terça-feira, 31 de agosto de 2010

Buffet de Frutos do Mar D. Sebastião


O nome diz que são produtos comestíveis retirados do mar, excluindo os peixes. Entram nessa categoria os moluscos e crustáceos como sururu, sarnambi, ostras, o mexilhão, lula, lagostas, camarões, polvo e todo tipo de coisinha que se retira do infinito mar que circunda esse planeta.
No Brasil há uma diversidade incrível. Gosto de quase tudo. Por mim, teria pelo menos três vezes por semana um cardápio baseado nesse tipo de comida, mas o colesterol e o sódio seriam um nível acima dos Alpes e aí não estaria escrevendo assim com tanta alegria esse texto!
Como temos água para todos os lados nesse país, contraditoriamente, essa alimentação é muito cara e considerada luxuosa ou para ricos, o que infelizmente (mesmo!) eu não me encaixo!
De volta à Ilha na semana passada, o cheiro de maresia e de água salgada estavam no ar novamente e pulando de restaurante em restaurante e com visitantes é que você percebe a nossa diversidade e sabor. Comi muito bem. E como comi bem!
Não há comidinha paulistana dos chef’s mais renomados do país que vençam o frescor dos nossos alimentos, nem tampouco o tempero carregado em cheiro verde e pimentão dos nossos pratos. É preciso ter nascido lá para gostar.
Sobre isso, entendo os turistas que reclamam dessa mistura de temperos.
Para que todos nós matássemos a vontade de frutos do mar, já que o papo é esse, resolvemos ir ao Buffet de Frutos do Mar mais famoso e generoso do Maranhão: o Restaurante D. Sebastião, que fica no Hotel Brisamar, logo ali na Ponta D’areia.
Os mais conhecidos vão logo achar que estou “puxando o saco” para meu ex chefe, que a propósito, é um dos sócios do restaurante, mas não! Enganou-se quem teve esse pensamento leviano. Quero mesmo é congratular todos que fazem o Restaurante D. Sebastião o que é e, principalmente, no que transformaram o Buffet às sextas.
Já tinha ido outras vezes e a cada nova investida a surpresa é maior e as expectativas são superadas.
Na última sexta (dia 27/08) estava “lotadíssimo” e o cardápio bem pra lá de especial. Conversando com todos da mesa (incluindo meus novos Diretores), foram unânimes em afirmar que nunca presenciaram tamanha fartura e sabor ao redor do mundo.
As entradas vão desde pasteizinhos, saladas variadas, ceviche (ai ai ai...), panquecas, lula a dorê, beirutes de bacalhau e tomate seco, iscas de peixe, camarões fritos e ainda uma gama de coisa que não consigo lembrar, de tanta água na boca agora.
Os pratos principais são peixes (pescadas, robalos, salmão, anchova, pargos, atum, sardinhas etc, etc) assados, cozidos e grelhados, risotos dos mais variados, paellas, ovas fritas, massas com molhos e ainda uma carta de vinhos boa e acessível.
As sobremesas são clássicas variando no velho pudim de leite ao bolo de chocolate com uns mousses regionais pra não deixar de contemplar ninguém.
Saímos todos satisfeitos e até agora sinto o gostinho do Ceviche na boca. Comi bastantão. Repeti.
Por mim, comeria toda sexta.

Dica:
Buffet de Frutos do Mar
Restaurante D. Sebastião, Hotel Brisamar - São Luis, Ma.
(98) 3212 1212
Todas as sextas das 12h às 16h
R$ 52,00 por pessoa com direito a entradas, pratos principais e sobremesas.
Pode reservar.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Eu trouxe

Trouxe muito camarão. Fresco descascado e fresco "aferventado" para fritar ao alho & óleo.
Tudo porcionadinho para não ter que descongelar o que não vou usar.
Trouxe refrigerante Jesus. Em lata, garrafinha pet e garrafinha de vidro.
Para tomar, presentear e decorar.
Trouxe farinha d'água. Amarelinha e crocante.
Para fazer farofa de ovo.
Trouxe até um pouquinho de farofa. Não resisti!

Bom dia!

Já estou em São Paulo.

Volto já!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Azul terá vôos ligando São Luis a Teresina


A Azul começará seus voos para São Luís e Teresina no dia 1º de setembro de 2010. Iniciamente será um voo diário saindo de Campinas com destino a São Luís com escala em Teresina e um voo fazendo o trajeto de volta.

Os horários não são tão bons, os voos são durante a madrugada, mas é a forma que as empresas encontram para conseguir fazer várias conexões. Só assim esses voos conseguirão fazer conexão em Campinas para mais de 15 outros destinos.

Voo 4198 Campinas – Teresina – São Luís

Campinas 23:35 – 01:40 Teresina

Teresina 02:10 – 03:00 São Luís

Voo 4199 São Luís -Teresina – Campinas

São Luís 03:30 – 04:20 Teresina

Teresina 04:50 – 07:55 Campinas


A venda das passagens para esses dois novos voos devem começar na última semana de julho.
Imagino que logo virão os comentários dos leitores de Belém e João Pessoa reclamando que a Azul ainda não chegou lá. Calma pessoal, mais uns meses e chega. Até o final do ano os paraenses e o paraibanos poderão viajar na Azul.


quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Guaraná Jesus

Em meio à reunião, me ofereceram um copo de Guaraná Jesus.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh...
Na mesma hora voltei ao colégio da infância e cheguei na hora do recreio...
A memória afetiva que esse refrigerante traz para um ludovicense é impressionante!
Nada é igual.
O cheiro me fez viajar a um mundo lindo, cheiroso e saboroso: o da merenda!
Delícia.

Compreende?

Quero muito muito pedir a compreensão de todos os ociosos que pousam nesse bloguito.
Não estou conseguindo atualizá-lo diariamente!!!!
Estou sem computador e o pior, sem tempo e sem cabeça para postar algum rocambole por aqui.
Estou na minha terra, na casa de mamis, mas sem infra pra poder resolver a vida.
E sem tempo!
As reuniões/oficinas que estamos mediando são das 9h às 19h e após esse horário estou igual a uma carne moída de segunda!
Não vi ninguém. Quer dizer, Edu e Fábio, mas foi coisa de 10 min.
Ainda não tomei uma biritinha sequer.
Não sei nem se consigo relaxar...
A única coisa que fiz foi falar ao telefone com a family toda. Das 7h às 8h: tia, tio, papis, vovó e por aí vai... Todo dia hehe!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

De volta pra minha terra!

