Pular para o conteúdo principal

Pra fazer um turista feliz

Foto: Paulinha Alcoforado

Falamos muito sobre o que é necessário para atrair turistas, o que nossa cidade precisa para deixar o turista satisfeito e o que se está fazendo para que entremos de fato na “Era dos destinos turísticos de primeira”.
As indagações e as conjecturas para se chegar às fórmulas mágicas são as mais variadas possíveis e percebe-se que na realidade, ainda há muito por fazer. Muito por fazer em infraestrutura, hospitalidade, melhoria de produtos, oferta de atrativos e organização da cadeia produtiva. Se fôssemos elencar, poderíamos passar alguns bons minutos só focando nesses itens, mas nesse São João percebi que para um turista se sentir feliz é preciso muito pouco!
Os itens citados acima são de vital importância para captarmos turistas ao redor do mundo e para que nos destaquemos como um destino preparado e consolidado.
Acontece que existem turistas que chegam aqui mesmo sem estarmos nas prateleiras das principais operadoras do Brasil e do mundo. Chegam em excursões rodoviárias, aportam aqui pelos mais variados motivos, retornam à nossa cidade após vários anos, vem à trabalho ou mesmo participando de eventos e de fato não foram atraídos pelo que não temos, e sim, motivados por um leque de situações que independem da organização da cidade.
Jamais apagarei da lembrança a imagem de uma turista esperneando e dando saltinhos de alegria por ter ganhado uma matraca personalizada, uma sacola com uma paisagem do Maranhão, um DVD sobre o São João e uma camiseta fazendo alusão aos festejos juninos! Naquele instante refleti sobre o pouquinho que estava dando e a grandeza do resultado daquele gesto.
Os souvenirs em questão não apagavam a imagem que aquela turista iria levar de um centro histórico sujo e mal cuidado ou mesmo de uma Fonte do Ribeirão cheia de lixo e fezes, mas bastou aquilo para que o coração não só dela, mas de todo o grupo, amolecesse e todos compartilhassem conosco dos lamentos pela situação de tais atrativos e principalmente se alegrassem com a festa mais colorida e animada do País.
Nos dois principais arraiais da cidade existiam espaços especialmente criados para turistas e o resultado foi maravilhoso! Todos que chegavam até nós e eram recebidos com brindes, sucos, refrigerantes, cervejas e petiscos, agradeciam com uma alegria no rosto difícil de conseguir em outros momentos. Conversavam de uma forma muito espontânea e levaram consigo lembranças da nossa hospitalidade.
Imagino que daqui pra frente não seja mais possível um São João sem essa ferramenta de relacionamento. Não é possível retrocedermos a esse ponto!
As Secretarias de turismo investiram em espaços decorados, arejados e com grande acolhimento, coisas básicas para se tratar um visitante/turista.
Em nosso espaço, apenas nos primeiros seis dias e em parceria com o Sindicato de Guias, atendemos mais de 900 turistas que nos deixaram suas impressões sobre a cidade, que tenho certeza, em alguns casos, foram amenizadas pela nossa recepção e também pela interação entre eles a equipe.
Penso que é sempre hora de planejar o futuro e desenvolver uma política focada em quem queremos que venha conhecer São Luís e o Maranhão, mas jamais esquecerei a importância que é tratar os turistas que aqui já estão e que por um motivo ou outro, vieram beber na nossa fonte e espalhar nossa hospitalidade por onde quer que andem!


Jornal Cazumbá, julho, 2010

Comentários

Anônimo disse…
Foste tão gentil com a fonte nega,aff ta podre de suja,uma agua verde nojenta parada a anos que ja ta uma costra,sem contar a quantidade de pessoas q fazem la de banheiro literalmente do banho as necessidades.O pior que é em frente a fundação de cultura,vo te contar sinto pena e vergonha viu ja que cresci vendo esta fonte,so limpam a bichinha qdo tem evento acredita???Mas ainda assim vive cheia de turistas,pronto falei.Vo tirar foto e mandar p ti colocar no blog.
Bjus Teresópolis

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…