Pular para o conteúdo principal

Sopa de Letrinhas_2

As entidades de classe voltadas para defender os segmentos que compõem o turismo nunca estiveram tão em alta.
Nunca na história desse país houve tantas siglas, tantas entidades e tantos representantes. Basta participar de algum evento que tenha mesa de abertura, para nos depararmos com uma incontável sopa de letrinhas capaz de confundir o mais inteligente dos humanos.
As entidades de classe tem a missão de defender seus associados e manter viva a ética e a dignidade do segmento que defende.  Considero importantíssimo seu papel. Lutar pelo coletivo numa época em que cada vez mais o individual prevalece, é dar uma chance às relações básicas da sociedade.
Existem entidades tão consolidadas e fortes no País que suas próprias histórias se confundem com a história dos seus defendidos. Englobando o termo entidades,podemos considerar as associações, centrais, bureaux, institutos, fóruns, federações, sindicatos, clubes etc.
No Turismo, ABAV, ABIH, Convention Bureaux, BRAZTOA e alguns poucos mais, formam a elite das entidades com força política e grande destaque dentro das políticas públicas nacionais, possibilitando, consequentemente, muita visibilidade aos seus presidentes e/ou representantes. Corre-se o risco neste caso, de muitos profissionais ocuparem cargos para se promover ao invés de defender aquilo que a entidade se propõe, mas nesse quesito, a sociedade toda corre o risco em todos os cargos públicos!
Pesquisando recentemente algumas entidades, me deparei com 57 (cinqüenta e sete) só voltadas para a cadeia produtiva do turismo e levei um susto ao saber de todas. Primeiro porque não tinha noção de tamanha diversificação e depois porque veio um “diabinho” me perguntar aqui no pé do ouvido se elas realmente funcionam e porque então, as coisas não estão bem melhores...
Abaixo, seguem algumas entidades da sopa de letrinhas:

ABOTTC – Associação brasileira de trens turísticos e culturais
ANAV – Associação nacional de empresas de aluguel de veículos
ABRACAMPING – Associação brasileira de campismo
CONTRATUH – Confederação nacional dos trabalhadores em turismo e hospitalidade
Les Chefs d’or Brasil – Associação dos concierges
ADIBRA – Associação das empresas de parques de diversões do Brasil
SINDEPAT – Sistema integrado de parques e atrações turísticas
APO - Agência de Promoção Olímpica da Rio 2016.
ANTTUR – Associação nacional de transportadores de turismo, fretamento e agências de viagens
ABRASTUR – Associação brasileira de cooperativas e clubes de turismo social
ABGEV – Associação brasileira de gestores de viagens corporativas
ABRAT – GLs – Associação brasileira de turismo GLS
ABCA – Associação brasileira de cartões de assistência
BLTA – Associação brasileira de Turismo de luxo
Bureau Brasileiro de Turismo de Golfe
FNCSTH – Fórum Nacional dos cursos superiores de turismo e hotelaria
IBCDTUR – Instituto brasileiro de ciências e direito do turismo
BELTA – Brazilian Educacional & Language Travel Association
AMITUR – Associação dos municípios de interesse turístico
ANSEDITUR – Associação Nacional dos secretários e dirigentes de turismo das capitais e destinos indutores
FOHB – Fórum de operadores hoteleiros do Brasil

É pouco ou quer mais?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…