Fui saindo do avião, sentindo o bafo quente e meu nariz foi logo melhorando... Uma coisa de doido isso! Estava com o nariz em frangalhos e sangrando. Estava usando pelo menos uns três remédios diferentes, que de nada estavam adiantando.
Agora, com o nariz bem melhor e depois de reunião e algumas providências de trabalho, estou cansada, mas muito feliz em poder dormir na casa de mamis e por os papos em dia com os irmãos e a afilhada.
Como faz pouco tempo que fui pra São Paulo, nem parece que saí daqui. Está tudo igualzinho!
De amanhã até sexta estou super atarefada da manhã até a noite, mas reservei o sabado para ir numa festinha "super" que me "falaram", além de uma prainha, porque não sou de ferro e nem besta! De fato, terei as noites livres para rever os amigos e relaxar um pouco.

Ah uma coisa achei engraçado: quando estava trabalhando aqui parecia que o ritmo era frenético e o trânsito inviável.
Fui pra uma coisa pior e fiquei vendo tudo calmo hoje, como se o ritmo fosse outro...
Pra vocês verem o que é a percepção...

Estou feliz! Muito feliz!!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Espanha recebeu 6,97 milhões de turistas. Mais 4,5% do que no período homólogo, o maior crescimento desde Maio de 2008.

Em Julho, Espanha recebeu 6,97 milhões de turistas. Mais 4,5% do que no período homólogo, o maior crescimento desde Maio de 2008.


De acordo com os dados do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo, a número de turistas estrangeiros em Espanha aumenta pelo terceiro mês consecutivo. Em Maio aumentou 1,1%, em Junho 1,7% e no mês passado 4,5%.

Entre Janeiro e Julho deste ano, estiveram em Espanha mais de 30 milhões de turistas internacionais, nível ligeiramente inferior ao registado no mesmo período do ano passado.

De acordo com os dados do ministério, a ligeira queda que se registou nos primeiros seis meses do ano é explicada pelas fortes chuvas do mês de Fevereiro e pelo encerramento do espaço aéreo durante o mês de Abril devido às cinzas do vulcão islandês Eyjafjalljökull.

Eu: isso é que eu chamo de queda...

Poxa, ainda nem tive uma e já nem posso ter?

Minas proíbe uso de panelas de cobre / O Estado de Minas

O verde vivo do figo em calda, a liga cremosa do doce de leite, a goiabada na consistência perfeita e a rapa de tudo isso no fundo de um tacho de cobre correm o risco de se tornar meras lembranças em Minas Gerais, para desespero dos amantes dos famosos quitutes mineiros. A Vigilância Sanitária Estadual, com base em resolução de 2007 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), proibiu o uso de utensílios de cobre na produção alimentícia, sob argumento de que a absorção excessiva do metal provoca desordens neurológicas e psiquiátricas, danos ao fígado, rins, nervos e ossos, além da perda de glóbulos vermelhos. A decisão que pode significar o fim dos doces feitos no popular tacho representa tristeza para doceiras e admiradores da culinária tradicional.
Pelas muitas Minas Gerais, são diversas as panelas que mesclam heranças gastronômicas e culturais de brancos, negros, índios, mulatos e caboclos. Mas o tacho de cobre é unanimida em cada canto do estado. Por isso, a proibição já causa mal estar entre cozinheiros e apaixonados pela boa mesa. Nas próximas semanas, a Secretaria de Estado de Saúde promete orientar as donas de casa sobre a recomendação da Anvisa, por meio de cartilhas.
Mas, antes mesmo do aviso oficial, a amarga notícia já chegou às cozinhas das doceiras. Elas juram que o tacho, além de bom companheiro para as prosas na cozinha, não faz mal a ninguém, principalmente quando bem higienizado. “Meu avô morreu com quase 90 anos e nunca deixou de fazer iguarias nesse utensílio”, comenta Maria Ecília de Jesus, de 55. Doceira em Santa Luzia, na Região Metropolitana de BH, ela conta com orgulho que sempre sonhou em ter sua própria panela. “Pedia emprestado. Mas, há um ano, decidi ir ao Mercado Central de BH e comprar um tacho só para mim. É bom demais. O gosto dos quitutes fica melhor”, garante.

Revoltada com a proibição, Nelsa Trombino, dona do restaurante mineiro Xapuri, na Região da Pampulha, não mede críticas. “Estão querendo acabar com a tradição de Minas. Isso é uma cultura nossa”, reclama, contando que há mais de 50 anos usa o tacho na cozinha. “Mantemos sempre a limpeza dele. Isso é um absurdo. Sou a primeira a fazer guerra contra essa proibição.”

Segundo a coordenadora de Registro e Cadastro de Alimentos da Saúde estadual, Joana Dalva de Miranda, a normatização da Anvisa tem sido aplicada sobretudo às empresas. “Já conseguimos retirar os tachos de cobre das indústrias, provando para eles que o que deixa a cor mais verde do doce de figo, por exemplo, não é o tacho de cobre, mas o tratamento do fruto. A lei vale para todos. Já orientamos as vigilâncias sanitárias dos municípios mineiros no sentido de barrar qualquer expositor de uma feira que tenha produzido doces no tacho”, diz, reconhecendo que é impossível fiscalizar as residências. “Por isso, nas próximas semanas vamos tentar orientar as donas de casa sobre essa recomendação, que vale não só para tachos, mas colheres, revestimentos e outros utensílios.”

Amante da gastronomia mineira e apaixonada pelas panelas de Minas, a francesa Elisabeth Bufet esteve ontem no Mercado Central, no Centro de BH, pela primeira vez. Levada pela amiga, a guia turística Ana Maria Ferreira, Elizabeth não acreditou que o tacho está proibido em Minas. “Na França, os grandes chefes de cozinha usam os caldeirões de cobre para cozinhar. Lá também é tradição Eu mesma faço doces nele”, conta. Ana Maria Ferreira também considera a decisão uma afronta às tradições.

A polêmica se espalhou pelos corredores do Mercado Central, onde há dezenas de lojas que vendem o utensílio. “É a peça mais procurada. A gente fica triste nem é pela venda, mas pelo fim da tradição”, comentou Antonieta Carvalho, dona de três lojas que vendem material de cozinha e adornos no mercado.

