhor que um trevo de quatro folhas pra desejar muita sorte a todos!
Aliás, hoje é aniversário da sogra. Toda a sorte do mundo para ela!




domingo, 20 de novembro de 2011

Chá super "do bem"


Imagino que você já deva me conhecer um pouquinho. Se passa pelo bloguito de vez em quando, sabe que minha bebida preferida é chá mate gelado.

Tá bom, o chá gelado disputa ali bem de pertinho com uma cervejinha, mas se eu puder escolher, fico com meu refrescante mate, sem sombra de dúvida!

Já perdi as contas das vezes em que falei da bebida aqui, mas hoje trouxe uma novidade super "do bem"!
Acordamos cedo e aproveitamos a caminhada para conhecer um mercado novo que inaugurou recentemente perto de casa.
Bom, o supermercado é super bacana, novinho (achei um pouco caro!), e tem um ar de novidade e cuidado com os produtos que me deixaram muito feliz! Todos os produtos são cuidadosamente colocados nas prateleiras e é tudo muito arrumado, cheirando a novo.

O diferencial dele começa por algumas marcas, que não são facilmente encontradas nos outros supermercados. Descobrimos muita coisa diferente e compramos umas cositas pra animar a semana de dieta. A "do bem" foi uma dessas gratas surpresas gastronômicas que eu adoro.

Ao ver que era chá mate, o maridão já veio me mostrar, sabendo que eu iria querer experimentar. Vi a caixinha com muito cuidado, li a proposta da marca (isso me atrai) e fiquei apaixonada pela ideia da "do bem" de fazer chá mate parecido com aqueles vendidos no Rio "no tambor". Até o desenho na caixa é de um tambor. Ai, gente, não aguento tanto mimo!

Os mates vendidos no tambor tem um sabor único. Nada no mundo se parece. Tenho a impressão que são mais refrescantes que qualquer outra bebida.

Acreditei no que os marketeiros da "do bem" disseram na caixinha e na hora quis comprar um monte delas.
Comecei a ver os outros produtos da marca e novamente me apaixonei. Dessa vez, pela limonada! Trouxe então um de cada para experimentar, com o pacto com o maridão que se fosse bom, voltaríamos lá pra comprar 1 tonelada, hehe.
Adorei o chá! Muito mesmo.

Tomo chás de todas as marcas possíveis. De todos os sabores, de qualquer região. Procuro tudo em todo supermercado. Como esse, ainda não tinha visto!
Não chega a ser o mesmo sabor que tem  "o do tambor", mas lembra bem. É igualmente refrescante e posso dizer que fiquei bem satisfeita com o sabor. Acho apenas que perde para o que faço em casa, que tanto os amigos dizem pra eu envazar e vender, hehe.

Já terminamos o litro hoje mesmo :(
Vou iniciar a limonada e falo depois, tá? :)