Descrença

Gema Galgani Braga, de 76 anos, de Santa Luzia, faz doces há mais de 60 anos. Quando começou, sua mãe, Joana Batista Silvestre, e sua irmã Piedade Margarida, de 88, conhecida como Quetita, já usavam o vasilhame de cobre. “Não sei usar outro tipo de tacho. E também não sei de uma única pessoa que tenha comido dos meus doces e tenha tido uma dor de barriga”, brinca.

A decisão da Vigilância Sanitária a deixou indignada. “O que as autoridades têm que fazer é ensinar a usar direito o tacho, a limpá-lo bem para não deixar dar o azinhavre (substância esverdeada, resultado da oxidação do metal), que é perigoso e venenoso. É preciso arear todos os dias e enxugar com pano seco, no calor do fogo. Tacho é tradição nas cozinhas e ela não pode ser quebrada”, decreta a doceira, famosa pelas balas delícias, canudinhos de doce de leite, doces de frutas, cocadas, entre outros. “Se proibirem os tachos, o que será de nós, doceiras? Virar o tacho de cabeça para baixo e ficar na porta de casa sem ter o que fazer?”, pergunta.

Fonte: Estado de Minas, mas vi no http://www.rainhasdolar.com/

Resfriado sem fim

O caso é o seguinte: nao fico boa desse resfriado, meu nariz e os meus olhos não param de arder e tô me sentindo meio ruim de novo.
Só morando aqui pra sentir o efeito da poluição.
Realmente é uma coisa preocupante. Não só para mim, mas para todo mundo que vive nessa nave espacial.
A poeira e fuligem ficam no ar e entram nas narinas e também "pousam" nas comidas e móveis.
Hoje almocei num Fran's Café dentro da FNAC aqui perto e fiquei vendo as atendentes montarem os pires de cafés e deixarem prontos pra agilizar quando alguém pedir.
A "broinha" devia tá só pó... 

Pirajá

Descobri que esse boteco super famoso está seis minutos a pé do local onde trabalho.
Não é pra ser feliz em dobro?
http://www.piraja.com.br/

Quando voltar de viagem irei fazer uma "visita técnica" básica...

Final de semana

Passado meu segundo final de semana em São Paulo, ainda não consegui resolver grande parte das minhas pendências domésticas e pessoais.
Dois dias é muito pouco pra resolver tantas coisas.
No sábado, que é o dia para se fazer isso, resolvemos deixar tudo pra lá e tomar umas com uns amigos. Fomos ao mercadão tomar um chopp digno (e caríssimo) e relaxar. Após a conta milionária, nos resumimos à nossa condição de ralé e fomos a um boteco honesto lá na Mooca mesmo. Bebemos, conversamos  e comemos uns bolinhos de carne ótimos! A conta? Sim, essa deu pra ler sem susto!
A saideira foi no apzito sentados no chão e a expulsadeira num churrasco de outro amigo. Lá pela madruga voltamos e o domingo se resmiu a indisposição e sono.
Arrumar a casa? Sair pra comprar as coisas faltantes? Nada!
Ir à Bienal? Não deu tempo!
O apzito ainda tá sem cor e preciso urgentemente enfiar uns pregos nas paredes pra fazer ele ficar engraçadinho...
Amanhã viajo para São Luís e só volto no próximo domingo.
Mais um final de semana vai passar e eu não vou conseguir arrumar nada, mas é por uma boa causa: sábado que vem quero ir à praia e sentir o sol arder na pele. Láááá em São Luís...

Ah, o note chega até o final da semana e aí sim! Volto a postar fotos e contar causos...

Bom dia!

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Misto Quente



Quando eu como um misto quente, vou comendo as "beiradas" primeiro.
Pra tirar aquela casquinha grossa (que bem que não poderia existir) das bordas. Tiro o primeiro pedaço e vou comendo rápido até ficar só a parte do meio, que tá bem gordinha e com o melhor do queijo e presunto.
Essa eu me preparo para comer devagar e bem concentrada, porque é sem dúvida, a melhor parte de tudo. O problema é que existem uns filhos da puta que encontram a gente bem nessa hora e pedem um pedaço, ou então, você por educação tem que oferecer. Não é uma merda, isso?
Assim é a sexta. O melhor da semana. O meinho do misto!


Só que você trabalha e trabalha, gasta o meinho durante o dia e fica com as beiradas, ou seja, só com um pedacinho da noite pra você...


Conclusão cretina ham, ham? contente-se com as beiradas!

Twitter

Quero aumentar meu número de seguidores no Twitter.
Ando tão deseinteressante assim, é?
Poxa...

Dia do Vizinho

Hoje é o Dia do Vizinho!

Ainda não consegui ver nenhum dos meus. Só sei que o do lado tem um cachorrinho que o namoradão odeia e que eu já gosto só de saber que ele tem quatro patinhas (adoro cachorros!).
Ah tá, no apto da frente tem uma adolescente lindinha e sorridente. A vi saindo outro dia toda trabalhada na elegância...
Se já conhecesse algum, até ia deixar uma lembrancinha pra cada, mas acho que eles perderam a oportunidade.
Bobos...

Bom mesmo são os vizinhos de mamis.
Bom mesmo mesmo são os vizinhos de vovó.

"Boloxícara" por Rick Freire no Estadão


De onde vem a cupcake? O seu equivalente masculino – e salgado – eu sei: o temaki existia desde sempre, ainda que meio escondido dentro dos cardápios dos japinhas mais tradicionais. Mas a cupcake, que eu entenda, não passa do legado mais calórico de “Sex and the city”.

Ainda me lembro da primeira vez que experimentei uma cupcake. Apresentado a uma guloseima dona de uma popularidade aparentemente maior que a do Lula, abocanhei com vontade e – ugh! Quem foi que teve a infeliz idéia de estragar um muffin honesto com essa cobertura nojenta?

Aquele creme amanteigado era uma gosma indefinida, algo entre o chantilly e o glacê – duas outras categorias de coberturas a que sempre devotei o meu mais absoluto desprezo. Alguém aí já ouviu falar de creme amarelo de sonho de padaria? Oitocentas mil vezes mais gostoso!

Desde que tive essa primeira experiência, há um ano, o fenômeno só vem ganhando força. Para onde quer que você olhe tem alguém vendendo cupcake. Não só na rua. Todo mundo que traficava trufas, cestas de café da manhã e produtos Natura parece ter migrado para a cupcake. Os que gostam dizem que algumas dessas cupcakes feitas por encomenda são autênticas obras de arte.

No começo da semana resolvi me conceder uma segunda chance. Se 120% das pessoas amam cupcake, parece claro que eu estou perdendo alguma coisa. Daqui a pouco a onda passa e só eu não aproveitei.

Resolvi fazer a coisa do jeito certo. Fui ao Twitter. Usei 140 caracteres para expor o meu caso. E mais 140 para pedir uma indicação: se eu tivesse só uma chance de gostar de cupcake, onde deveria ir? Em menos de dez minutos eu já tinha indicações suficientes para passar um mês inteiro à base de cupcake.

Na terça-feira fui até o lugar mais recomendado. Pedi três cupcakes bem diferentes entre si.

Uma tinha uma cobertura amanteigada nojenta, uma gosma indefinida entre o chantilly e o glacê. A outra veio com uma panela inteira de brigadeiro virada por cima. A terceira tinha uma cobertura quase tão espessa quanto o bolinho; nenhum restaurante serviria aquilo sem uma bola de sorvete de creme do lado.

Preciso urgente de um sonho de padaria. Mas um temaki também serve.

___________________________________
Ele, cês sabem né? Quero ser igualzinha quando eu crescer.
Sobre a crônica de hoje: há controvérsias

Hoje no Cantinho da Estrela!


Samba na Dadá hoje.
Ah, se eu tivesse lá....

Tô no ônibus e a menina ao meu lado ao telefone:

- Alô, Ti? É a Pá!

Eu aguento, isso?

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Estação

Em tempo: ontem encontrei uma mais perdida que eu no ônibus!
Me perguntou sobre uma estação e acreditam que eu ensinei certinho???? Desci me achando!!!!

Pra onde?

A vida é uma delícia mesmo.
Até as coisas chatas depois que passam ficam com sabor de coisa boa. De vitória, eu diria.
Estou na segunda semana de casa  e vida novas e aos poucos a vida vai tomando sentido. Já venho sozinha pro trabalho e troco de metrô como se tivesse nascido dentro de um. Só não pode é pedir pra eu fazer outro caminho ainda, tá?
O apzito já tá tendo uma carinha mais personalizada e o pouco que temos já dá pra ter vontade de ficar em casa muito tempo. Foi assim em Parnaíba, em São Luís e agora aqui. No começo falta identidade com o lugar, faltam pessoas, falta razão. Com o passar do tempo você se acostuma a tudo aquilo e se apega de um jeito que não quer mais sair.
Aqui tá assim. Tô no trabalho, mas com vontade de ficar arrumando as coisas em casa. Depois passa. Certeza!
O frio amenizou e o resfriado parece que está sendo derrotado pelos trocentos comprimidos já ingeridos. A mudança de estação faz mudar as vitrines, o astral e o ócio e as comidinhas também. Vai ficando mais quente, mais vontade você tem de sair, de se divertir e de comer coisinhas leves. Gosto disso!

Sexta passada fui ao cinema assisitir "O Bem Amado" com o namoradão e saímos adorando tudo. A atuação do Nanini é fenomenal. Se eu fosse você, não deixaria de ver.

Ah, sobre o apzito, ainda não está liberado para visitas. Não tem cadeiras e nem mesas ainda! Aguardem a liberação e as regras de hospedagem, tá?

Ah e pra encerrar, semana que vem viajo. Sabem pra onde?

Uma copo de chá para quem adivinhar....

Em outubro, Brasil terá nova classificação hoteleira

Em outubro, o Brasil vai conhecer seu novo sistema oficial de classificação de meios de hospedagem. O anúncio foi feito pelo diretor de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico do Ministério do Turismo (MTur), nesta quarta-feira (18), no Rio de Janeiro (RJ), durante o Congresso Nacional de Hotéis (Conotel 2010).

A nova classificação prevê sete tipos de meios de hospedagem – hotel, pousada, hotel-fazenda, hotel Histórico, cama & café, flat e resort. O sistema foi construído após uma análise da experiência de 24 países e de forma participativa, durante oficinas que contaram com a participação de empresários, acadêmicos e sociedade civil.

“Entre os dias 18 de março e 23 de maio deste ano, o link da classificação hoteleira no Portal do Turismo teve 6,4 mil acessos. Além disso, mais de 300 especialistas participaram das oficinas de construção das matrizes. Isso mostra que o sistema foi elaborado da forma mais democrática possível”, afirmou o diretor.

A adoção do sistema, segundo Moesch, terá caráter voluntário. No entanto, o registro no cadastro oficial de prestadores de serviços turísticos do MTur (Cadastur) é um requisito obrigatório para a classificação. “A base das matrizes são infraestrutura, serviços e sustentabilidade. Será um instrumento de comunicação com o turista e o mercado”, acrescenta.

A validade será de três anos, diferente do sistema anterior, de 1990, que previa a renovação anual. O sistema também não prevê pontuação. Os meios de hospedagem classificados serão identificados por estrelas e deverão atender a itens mandatários (obrigatórios) ou eletivos (flexíveis). Para receber a classificação, o equipamento deverá cumprir 70% dos requisitos.

PRÓXIMOS PASSOS

De acordo com o Ricardo Moesch, nos próximos meses serão realizadas ações de disseminação, mobilização e sensibilização, além de cursos de formação de inspetores.

"A qualidade é uma das preocupações do MTur. Não basta ter infraestrutura e aeroportos, é necessário também oferecer um bom atendimento. Incentivar a qualificação é incentivar a qualidade dos serviços”, afirmou o diretor.

O projeto de classificação hoteleira é uma parceria do MTur com o Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) e a Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM).

Mais informaçõesTelefones Úteis
Fale Conosco

Atendimento à imprensa / Assessoria de Comunicação do MTur
imprensa@turismo.gov.br
(61) 2023 7055
Siga o turismo no Twitter: www.twitter.com/MTurismo

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Monossílabos

Trabalho com a Pa, a Na, a Mê e o Rê.
Eu sou a Bê!
Muito prazer e bom dia!!!!!!


Coisas de São Paulo....

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

LAN compra TAM por US$3,8 bilhões

O acordo anunciado nesta sexta-feira para combinação das operações entre TAM e LAN, as duas maiores companhias aéreas da América do Sul, foi desenhado de uma forma para atender a legislação, que restringe a participação estrangeira no setor aéreo brasileiro. A família Amaro, fundadora da TAM, continuará controlando a empresa holding TAM Empreendimentos e Participações, que é dona da empresa operacional TAM S/A, que é listada em bolsa e dona dos aviões.

“A estrutura societária atende a regulação de 80% de capital nacional e atenderá mesmo numa eventual mudança futura para 51%”, disse o presidente da TAM, Líbano Barroso, em conferência com os analistas na noite desta sexta-feira. Desta forma, a operação respeitará a restrição do código aéreo nacional, que impede que os estrangeiros tenham mais de 20% de uma empresa aérea nacional, mesmo que esse limite seja elevado com a proposta hoje em tramitação no Congresso (a ideia é que chegue a 49%).

A transação é complexa. A holding da família Amaro terá uma participação no capital da LAN. Esta, por sua vez, absorverá os acionistas minoritários da empresa operacional TAM. Esse negócio ocorre depois de uma oferta pública que envolve a troca de ações. A estrutura societária desta empresa da família Amaro, que possui os direitos sobre as rotas e os aviões, entre outros, será mantida. Mas, na prática, a transação representa uma compra da empresa brasileira pela companhia chilena, numa operação avaliada em US$ 3,8 bilhões (cerca de R$ 6,8 bilhões), que resultará na criação de uma nova companhia, chamada LATAM, que reunirá as atividades das duas empresas.

Os chilenos deverão ficar com a maior parcela das ações do capital da empresa aérea combinada. Os donos das duas empresas vão manter um acordo compartilhado de controle. As duas marcas vão ser mantidas.

Histórico

A TAM e a LAN iniciaram as primeiras conversas para uma eventual união de suas operações em 2006, segundo apurou o iG. Na época, as conversas não deram certo. Os controladores não chegaram a um acordo sobre os valores para a troca mútua de ações. A família Amaro queria manter uma participação igualitária com os controladores da Lan. Mas com a desvalorização das ações da TAM, em razão das dificuldades financeiras, os papéis da empresa brasileira tiveram queda – eles chegaram a ser cotados a quase R$ 74 em 2006. Na quinta-feira, véspera do anúncio do acordo, as ações eram cotadas a R$ 28.

Fonte: IG

EU: por esse valor eu também botava o nome da minha empresa de LATAM...

Manuais

Ah, ia esquecendo!
Estou oferecendo aulas "on line" sobre os seguinte manuais:
Microondas; máquina de lavar e ferro a vapor.
E você ganha inteiramente grátis "drops" com dicas sobre lavagem de camisas para passar o tempo.
Interessados, favor contactar no email.

Acho que vou montar um curso para noivas...

Segundona

Depois de um final de semana de frio e comprando panelas, potinhos e temperos para a casinha, a segunda amanheceu mais fria ainda.
Minha mudança só chegou hoje, logo as roupas de frio continuam em suas devidas caixas morrendo de calor no Maranhão.
Comecei no trabalho e é tudo novo mesmo!
Moro há "uns dois dias do trabalho" e perco o mesmo tempo pra chegar ao escritório que perdia em São Luís. Não tem jeito. Só de helicóptero ou morando no interior pra não viver uma coisa dessas.
Amanheci resfrida.
Comprei uma bota pra segurar o frio.
Tô toda encasacada parecendo um repolho.
Estou feliz.
Ainda não comprei o note novo.
Vou voltar ao trabalho.

Inté.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Um novo olhar

Tudo começou quando fui tentar ensinar como se faz beiju, iguaria conhecida no Sudeste como tapioca.
Bastou precisar de um “crivo” para saber que não falava a mesma língua dos paulistanos. Crivo para nós, é peneira em São Paulo. Assim como o crivo tem um codinome diferente, inúmeras palavras também tem.
Outro dia comentei que uma senhora estava com os cabelos assanhados e ninguém entendeu, como se “se assanhar” não representasse algo fora “do normal”; apontei uma osga e saí correndo de medo e de novo, o povo achou que eu tinha enlouquecido, porque ninguém conseguiu ver nada além de uma lagartixa se escondendo de mim.
Uma glândula é algo inexplicável. Não sabem o que é! Marocar a vida do povo é fofocar, mas convenhamos, fofocar é muito universal, muito corriqueiro. Marocar dá um tom piadista pra frase, não dá? Vem desse termo o nome próprio “Maroca”, pessoa normalmente perto da terceira idade que “dá conta” da vida de toda uma rua ou família, por exemplo.
O verbo “ferir”, palavra forte, geralmente associada a dores de amor, arrogância ou ferimentos também não é muito usual. O termo “machucar” substitui bem e falar “me feri” causa espanto!
Um país com dimensões continentais não poderia deixar de ter essas dualidades e dicotomias. A vida é feita de comparações e o diferente é motivo de discussões, reflexões e análises psicossociais.
Isso sem falar do sotaque, que é uma bandeira que carrego em todos os lugares. Basta dar “bom dia” que todos perguntam de onde sou. Basta falar qualquer palavra com o meu “r” que a seta de nordestina aparece feito neon em cima da minha cabeça.
As diferenças não são sutis e nem o preconceito. Percebe-se em tudo e em todos.
Quando criança, lembro bem da professora falando sobre as diferenças do Brasil e explicando que isso era lindo e que compunha um país diferente e plural. Aprendi assim. Cresci enxergando o mundo assim!
Uma amiga do Piauí falou do nosso “olhar” e mal pude enxergar a importância disso para o ludovicense. Depois de muitos exemplos, fui perceber que falamos o verbo “olhar” com a mesma facilidade que falamos um simples “oi”. Vejamos:
Situação 01:
-Joãozinho, tu tens olhado Mariazinha?
- Ah, olhei por esses dias andando na Rua Grande.

Situação 02:
- Menina, tu nem sabes com quem olhei Joãozinho?
- Com quem?

E assim vamos usando o verbo “olhar” para tudo e esquecendo o verbo “ver” para diversificar o vocabulário, coisa muito diferente no resto do país.
“Olhar” e “ver” são verbos similares, mas não são iguais. Olhar tem uma conotação mais profunda, remete a olhar dentro dos olhos, olhar na alma e enxergar o melhor de tudo e de todos. Ver é verificar alguma coisa de forma superficial e você muitas vezes vê, mas não enxerga!
São Paulo é a maior cidade da América Latina e cercada de superlativos. São Luís é a capital do estado mais pobre do pais e também usa um superlativo para se destacar no cenário nacional. Ambas com extremos.
Talvez quem sempre “olha” para as coisas veja o mundo com outros olhos e quem muito vê não enxergue a beleza e as diferenças que fazem do Brasil o país mais encantador do mundo.
Vou continuar "olhando" o mundo por muito tempo ainda...

Até a próxima!

____________________________________
Jornal Cazumbá, agosto 2010.

Gordo e Magro

Incrível a quantidade de gordos em São Paulo.
Incrível também a quantidade de verduras e legumes que se come. A maioria dos pratos vendidos em qualquer restaurante vem coloridos, cheios de legumes, com saladas opcionais, obrigatórias ou pra decorar. Esse detalhe dos legumes e verduras poderia ser um diferencial para uma alimentação saudável, balanceada e nutritiva, mas que nada!
Na mesma proporção, tem as famosas "padocas" recheadas de pães, doces, salgados e os mais variados acepipes existentes nessa vida. Uma loucura divina digna de paraíso x inferno. A todo momento você é estimulada a escolher entre esses dois extremos.
Uma tentação.
No Nordeste as comidas são com arroz e feijão. Quando somos crianças não somos orientados a comer legumes. Não vemos verduras em nossas mesas. Não somos familiarizados a uma alimentação colorida.
Não lembro da minha mãe comer brócolis. Nunca! O que lembro é do cozidão de carne cheio de vinagreira,  abóbora e "joão gome". A cultura de saladas é algo muito recente para nós e por isso é uma coisa cara.
Nos últimos três dias fui a três lugares diferentes pra almoçar: duas padocas e uma hamburgueria. Em todas comi grelhados com saladas, o que de fato faz a coisa ficar bacana, porque em quase toda esquina você acaba encontrando um "lugarzinho" que vende de tudo.
Em duas ocasiões comi peito de frango (não gosto muito de frango, mas uma vez foi pelo preço e outro pela rapidez do prato) e em todas as vezes, o frango vem com um "pedação" de queijo branco em cima. Parei para lembrar e essa combinação não é típica no Nordeste. Apenas na região pra baixo do agreste que temos o queijo coalho sendo utilizado com tudo. Tudo mesmo!
O fato é que desde sempre, estou de olho na balança.
Saí de São Luis em forma de ovo e não posso me deixar levar pelos encantos de toda esquina.
Espero!

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Nariz gelado.

Acabei de chegar da manicure.
Existem muitos salões aqui perto do meu novo endereço, mas como a gente precisa de uma indicação sempre que é novo em algum lugar, fui perguntar para a atendente da loja de roupas que também tive que entrar.
O salão é muito simpático e as manicures muito educadas. Pena que não sabem fazer. Nada se compara a Cristina, minha manicure tudo de bom nessa vida!
Levantei da cadeira para cair de novo ao ouvir o valor cobrado por essa porcaria de unha: R$ 46,00. Agora já refeita do baque, saí pra comprar uma acetona para tirar o esmalte e aproveitei para entrar numa Lan House para atualizar o bloguito.
Ainda estou sem computador e tentando arrumar a vida e o nariz.
O nariz? Sim, gelado. Um frio danado empurra a vida da gente pra frente e é preciso ser muito forte para tamanha mudança.
De sexta até ontem quando saí de São Luís, foram muitos acontecimentos que mais parecia um filme de ação da sessão da tarde.
Saí na sexta pra festa no Cantinho e na volta um carro bateu no carro de Mamá. Estávamos paradas no sinal vermelho e veio um "super bonitinho" bêbado e pof! amassou a traseira do carro de Mamá. Até hoje não entendo como machuquei meu dedinho do pé, mas tá aqui, roxo e incomodando pra andar.
Fiquei sem dormir essa madrugada e no sábado era o aniversário de Mamis. A Festinha foi ótima com DJ, música instrumental e a parentada toda. Não consegui ligar pra todo mundo porque meu celular quebrou. A festa? Ah, sim, foi até  02:40h de domingo e o saldo foram 13 grades de cerveja.
Se dormi? Claro que não. Domingo era também dia de batalha: limpar a casa... O domingo foi um dia triste para todos de casa e só o que falávamos era sobre minha viagem.

A despedida no aeroporto foi a coisa mais dolorida que já senti nessa vida e jamais esquecerei os olhinhos vermelhos de Vovó, Dinho, Rimão, Ana Paula, Louise e Mamis. Vê-los sentindo minha falta doeu e dói.
Chegar aqui e ser recebida com um poema lindo foi também de doer. Emocionei...
Entrar na minha nova casa toda pensada e planejada pelo "namorido" foi muito bacana. Muitas flores, cartões e frutas espalhadas pela casa davam um perfume especial e esqueci por alguns momentos a tristeza de todos quando me concentrei em saber o funcionamento da máquina de lavar, o gás encanado e as persianas... 
Agora a vida está em andamento, o frio entranha na minha roupa e continuo cansada e com sono.
Para a coisa parecer mais "eu", enfiei as minhas roupas de frio das caixas que vieram pela transportadora e trouxe comigo roupinhas de verão. Isso não é uma coisa bem a minha cara? O que vou fazer com havaianas, shortinhos e camisetas sem manga nessa cidade?
Quando a transportadora trará as coisas? Não sei. A previsão é até sexta.
Por enquanto vou me virando com o que pude comprar e com as meias e moletons do namorido!
Ah, o ap fica perto de muita coisa boa. Vindo pra cá descobri um salão mais em conta, uma feira com muito pastel, uma padoca ótima com mais de cinquenta mil tipos de doces (a pior parte), uma academia em frente, vários restaurantes, um supermercado Extra pertinho e adivinhem? Uma farmácia!!!! Aêêêêê.
Ah e o nariz? Gelaaaaado!

Agora podem voltar a acessar o bloguito todo dia. Voltarei com força total.
Muito obrigada pelas mensagens de carinho, apoio e desejos de felicidade.
Amém.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Companhias Aéreas, Aeroportos e o caos de sempre.

Fico tão cheteada, tão decepcionada e tão preocupada com esse tipo de coisa...
Coitados de nós pleiteando copa, olimpíadas e respeito internacional com notícias desse tipo.
Lamentável.

Vamos à matéria:



Os principais aeroportos do país não enfrentam atrasos significativos em voos nesta quarta-feira (4), informou a Infraero. Às 10h, dos voos domésticos programados, 10,3% enfrentavam atraso, o que representa 76 do total de 735 voos agendados que partiram em mais de meia hora do horário inicial.
 Gol ainda é a companhia aérea que registra maior número de atrasos, 16,1 % desde a 0h até as 10h. São 42 voos com problemas e três cancelamentos. A situação, no entanto, já é melhor. Ontem, a companhia chegou a registrar atrasos em 36,7% dos voos. Desde o final de semana, o passageiro enfrentou filas e alguns dormiram nos aeroportos.


Em nota divulgada na segunda (2), a Gol disse que os voos da empresa vêm sofrendo cancelamentos e atrasos além do normal desde a sexta-feira por conta do intenso tráfego aéreo causado pelo fim das férias escolares e pelos remanejamentos de voos do aeroporto de Congonhas, que fecha as 23h, para o aeroporto de Guarulhos.
Segundo o comandante Gelson Fochesato, presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), o alto índice de atrasos é reflexo de um acordo feito nos últimos dias entre a companhia e o sindicato.
Fochesato afirmou que, depois de três reuniões com a categoria, a Gol concordou no dia 26 de julho em alterar o formato da escala e reduzir o número de voos para cada tripulante a partir de hoje.
Em julho, acontecem muitos voos extras. As companhias fretam aviões para agências de viagens, há voos de férias. E eles não levam em consideração a capacidade da tripulação. Em agosto, isso deve melhorar, mas o acordo é de que agora os voos extras só serão aceitos dentro da capacidade”, disse.
A Anac informou que pediu explicações a Gol sobre os atrasos e cancelamentos e afirmou que está acompanhando a normalização da situação. Segundo a agência, caso o passageiro não seja atendido pela companhia aérea, ele pode registrar queixa pelo 0800 725 4445 ou pelo site: www.anac.gov.br/faleanac.
“Falha” na lei
De acordo com a Lei do Aeronauta (Lei 7.183/84), por questões de segurança operacional, um tripulante de avião a jato não pode exceder 85 horas de voo por mês, 230 horas por trimestre e 850 horas por ano. O texto também impede que a tripulação que cumpriu três horas de jornada entre 23h e 6h viaje na madrugada do dia seguinte.


Já para o comandante Carlos Camacho, diretor do SNA, as empresas aproveitam uma falha no texto da regulamentação da categoria e obrigam os tripulantes a trabalhar durante várias madrugadas seguidas.
“As empresas se apropriaram de uma falha na regulamentação que permite uma interpretação segundo a qual só não podem ser escalados na madrugada seguinte os tripulantes que voltaram à sua base. O problema é que muitas vezes os trabalhadores viajam de madrugada, mas não voltam para sua base, vão para outras cidades”, diz. “Mas o que está em questão é a condição física do ser humano, e não a cidade para onde o tripulante vai”, afirma.
Fonte: uol

Rádio

Até que ouvir rádio não é de todo ruim!
Acabei de ouvir que nessa quinta o Kid Vinil tá aqui. No Armazém da Estrela, Quinta Retrô.
Quero ir!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bye Bye Férias


A camaradagem já existe há quase 10 anos entre os ‘dejotas’ ou ‘discotecários’ Pedro Sobrinho e Franklin, agitando a noite de São Luís com festinhas temáticas.  Os exemplos podem ser constatados com a “Setlist”, “Santa Levada”, em parceria com o DJ Zod (RJ), além de baladas feitas com a participação do DJ também carioca Marcelinho da Lua e o sergipano Dolores.

Para legitimar e patentear essa cumplicidade os dois resolveram apostar na iniciativa do “Desentope Batucada”, (música do CD Sambatown do percussonista carioca Marco Suzano), que representa o jeito uníssono encontrado pela dupla para fazer ‘neguim’ dançar.  Franklin e Pedro Sobrinho querem correr mundo e ir onde os baladeiros de plantão estão, com uma discotecagem a quatro mãos, procurando aliar, convergir da “Black a White Music”, de “Lady Gaga a Cely Campelo”, do “Tech ao Indie”, do “Emo ao Jungle”, de “Woodstock aos arquitetos da Música Pra Pular Brasileira“. Enfim, a ordem é liquidificar o “groove” e a “música”, fazendo barulho na pista de dança.

A estreia da iniciativa “Desentope Batucada” ocorre no próximo dia 6/8, (sexta-feira), a partir das 22h, no baile oficial de encerramento das férias “Bye Bye Férias”. O local escolhido é o Cantinho da Estrela, rua do Giz, nº 175 – (Praia Grande). A aliança entre os ‘dejotas’  Franklin e Pedro Sobrinho é para interagir com liberdade em um ’set’ plural, coerente e mundano(jungle+reggae+ragga+rock+samba+indie+samba), um caldeirão efervescente pra não deixar São Luís no “lost”…) E na lista ‘vip’da noite, a jornalista e radialista da Mirante FM, a carioca Amanda Couto. A apresentadora do programa radiofônico “Tudo de Bom”mostrará graciosidade em um ’set’ feito ‘canja’ tocando só as boas de sua cabeceira.  Ela adianta pitadas de ’samba rock’, mas prefere manter o restante guardado a sete chaves dentro de uma caixinha de surpresas.


Enfim, será uma festa conceitual para combinar com a despedida das férias, o verão e o calor, a marca registrada para quem vive em São Luís. E o Cantinho da Estrela foi o cenário escolhido pela atmosfera “quente’ já existente no lugar. Já sabe, o traje é rigorosamente básico, típico da época e feito pra quem gosta de se soltar em uma pista cheia de ritmos. O que não vale é ficar nu.
No mais é correr riscos em uma bagunça musical para quem gosta de estar sempre na contramão do óbvio, mas sem radicalismo. Vá se despedir e dar ó último suspiro das férias de julho em alto astral, pois quem não dança segura a criança.  Ingressos apenas 10 pilas.


DJ Franklin
O cara é um dos ‘deejays’ mais requisitados para animar festinhas em São Luís. Inquieto e cheio de ‘groove’, o ‘deejay’ Franklin já tocou ao lado de nomes como Dolores, Marcelinho da Lua e Negralha, de o Rappa. E fez incursões pelo Clandestino (em Copacabana), Casa da Matriz (em Botafogo), além da Lapa e Santa Tereza, redutos da boêmia no Rio de Janeiro.




DJ Pedro Sobrinho
Paralelo ao Desentope Batucada, o DJ Pedro Sobrinho tem o projeto pessoal “Mixando o Mundo”. Criado e capitaneado por ele, o projeto já percorreu capitais brasileiras, tais como, Fortaleza, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo ( em junho deste ano). No line up, teve ainda os‘brothers´s Barata (DF) e DJ Oops (DF) e das bandas Catarina Dee Jah (PE) com participação da cantora Lurdez da Luz (SP).
Serviço:
O que: 
Desentope Batucada (DJ´s Franklin, Pedro Sobrinho, participação da jornalista Amanda Couto) no “Baile Bye Bye Férias)

Onde: 
Cantinho da Estrela, rua do Giz, nº 175, (Praia Grande)



Quando: 
06/08/2010  (Sexta-Feira)



Horário: 
22h





Custa: 
R$ 10,00 (Dez Reais)


Só pra constar: EU VOU!!!!!

Bônus

O Brasil é campeão de venda de aparelhos de telefonia móvel, no entanto, o brasileiro vive de bônus!
O povo fala muito, mas não tem dinheiro pra arcar com as contas no final do mês. Não é ótimo isso?
Pois é, estou vivendo de bônus para meu desespero total e pleno! 
Mas não vai me achando uma cretina filha da puta só por esse comentário, plisss. Explico: entreguei meu celular corporativo tudo de bom (uma regalia boa de ter, pode acreditar) e voltei ao meu celularzinho velho, sem acesso à net e sem fazer pipoca! Estou me sentindo meio sem poder fazer as coisas, porque cada ligação custa seis contos de réis. Quase caio com o valor que gastei para resolver duas pendengas de mudança e ainda tenho que ouvir de mamis que meu celular "tá rudela*". Kkkkkkkkkkkkkkkk só mamis pra tirar esse termo lá dos confins de Humberto de Campos...
Estou na semana de arrumar as caixas, botar papel fora, correr de um lado pro outro e transferir responsabilidades, ou seja, uma semana cansativa. Já desmarquei dois almoços essa semana por falta de tempo e tô agora esperando o povo da transportadora. 

Silvia querida tem deixado comentários carinhosos. Muito obrigada Silvinha, não nos vemos muito, mas o carinho existe e eu sei!

São inúmeros e-mails lamentando minha mudança e outros parabenizando... estou confusa hehe!!!

Mamá, obrigada pelo planejamento estratégico da arrumação das caixas no sábado passado. Explico: sábado fiz a primeira triagem na arrumação das caixas e Mamá, Bel e Mamis vieram me ajudar. Mamá separou livros do mesmo tamanho, separou utensílios, CD's e DVD's. Um luxo de armazenagem... Pode abrir uma empresa de logística facilmente.... 
Mamis e Bel eram as operárias, hehe. Sem vocês eu não sou nada, sabiam?
Ah, pecaram quando encaixotaram todos os meus CD's e tô essa semana ouvindo rádio (saco!). A vontade da cliente não foi levada em conta nesse caso. Um problema a ser resolvido na empresa dela, claro!

Agora vou voltar às caixas e obedecer aos princípios básicos da armazenagem de Mamá. Volto mais tarde.

* Rodela = feio, obsoleto, precisando trocar, velho, quebrado...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Para quem vai para o exterior

A Receita Federal ampliou a lista de itens considerados de uso pessoal em viagens internacionais. Estes itens não precisam ser declarados na alfândega na chegada ao país quando comprados no exterior. A portaria foi publicada nesta segunda-feira (2) no "Diário Oficial da União".
Constam na lista de produtos isentos telefone celular com bateria e acessório, relógio de pulso e máquina fotográfica, com limite de um para cada pessoa. No caso de produtos como bebidas e cigarros, haverá um limite fixo de isenção. Serão permitidos 10 maços de cigarros com 20 unidades, 25 unidades de charutos e cigarrilhas e 12 litros de bebidas alcoólicas.
Alguns produtos de desejo de consumidores brasileiros que viajam ao exterior, no entanto, não serão contemplados pelas mudanças. A restrição a notebooks e filmadoras continua e será necessário pagar tributo se o total da compra realizada no exterior ultrapassar a cota de US$ 500,00


O que o passageiro pode trazer:


Uma máquina fotográfica

Um telefone celular

Um relógio de pulso

12 litros de bebidas alcoólicas

10 maços de cigarros

25 charutos ou cigarrilhas

250 gramas de tabaco

20 unidades de bens de até US$ 10

Fonte: G1

domingo, 1 de agosto de 2010

Sem palavras

Estou meio sem palavras esses dias.
Acho que vocês entendem, não?
Não é tristeza, mas uma sensação estranha. De mundança...
Amanhã entrego celular corporativo; computador corporativo e pensamentos corporativos também. Ficarei diferente, sei!
Mas o bloguito, que é uma das coisas mais interessantes dessa minha vidinha, estará firme dando força para mim e para vocês.
À partir da semana que vem ele (o bloguito) já ganha ares de paulicéia desvairada, misturado com um clima mais ameno, restaurantes bons e vida urbanóide.
Creio que estarei bem depois de um mês....
Vocês ajudam????

Azul começa a operar voos diários para São Luís e Teresina a partir de 01 de setembro

Dois novos destinos começam a ser servidos pela Azul Linhas Aéreas Brasileiras a partir de setembro. São Luís, no Maranhão, e Teresina, no Piauí, com isso sobe para 23 o número de cidades servidas pela companhia. O voo partirá todos os dias de Campinas para São Luís com escala em Teresina. Ou seja, a rota vai atender também o tráfego aéreo entre as duas cidades. As passagens aéreas já estão sendo vendidas e as novas rotas entram em operação no dia 1.º de setembro com voos diários.
No primeiro mês de operações, os bilhetes estão com preços promocionais. Até 30 de setembro, é possível voar de Campinas para São Luís ou de Campinas para Teresina por preços a partir de R$ 199 por trecho (válido para viagens de ida e volta). De São Luís para Teresina, as passagens variam a partir de R$ 69,00 por trecho.
Os voos partirão diariamente de Campinas para Teresina às 22h35 com chegada à capital piauiense à 1h40. De Teresina, o voo parte para São Luís, onde tem chegada prevista para 3h. No sentido contrário, os voos
partem de São Luís às 3h30 com chegada a Campinas às 7h55. De Teresina a decolagem é às 4h50 com chegada a Campinas às 7h55. Quem quiser embarcar em São Luís para Campinas poderá sair da capital maranhense às 3h30 e chegar a Teresina às 4h20.

Fonte: AZUL

Próxima sexta!


Só pra reforçar:

Pedro Sobrinho comanda a festa e sei que vai ser tuuudo!
No Cantinho da Estrela próxima sexta, à partir das 22h.
10 contos de réis!